Equipamento da estação de rádio: lista completa para estúdio e transmissão

 por Ray Chan / Última atualização em 10 de agosto de 2023 / Guias técnicos de RF

 

O equipamento da estação de rádio geralmente se refere ao conjunto de hardware e software usado na operação de uma estação de rádio, independentemente da tecnologia de transmissão específica. Embora as estações de rádio tradicionalmente se refiram à transmissão em FM e AM, o equipamento da estação de rádio também pode incluir equipamentos usados ​​em outros tipos de transmissão de rádio, como rádio na Internet, rádio por satélite ou rádio digital. Além disso, o equipamento da estação de rádio também pode abranger equipamentos relacionados à transmissão televisiva, como equipamentos de produção de áudio e vídeo usados ​​em estúdios de TV ou equipamentos de transmissão para transmissões de TV. Em essência, o equipamento da estação de rádio engloba as ferramentas e tecnologias empregadas em vários tipos de transmissão de rádio, atendendo às necessidades específicas da estação e do meio de transmissão escolhido.

  a-microfone-suporte-para-broadcast-studio.jpg

 

Esteja você planejando estabelecer uma nova estação de rádio ou buscando orientação sobre como selecionar o equipamento principal, a lista de equipamentos a seguir, baseada em uma sala de estação de rádio típica, pode fornecer uma ajuda valiosa. A lista será dividida em poucas partes, que correspondem a diferentes tipos de equipamentos usados ​​em uma típica sala de equipamentos de rack de estação de rádio. Vamos dar uma olhada.

 


 

Soluções Estendidas

  

Rede de frequência única (SFN)

Uma Rede de Frequência Única (SFN) é uma rede de transmissores sincronizados que transmitem na mesma frequência e fornecem cobertura dentro de uma área específica. Ao contrário das redes tradicionais de múltiplas frequências, onde cada transmissor opera em uma frequência separada, os SFNs usam temporização sincronizada e faseamento de sinal para garantir que os sinais transmitidos se reforcem em vez de causar interferência.

 

fmuser-sfn-solução-de-rede-frequência única.jpg

 

Como funcionam as redes de frequência única?

 

Os SFNs funcionam transmitindo o mesmo conteúdo simultaneamente de vários transmissores na mesma frequência. Para evitar interferência entre os sinais, os transmissores são cuidadosamente sincronizados para garantir que seus sinais transmitidos cheguem aos receptores com diferenças de tempo mínimas. Essa sincronização é crucial para manter a integridade do sinal transmitido e alcançar uma cobertura perfeita em toda a área SFN.

 

Os receptores em um ambiente SFN recebem sinais de vários transmissores e os sinais recebidos se combinam de forma construtiva, aumentando a intensidade geral do sinal. Esse reforço ajuda a superar as limitações de cobertura e fornece recepção consistente e confiável em toda a área de cobertura do SFN.

 

Escolhendo uma Rede de Frequência Única

 

Considere os seguintes fatores ao escolher um SFN:

 

  1. Área de cobertura: Determine a área geográfica que pretende cobrir com o SFN. Avalie a densidade populacional, a topografia e quaisquer obstáculos potenciais que possam afetar a propagação do sinal. Essas informações ajudarão a determinar o número e a localização dos transmissores necessários para uma cobertura efetiva.
  2. Sincronização do transmissor: Certifique-se de que os transmissores SFN possam ser sincronizados com precisão para minimizar as diferenças de tempo e obter uma combinação de sinal construtiva. Mecanismos e tecnologias de sincronização robustos são essenciais para manter sinais coerentes em toda a rede.
  3. Gerenciamento de frequência: Coordene o uso da frequência e gerencie possíveis interferências com outras emissoras ou serviços que operam na mesma banda de frequência. O cumprimento das diretrizes regulatórias e a obtenção das devidas licenças são essenciais para a operação do SFN.
  4. Equipamento de Transmissão: Escolha transmissores e equipamentos associados capazes de fornecer a potência de saída necessária, a qualidade do sinal e os recursos de sincronização. Considere fatores como eficiência de energia, redundância e escalabilidade para atender às necessidades presentes e futuras.
  5. Planejamento e Otimização de Rede: Envolva-se no planejamento e otimização abrangentes da rede para garantir o posicionamento adequado do transmissor, a seleção da antena e as previsões de cobertura do sinal. Use ferramentas e modelos preditivos para avaliar a força do sinal, a interferência e possíveis lacunas de cobertura.
  6. Manutenção e Monitoramento: Estabeleça procedimentos para manutenção regular, monitoramento e solução de problemas da rede SFN. Os recursos de monitoramento remoto e as práticas de manutenção proativa ajudarão a garantir o desempenho da rede e a minimizar o tempo de inatividade.

Sistema N+1

Um sistema N+1 refere-se a uma configuração de redundância onde N representa o número de componentes operacionais necessários e um componente adicional (+1) é incluído como backup ou espera. O objetivo de um sistema N+1 é fornecer capacidade de backup ou redundância, permitindo uma operação contínua em caso de falha ou manutenção de um ou mais componentes primários.

 

fmuser-n-1-transmissor-sistema-de-mudança-automática-sobre-controlador.jpg

 

Como funciona um sistema N+1?

 

Em um sistema N+1, os componentes principais, como transmissores ou outros equipamentos críticos, são configurados para lidar com a carga de trabalho normal. O componente de backup adicional (+1) é mantido em modo de espera, pronto para assumir se algum dos componentes principais falhar ou exigir manutenção. Essa redundância garante operação ininterrupta e minimiza o tempo de inatividade.

 

Quando ocorre um evento de falha ou manutenção, o componente de backup é automaticamente ou manualmente colocado em operação, assumindo a carga de trabalho do componente com falha ou offline. Essa troca pode ser feita usando mecanismos de failover automático, intervenção manual ou uma combinação de ambos, dependendo da configuração específica e dos requisitos do sistema N+1.

 

Escolhendo um Sistema N+1

 

Considere os seguintes fatores ao escolher um sistema N+1:

 

  1. Componentes Críticos: Identifique os componentes críticos em seu sistema de transmissão que requerem redundância. Isso pode incluir transmissores, fontes de alimentação, processadores de áudio ou qualquer outro equipamento vital para operação contínua.
  2. Requisitos de redundância: Determine o nível de redundância necessário para o seu sistema de transmissão. Avalie o impacto potencial da falha do componente e determine o número de componentes de backup necessários para manter a operação ininterrupta. Considere fatores como a criticidade do componente, probabilidades de falha e o nível desejado de redundância.
  3. Comutação automática vs. manual: Determine se o sistema N+1 requer mecanismos automáticos de failover ou intervenção manual para comutação de componentes. A comutação automática pode fornecer tempos de resposta mais rápidos e minimizar o tempo de inatividade, enquanto a comutação manual permite mais controle e verificação.
  4. Compatibilidade e Integração: Certifique-se de que os componentes de backup no sistema N+1 sejam compatíveis e se integrem perfeitamente aos componentes principais. Considere fatores como conectores, protocolos e interfaces de controle para garantir comunicação e funcionalidade adequadas.
  5. Monitoramento e Alertas: Implemente sistemas robustos de monitoramento e alerta para monitorar ativamente o status dos componentes primários e de backup. Isso ajuda na detecção precoce de falhas ou necessidades de manutenção, permitindo a intervenção oportuna e a comutação apropriada no sistema N+1.
  6. Manutenção e Testes: Estabeleça programações regulares de manutenção para componentes primários e de backup. Realize testes e verificações periódicas do(s) componente(s) de backup para garantir sua prontidão e confiabilidade quando necessário no sistema N+1.

 


 

Transmissores de transmissão

 

Os transmissores de radiodifusão são o coração das estações de rádio e televisão, responsáveis ​​por transmitir os sinais de áudio e vídeo para uma ampla audiência. Eles garantem a entrega de conteúdo de alta qualidade por ondas de rádio para rádios e televisões em residências e veículos. Os transmissores de transmissão abrangem vários tipos, incluindo transmissores de transmissão FM, transmissores AM e transmissores de transmissão de TV. Vamos explorar esses tipos e sua importância na indústria de radiodifusão.

 

  1. Transmissores de transmissão FM: Transmissores de transmissão FM (Frequency Modulation) são amplamente utilizados para transmissão de rádio. Eles transmitem sinais de áudio pela banda FM, proporcionando som claro e de alta fidelidade aos ouvintes. Os transmissores FM modulam a frequência portadora com o sinal de áudio, permitindo uma ampla gama de frequências e transmissão estéreo. A transmissão FM é popular por sua qualidade de som superior, tornando-a adequada para estações de música, talk shows e outras programações de rádio. >> Saiba Mais
  2. Transmissores AM: Os transmissores AM (modulação de amplitude) desempenham um papel vital na transmissão de rádio AM. Eles modulam a amplitude da frequência da portadora com o sinal de áudio para transmitir voz e música. A transmissão AM tem uma longa história e continua a ser amplamente utilizada para notícias, programas de entrevistas, esportes e outros conteúdos. Os transmissores AM têm uma ampla área de cobertura, mas são mais suscetíveis à interferência atmosférica, tornando-os adequados para transmissões de longo alcance e escuta noturna. >> Saiba Mais
  3. Transmissores de transmissão de TV: Os transmissores de transmissão de TV formam a espinha dorsal da transmissão de televisão. Eles transmitem sinais de áudio e vídeo pelo ar para as televisões, permitindo que os espectadores assistam a seus programas favoritos. Os transmissores de TV usam várias técnicas de modulação, como digital (ATSC) ou analógica (NTSC), dependendo dos padrões de transmissão de uma determinada região. Os transmissores de TV cobrem uma ampla faixa de frequência e requerem níveis de potência mais altos para atingir a área de cobertura desejada. >> Saiba Mais

 

Além dos transmissores de transmissão de FM, AM e TV, existem outros tipos de transmissores de transmissão para aplicações especializadas. Isso inclui transmissores de rádio digital (por exemplo, DAB, HD Radio), transmissores de ondas curtas e transmissores de uplink de satélite para transmissão via satélites. Esses transmissores atendem a necessidades e tecnologias específicas de transmissão, oferecendo opções expandidas para fornecer conteúdo a diversos públicos.

 

Os transmissores de radiodifusão são cuidadosamente projetados, incorporando tecnologias avançadas para garantir a melhor qualidade de sinal, cobertura e conformidade com os padrões regulamentares. Eles são normalmente combinados com antenas para irradiar os sinais no espaço para recepção por antenas de rádio ou TV.

Transmissor FM Rádio

O transmissor de rádio FM desempenha um papel crucial na captura de som do estúdio de rádio e na transmissão através de uma antena FM para a área de recepção de rádio designada. Este transmissor pode ser um dispositivo eletrônico separado ou um circuito dentro de outro dispositivo eletrônico. Quando o transmissor e o receptor são combinados em uma unidade, eles são chamados de transceptores. Na documentação técnica, o termo "transmissor" é frequentemente abreviado como "XMTR" ou "TX". O objetivo principal dos transmissores é facilitar a comunicação de informações de rádio em uma distância específica.

 


 

Como funciona o transmissor de rádio FM?

 

Para transmitir informações, o transmissor recebe sinais eletrônicos, como sinais de áudio (som) de um microfone, sinais de vídeo (TV) de uma câmera ou sinais digitais de um computador no caso de dispositivos de rede sem fio. O transmissor combina o sinal de informação com um sinal de radiofrequência para gerar ondas de rádio, conhecidas como sinal de portadora. Este processo é conhecido como modulação. Diferentes tipos de transmissores usam vários métodos para adicionar informações ao sinal da portadora. Por exemplo, nos transmissores AM, a informação é adicionada alterando a amplitude, enquanto nos transmissores FM, isso é obtido alterando ligeiramente a frequência. Existem também inúmeras outras técnicas de modulação utilizadas.

 

O sinal de rádio gerado pelo transmissor é então direcionado para uma antena, que irradia a energia na forma de ondas de rádio. A antena pode ser colocada dentro do invólucro do transmissor ou conectada externamente, como visto em dispositivos portáteis como telefones celulares, walkie-talkies e abridores de portas de garagem. Em transmissores mais potentes, a antena geralmente está localizada no topo de um prédio ou em uma torre separada, conectada ao transmissor por meio de um alimentador ou linha de transmissão.

 

Os transmissores de FM são categorizados em baixa potência, média potência e alta potência com base em suas capacidades de potência de saída. Cada categoria atende a diferentes propósitos e aplicações. Aqui está uma visão geral dessas categorias de transmissores de FM:

 

  1. Transmissores FM de baixa potência: Transmissores FM de baixa potência normalmente têm uma faixa de potência de saída de alguns watts a dezenas de watts. Eles são comumente usados ​​em estações de rádio comunitárias, transmissões de pequena escala, eventos locais e aplicações de nicho. Esses transmissores são compactos em tamanho e oferecem soluções econômicas para áreas de cobertura limitada. Transmissores FM de baixa potência são adequados para transmissões de curto alcance, como dentro de um bairro ou um pequeno campus.
  2. Transmissores FM de média potência: Transmissores FM de potência média têm capacidades de potência de saída mais altas, variando de várias dezenas a centenas de watts. Eles são projetados para estações de rádio regionais e áreas de cobertura que requerem um alcance de transmissão moderado. Transmissores de média potência oferecem maior intensidade de sinal e cobertura em comparação com transmissores de baixa potência, tornando-os adequados para regiões geográficas mais amplas. Eles são comumente utilizados por emissoras regionais, instituições educacionais e estações de rádio de pequeno a médio porte.
  3. Transmissores FM de alta potência: Transmissores FM de alta potência são construídos para transmissão comercial e atendem a grandes áreas de cobertura com um grande número de ouvintes. Eles têm potência de saída significativamente maior, variando de várias centenas de watts a quilowatts ou mesmo multiquilowatts. Os transmissores de alta potência são usados ​​pelas principais estações de rádio e redes de transmissão para alcançar extensas regiões geográficas. Esses transmissores exigem infraestrutura mais sofisticada, sistemas de antenas maiores e conformidade com os requisitos regulamentares para transmissão comercial.

 

A potência de saída é um fator crítico para determinar a faixa de cobertura e o alcance do público de um transmissor FM. O tamanho, preço e especificações dos transmissores de FM variam dentro de cada categoria de potência, dependendo dos recursos e requisitos desejados da aplicação específica.

 

Ao selecionar um transmissor FM, é essencial considerar a categoria de potência que melhor se alinha com a área de cobertura pretendida, como um pequeno bairro ou uma região inteira. Além disso, fatores como restrições regulatórias, restrições orçamentárias e a qualidade de áudio desejada devem ser levados em consideração. Consultar profissionais da indústria e aderir aos regulamentos locais de transmissão ajudará na escolha do transmissor FM mais adequado para uma aplicação específica de transmissão.

 

Transmissores de FM recomendados para você

 

fmuser-fu15a-15w-fm-transmissor.jpg fmuser-fu1000c-1kw-fm-transmissor.jpg fmuser-fu618f-gabinete-10kw-fm-transmissor.jpg
Transmissor FM de baixa potência até 100W Transmissor FM de média potência até 1000W Transmissor FM de alta potência até 10kW

 

Consertando peças e peças de reposição em transmissores de transmissão FM

Quando um transmissor de transmissão FM quebra ou apresenta mau funcionamento, geralmente requer que certos componentes sejam consertados ou substituídos. No contexto dos transmissores de transmissão FM, "peças de fixação" e "peças de reposição" geralmente se referem à mesma coisa, que são os componentes ou módulos usados ​​para consertar ou substituir as peças defeituosas dentro do transmissor.

 

Peças de fixação

 

As peças de fixação são os componentes usados ​​para solucionar problemas ou falhas específicas em um transmissor de transmissão FM. Eles são normalmente empregados quando a peça original pode ser reparada, em vez de completamente substituída. As peças de fixação podem incluir itens como:

 

  1. Componentes da placa de circuito: Estes podem consistir em capacitores, resistores, transistores, circuitos integrados (ICs), diodos e outros componentes eletrônicos. Quando qualquer um desses componentes falha ou é danificado, eles podem ser substituídos individualmente, economizando tempo e custos em comparação com a substituição de toda a placa de circuito.
  2. Conectores: Os conectores são pontos comuns de falha em sistemas transmissores. Eles facilitam as conexões elétricas entre diferentes componentes e cabos. Conectores defeituosos podem causar perda de sinal, conexões intermitentes ou outros problemas. A substituição desses conectores geralmente pode resolver o problema.
  3. Componentes da fonte de alimentação: Os transmissores dependem de fontes de energia estáveis ​​e confiáveis. As peças de fixação relacionadas aos componentes da fonte de alimentação podem incluir retificadores, reguladores de tensão, fusíveis e transformadores. A substituição de componentes defeituosos da fonte de alimentação pode restaurar a funcionalidade adequada do transmissor.

 

Transistores de RF de alta potência recomendados para você

  

fmuser-150w-mrfe6vp5150n-amplificador-transistor.jpg fmuser-300w-mrfe6vp6300h-amplificador-transistor.jpg fmuser-600w-mrfe6vp5600h-amplificador-transistor.jpg fmuser-1000w-blf188xr-transistor-amplificador.jpg
150 W MRFE6VP5150N 300 W MRFE6VP6300H 600 W MRFE6VP5600H 1000 W BLF188XR

 

Peças de reposição

 

As peças de reposição, por outro lado, são usadas quando o reparo do componente defeituoso não é viável ou economicamente viável. Nesses casos, toda a peça é substituída por uma nova. As peças de reposição podem incluir:

 

  1. Amplificadores de potência: Estes são componentes cruciais em transmissores de transmissão FM, responsáveis ​​por amplificar o sinal para o nível de potência desejado. Se um amplificador de potência falhar, muitas vezes ele precisa ser totalmente substituído, pois repará-lo pode ser impraticável ou de custo proibitivo.
  2. Sintetizadores de frequência: Os sintetizadores de frequência são usados ​​para gerar a frequência portadora em transmissores de transmissão FM. Quando um sintetizador de frequência não funciona bem, normalmente requer uma substituição em vez de reparo.
  3. Modulação ou módulos de processamento de áudio: Esses módulos lidam com as funções de modulação e processamento de áudio em transmissores de FM. Quando defeituosos, eles podem precisar ser substituídos para restaurar a qualidade de áudio e o desempenho de modulação adequados.

 

Transistores de RF de alta potência recomendados para você

  

fmuser-fmt2-fm-tx-series-350w-600w-1kw-fm-transmissor-amplificador.jpg fmuser-fmt3-150w-350w-600w-1kw-fm-transmitter-amplifier.jpg fmuser-200-watt-amplificador-de-transmissão-fm-para-fu-200a.jpg fmuser-fu-1000d-1000w-fm-transmissor-amplificador.jpg

350 W/600 W/1 KW

para série FMT2

150W / 350W / 600W / 1KW

para série FMT3

200 Watts para FU-200A 1000W para FU-1000D

fmuser-1000w-fm-módulo-amplificador-de-palete-para-fu-1000c.jpg fmuser-fmt5-150h-complete-150-watt-fm-broadcast-amplifier.jpg fmuser-fsn5-fmt5-fm-tx-350w-600w-1000w-fm-pallet.jpg
1000W para FU-1000C 150 W para FMT5-150H

350W / 600W / 1000W

para as séries FSN5.0 e FMT5

 

Transmissores AM

Transmissores AM geram sinais AM, onde a amplitude da onda portadora é modulada para transmitir informações de áudio ou dados. Esses transmissores são comumente usados ​​em transmissão de rádio AM, comunicações de aeronaves e outras aplicações que requerem transmissão de longo alcance de sinais AM. >> Saiba Mais

 

fmuser-gabinete-1kw-am-transmissor.jpg

 

Como funcionam os transmissores AM?

 

Os transmissores AM geralmente consistem nos seguintes componentes:

 

  1. Oscilador de portadora: O oscilador da portadora gera o sinal da portadora, que é tipicamente uma forma de onda senoidal de alta frequência.
  2. Fonte de modulação: A fonte de modulação fornece o sinal de áudio ou dados a ser transmitido. Este sinal modula a amplitude da onda portadora.
  3. Modulador: O modulador combina o sinal da portadora com a fonte de modulação. Ele modula a amplitude do sinal da portadora de acordo com o sinal de áudio ou dados, criando o sinal AM.
  4. Amplificador de potência: O amplificador de potência amplifica o sinal AM modulado para um nível de potência adequado para transmissão.
  5. Antena: A antena é responsável por irradiar o sinal AM amplificado para o espaço para recepção pelos receptores pretendidos.

 

O transmissor AM funciona variando a amplitude da onda portadora de acordo com o sinal de áudio ou dados. Esse processo de modulação codifica a informação no sinal da portadora, permitindo que ela seja transmitida por longas distâncias. Na extremidade receptora, um receptor AM demodula o sinal AM recebido para recuperar o áudio original ou o sinal de dados.

 

Escolhendo transmissores AM

 

Considere os seguintes fatores ao escolher transmissores AM:

 

  1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência necessária para sua transmissão AM. Escolha um transmissor AM que cubra a faixa de frequência específica de sua aplicação.
  2. Potência: Avalie os requisitos de potência de saída de sua transmissão. Escolha um transmissor AM que possa fornecer o nível de potência desejado para sua aplicação, levando em consideração fatores como alcance e cobertura do sinal.
  3. Capacidades de modulação: Considere as capacidades de modulação do transmissor AM. Determine se ele suporta o esquema de modulação necessário para sua aplicação, como AM padrão ou variações como DSB (Double Sideband) ou SSB (Single Sideband).
  4. Qualidade de áudio: Avalie a qualidade de áudio oferecida pelo transmissor AM. Procure recursos como baixa distorção, boa relação sinal-ruído e ganho de áudio ajustável para garantir uma transmissão de áudio clara e de alta qualidade.
  5. Confiabilidade e Durabilidade: Considere a confiabilidade e durabilidade do transmissor AM. Procure um transmissor robusto e bem construído que possa suportar as condições ambientais e fornecer um desempenho consistente.
  6. Conformidade e Padrões: Verifique se o transmissor AM está em conformidade com os padrões e regulamentos relevantes do setor em sua região.

 

Transmissores AM de alta qualidade recomendados para você

  

FMUSER estado sólido 1KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 3KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 5KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 10KW AM transmissor.jpg
Transmissor de 1KW AM Transmissor de 3KW AM Transmissor de 5KW AM Transmissor de 10KW AM
FMUSER estado sólido 25KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 50KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 100KW AM transmissor.jpg FMUSER estado sólido 200KW AM transmissor.jpg
Transmissor de 25KW AM Transmissor de 50KW AM Transmissor de 100KW AM Transmissor de 200KW AM

Transmissores de TV

Os transmissores de TV são dispositivos eletrônicos responsáveis ​​por gerar e transmitir sinais de televisão. Eles convertem sinais de áudio e vídeo em ondas eletromagnéticas que podem ser recebidas por antenas de televisão. Os transmissores de TV são usados ​​em estações de transmissão de televisão para transmitir programas de televisão para um público amplo.

 

fmuser-czh518a-3000w-transmissor-de-tv-analógico.jpg

 

Como funcionam os transmissores de TV?

 

Os transmissores de TV recebem sinais de áudio e vídeo de uma fonte, como um estúdio de televisão ou sinal de satélite. Os sinais de áudio e vídeo sofrem modulação, onde a informação é codificada em uma onda portadora. A onda portadora normalmente está na faixa de frequência UHF (Ultra High Frequency) ou VHF (Very High Frequency), dependendo dos padrões de transmissão usados ​​em uma determinada região.

 

Sinais de áudio e vídeo modulados são então amplificados pela seção de amplificador de potência do transmissor para o nível de potência desejado para transmissão. Os sinais amplificados são alimentados na linha de transmissão, normalmente um cabo coaxial ou guia de onda, que se conecta à antena. A antena irradia o sinal para o espaço para recepção por antenas de TV em residências ou outros dispositivos receptores.

 

Os transmissores de TV devem aderir aos padrões regulatórios e especificações de transmissão estabelecidos pelas autoridades relevantes para garantir a qualidade do sinal, cobertura e conformidade com as alocações de frequência.

 

Escolhendo transmissores de TV

 

Considere os seguintes fatores ao escolher transmissores de TV:

 

  1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência necessária para transmissão de TV. Diferentes regiões e padrões de transmissão podem ter alocações de frequência específicas para transmissão de TV. Escolha um transmissor de TV que cubra a faixa de frequência exigida pelas autoridades reguladoras.
  2. Potência do Transmissor: Avalie os requisitos de energia para sua transmissão de TV. Considere fatores como a área de cobertura, intensidade de sinal desejada e o tipo de terreno na área de cobertura. Escolha um transmissor com saída de energia apropriada para atender aos seus requisitos específicos.
  3. Agilidade de frequência: Se sua emissora de TV precisa operar em múltiplos canais ou faixas de frequência, considere uma transmissora de TV com agilidade de frequência. Transmissores de frequência ágil permitem flexibilidade na seleção de canal e podem acomodar mudanças nas atribuições de frequência ou planos de canal.
  4. Padrões de modulação: Determine os padrões de modulação necessários para transmissão de TV em sua região. Padrões comuns de modulação incluem ATSC (Comitê de Sistemas Avançados de Televisão) para TV digital e NTSC (Comitê de Sistema Nacional de Televisão) para TV analógica. Escolha um transmissor de TV que suporte o padrão de modulação necessário.
  5. Qualidade e confiabilidade do sinal: Avalie a qualidade e a confiabilidade do sinal oferecidas pelo transmissor de TV. Considere recursos como baixa distorção, alta relação sinal/ruído e recursos de correção de erros para TV digital. Procure um fabricante respeitável conhecido por transmissores confiáveis ​​e de alta qualidade.
  6. Integração do sistema: Considere a compatibilidade e a facilidade de integração com outros componentes do seu sistema de transmissão de TV, como fontes de áudio/vídeo, codificadores, multiplexadores e infraestrutura de transmissão.

 

Transmissores de TV recomendados para você

 

fmuser-czh518a-3000w-transmissor-de-tv-analógico.jpg fmuser-futv3627-dvb-transmitter.jpg fmuser-fu518d-100w-transmissor-de-tv-digital.jpg
Transmissor de TV analógico CZH518A 3kW Amplificador Transmissor DVB FUTV3627 5W Transmissor de TV Digital FU518D 100W

 


  

Antenas de transmissão

 

Antena de transmissão FM

An Antena de transmissão FM é um dispositivo especializado usado para irradiar ondas de rádio eletromagnéticas para a atmosfera. Essas antenas são projetadas para transmitir com eficiência sinais de rádio FM, normalmente operando na faixa de frequência de 88 MHz a 108 MHz. Eles são cruciais na transmissão de sinais claros e confiáveis ​​para uma área de cobertura designada. 

 

No campo da transmissão FM, as antenas de transmissão FM são divididas em antenas terminais de transmissão e antenas receptoras.

 

Na extremidade receptora, a antena converte os sinais elétricos em ondas de rádio, enquanto na extremidade transmissora realiza o processo inverso, convertendo os sinais das ondas de rádio de volta em sinais elétricos. A antena FM e o transmissor FM são componentes essenciais em várias aplicações de telecomunicações.

 

Em nossas vidas diárias, frequentemente encontramos comunicação sem fio, como estações de rádio onde as pessoas podem ouvir programas de rádio usando antenas FM. Esta é uma das aplicações significativas de antenas em telecomunicações. Como as antenas formam a base da comunicação sem fio, elas têm inúmeras outras aplicações diárias, incluindo transmissão de sinal de TV, comunicações via satélite, sensoriamento remoto e aplicações biomédicas.

 

As antenas desempenham um papel crucial para permitir a comunicação sem fio e facilitar a transmissão e recepção de ondas de rádio, tornando-as indispensáveis ​​em vários campos e indústrias.

 

Como funciona a Antena de Transmissão FM?

 

A antena é um componente essencial de todos os equipamentos de rádio, normalmente usados ​​em conjunto com um transmissor ou receptor. As antenas de transmissão FM operam com base nos princípios da radiação eletromagnética. Eles recebem o sinal de radiofrequência (RF) do transmissor, que é então convertido em ondas eletromagnéticas. Essas ondas são irradiadas para o espaço, propagando-se para fora em um padrão específico.

 

Os principais componentes de uma antena de transmissão FM incluem:

 

  1. Elemento irradiante: Esta parte da antena emite ondas eletromagnéticas e pode assumir a forma de um chicote vertical, um dipolo ou uma matriz de elementos, dependendo do projeto e dos requisitos.
  2. Plano Terrestre: Muitas antenas FM incorporam um plano de aterramento, que atua como um contrapeso ao elemento radiante. Melhora o desempenho da antena e o padrão de radiação.
  3. Rede correspondente: Antenas de transmissão FM geralmente requerem uma rede compatível para garantir a compatibilidade de impedância entre o transmissor e a antena. Essa rede otimiza a transferência de energia e melhora a eficiência geral.

 

Ao transmitir sinais, os terminais da antena recebem a corrente fornecida pelo rádio transmissor, convertendo-a em ondas de rádio que são irradiadas para a atmosfera. Na extremidade receptora, a antena intercepta uma parte da energia da antena do transmissor, gerando corrente no terminal receptor. Essa corrente é absorvida e convertida pelo receptor, permitindo a transmissão de programas de rádio da estação de rádio.

 

As antenas podem ser projetadas para transmitir e receber ondas de rádio igualmente (omnidirecional) ou para direcionalidade específica (antenas direcionais ou de alto ganho). Além disso, as antenas de transmissão FM podem incluir componentes adicionais, como refletores parabolóides, buzinas ou elementos parasitas, que ajudam a guiar as ondas de rádio para os padrões ou feixes de radiação desejados. Se você deseja estender o alcance da radiação para essas ondas de rádio, é necessário um receptor forte.

 

Tipos de Antena FM Broadcsat

 

As antenas de transmissão FM podem ser categorizadas com base em sua estrutura e potência nos seguintes tipos:

 

  1. Antena FM do carro: A antena FM do carro é especialmente projetada para os veículos receberem sinais de rádio FM. Geralmente apresenta uma haste ou elemento semelhante a um chicote que é preso ao exterior do veículo. Em alguns casos, as antenas de carro também podem incluir uma ventosa, permitindo que sejam fixadas com segurança no para-brisa ou em outras superfícies adequadas dentro do veículo. Essas antenas são de tamanho compacto e otimizadas especificamente para recepção móvel de FM, garantindo um sinal de rádio claro e confiável enquanto estiver em movimento. As antenas FM do carro desempenham um papel crucial na recepção de sinais de rádio FM durante a condução e são comumente encontradas em automóveis para fornecer entretenimento durante a viagem. Seu design e posicionamento são cuidadosamente considerados para atender aos requisitos específicos da recepção FM veicular, garantindo uma experiência de audição agradável na estrada.
  2. Antena Chicote Vertical (Baixa Potência): A antena chicote vertical, comumente utilizada para aplicações de transmissão FM de baixa potência, engloba um mastro vertical com um elemento tipo chicote posicionado em seu pináculo. Esse tipo de antena é normalmente empregado em configurações onde os níveis de potência variam de alguns watts a algumas centenas de watts. O elemento chicote, geralmente feito de metal, é estrategicamente orientado em uma posição vertical para otimizar a radiação eficiente dos sinais FM.
  3. Antena dipolo (potência baixa a média): Uma antena dipolo compreende dois elementos condutores idênticos que se estendem horizontalmente ou verticalmente a partir de um ponto de alimentação central. A orientação da antena dipolo pode ser ajustada com base no padrão de cobertura desejado, seja horizontal ou vertical. As antenas dipolo encontram uso extensivo na transmissão FM em uma variedade de níveis de potência, desde estações de rádio comunitárias de baixa potência até emissoras regionais de média potência. Eles oferecem versatilidade em termos de cobertura e são adequados para transmitir sinais FM de forma eficaz.
  4. Antena Yagi-Uda (potência média a alta): A antena Yagi-Uda, comumente conhecida como antena Yagi, é uma antena direcional com vários elementos dispostos em um padrão específico. Inclui um ou mais elementos acionados, um refletor e um ou mais diretores. As antenas Yagi encontram uso generalizado em cenários de transmissão FM de maior potência, onde a direcionalidade precisa da cobertura é desejada, particularmente por emissoras regionais ou nacionais. Ao focalizar o sinal transmitido em uma direção específica, as antenas Yagi aumentam a intensidade do sinal e a qualidade de recepção para áreas-alvo.
  5. Antena log-periódica (potência média a alta): A antena log-periódica é uma antena de banda larga que consiste em uma série de elementos que aumentam gradualmente de comprimento. Ele é projetado para cobrir uma ampla faixa de frequência, mantendo uma impedância de entrada relativamente constante nessa faixa. As antenas log-periódicas são comumente empregadas na transmissão FM, particularmente para níveis de potência médios a altos e em aplicações que requerem suporte para múltiplos canais ou frequências. As características inerentes de banda larga das antenas log-periódicas as tornam adequadas para transmissão e recepção eficientes de sinais FM em um amplo espectro.
  6. Antena circularmente polarizada (de baixa a alta potência): Antenas circularmente polarizadas são empregadas na transmissão FM para melhorar a recepção em áreas com diferentes orientações de sinal. Essas antenas geram ondas de rádio que oscilam em um padrão circular em vez de linear, permitindo uma melhor recepção independentemente da polarização da antena receptora. As antenas polarizadas circularmente encontram utilidade em uma variedade de níveis de potência, desde estações comunitárias de baixa potência até emissoras comerciais de alta potência. Sua versatilidade e capacidade de mitigar o impacto de incompatibilidades de polarização os tornam valiosos para fornecer sinais FM consistentes em diversos ambientes, melhorando a qualidade geral da recepção.

 

Como escolher antenas FM Broadcsat

 

A seleção da antena de transmissão FM correta depende de vários fatores, incluindo:

 

  1. Faixa de cobertura: Determine a área de cobertura desejada para sua estação de rádio. Isso o ajudará a determinar a capacidade de manuseio de energia, o ganho e o padrão de radiação da antena necessários para uma cobertura adequada.
  2. Alcance de frequência: Certifique-se de que a faixa de frequência operacional da antena corresponda à banda de frequência alocada para transmissão FM (88 MHz a 108 MHz).
  3. Tipo de antena: Considere vários projetos de antena, como antenas verticais omnidirecionais, direcionais ou polarizadas circularmente. Cada tipo tem suas próprias vantagens e considerações, dependendo de seus requisitos específicos.
  4. Ganho: Antenas com maior ganho fornecem melhor intensidade de sinal em uma direção específica. Considere a área de cobertura desejada e o padrão de ganho da antena para otimizar a distribuição do sinal.
  5. SConsiderações Estruturais: Avalie o espaço disponível, as opções de montagem e quaisquer limitações físicas que possam afetar a instalação da antena.

 

Antenas de transmissão FM recomendadas para você

 

fmuser-cp100-300w-circularmente polarizada-antena-fm.jpg fmuser-ca200-car-fm-antenna.jpg fmuser-fmdv1-1kW-1-bay-fm-antenna.jpg fmuser-fmdv1-2kW-2-bay-fm-antenna.jpg
300W FM Polarizado Circularmente Antena FM para carro 1kW 1-Bay FM Dipolo 2kW 2-Bay FM Dipolo
fmuser-fmdv1-3kW-4-bay-fm-antenna.jpg fmuser-fmdv1-5kW-6-bay-fm-antenna.jpg fmuser-fmdv1-10kw-8-bay-fm-antenna.jpg fmuser-multi-bay-fm-antenna-solution.jpg
3kW 4-Bay FM Dipolo 5kW 6-Bay FM Dipolo 10kW 8-Bay FM Dipolo Solução dipolo FM multi-bay
fmuser-4kw-antena-fm com polarização circular.jpg
fmuser-5kw-fm-vertical-dual-dipole-antenna.jpg
fmuser-5kw-vertical-fm-dipolo-antena.jpg
fmuser-5kw-vertical-fm-dipole-panel-antenna.jpg
4kW FM Polarizado Circularmente
5kW FM Dual Dipolo (vertical)
5kW FM Dipolo (vertical)
Dipolo FM do painel de 5kW

 

Antenas AM Comerciais

Antenas AM comerciais são antenas especializadas projetadas para aplicações de transmissão profissional. Eles são normalmente usados ​​por estações de rádio e emissoras para transmitir sinais AM em longas distâncias. Essas antenas são cuidadosamente projetadas para garantir transmissão de sinal eficiente e cobertura ideal.

 

No contexto da transmissão, AM (modulação de amplitude) refere-se à técnica de modulação usada para transmitir sinais de áudio na faixa de frequência de ondas médias. Portanto, as antenas de transmissão AM são projetadas para transmitir e receber sinais dentro da faixa de frequência de ondas médias. Portanto, as antenas de transmissão AM podem ser consideradas um tipo de antena de ondas médias.

 

No entanto, pode haver outros tipos de antenas projetadas para operar dentro da faixa de frequência de ondas médias. Essas antenas não podem ser usadas especificamente para fins de transmissão AM, mas ainda podem receber ou transmitir sinais no espectro de frequência de ondas médias. Alguns exemplos de outras antenas que podem ser usadas na faixa de frequência de ondas médias incluem: antenas de loop, antenas de bebidas e antenas de fio. Essas antenas são frequentemente utilizadas por entusiastas de rádio, amadores ou indivíduos interessados ​​em melhorar sua recepção de transmissões de ondas médias. Eles são geralmente mais acessíveis, acessíveis e fáceis de configurar em comparação com as antenas complexas e especializadas usadas na transmissão comercial.

 

Como Funcionam

 

Antenas AM comerciais operam com base nos princípios de radiação e propagação eletromagnética. Eles são projetados para irradiar com eficiência as ondas eletromagnéticas geradas pelos equipamentos de transmissão, permitindo que elas se propaguem pela atmosfera e sejam recebidas por receptores de rádio.

 

Essas antenas são normalmente sintonizadas em frequências específicas usadas para transmissão AM. Eles empregam várias técnicas de projeto para obter alta eficiência, ganho e diretividade. Algumas antenas AM comerciais usam vários elementos, como torres ou matrizes, para aumentar a força e a cobertura do sinal.

 

Tipos de Antenas AM Comerciais

 

As antenas AM comerciais vêm em vários tipos, cada uma projetada para atender às necessidades específicas de transmissão. Aqui estão alguns tipos comuns de antenas AM comerciais:

 

  1. Antenas Monopolo Verticais: As antenas monopolo verticais são amplamente utilizadas para transmissão AM comercial. Eles consistem em um mastro ou torre vertical alto com um elemento condutor que se estende do topo. A altura da antena é cuidadosamente calculada para maximizar a eficiência e a cobertura do sinal. Essas antenas são omnidirecionais, irradiando o sinal uniformemente em todas as direções.
  2. Matrizes Direcionais: As matrizes direcionais são compostas por vários elementos de antena dispostos em configurações específicas. Essas antenas fornecem padrões de radiação direcional, permitindo que as emissoras foquem seus sinais em direções específicas. As matrizes direcionais são comumente usadas para direcionar áreas específicas ou minimizar a interferência em ambientes de transmissão congestionados.
  3. Antenas T: As antenas T, também conhecidas como antenas tipo T ou antenas de rede T, são outro tipo de antena AM comercial. Eles compreendem duas torres verticais conectadas por um fio horizontal ou estrutura de carregamento superior. As antenas T oferecem maior eficiência de sinal e podem fornecer boa cobertura para transmissão de longa distância.
  4. Antenas Unipolo Dobradas: Antenas unipolo dobradas, também chamadas de antenas guarda-chuva, são um tipo de antena AM que combina os benefícios de uma antena monopolo com uma tela de aterramento. Eles consistem em um mastro vertical conectado a uma estrutura horizontal de carregamento superior, que é suportada por um sistema de cabos de sustentação. As antenas unipolo dobradas fornecem boa eficiência de radiação e cobertura, tornando-as adequadas para várias aplicações de transmissão.
  5. Registrar Antenas Periódicas: Antenas log periódicas, embora mais comumente usadas para outras faixas de frequência, também podem ser utilizadas para transmissão AM comercial. Essas antenas têm uma ampla largura de banda de frequência e podem fornecer uma cobertura relativamente ampla. Antenas log periódicas são freqüentemente empregadas em situações onde múltiplas frequências precisam ser acomodadas em uma única instalação.
  6. Shunt Fed Antena: Uma antena alimentada por derivação é um tipo de antena AM comumente usada em transmissões comerciais. Possui um arranjo de alimentação exclusivo onde o mastro da antena é conectado eletricamente ao solo através de uma seção de linha de transmissão ou fio terra separado. Este projeto permite a transmissão eficiente de sinais AM, oferece simplicidade na instalação, cobre uma ampla largura de banda e fornece cobertura melhorada no plano horizontal. O aterramento e o ajuste adequados são essenciais para uma operação ideal.

 

Antenas AM recomendadas para você

 

fmuser-rotatable-log-antena-periódica-para-transmissão-de-onda-média.jpg fmuser-omnidirecional-mw-antena-de-onda-média-para-recepção.jpg fmuser-am-shunt-fed-antenna-for-medium-wave-transmission.jpg fmuser-monopole-direcional-mw-medium-wave-antenna.jpg
Antena de registro periódico Antena Receptora Omnidirecional Shunt Antena Alimentada Antena Direcional AM

 

Antenas comerciais de ondas curtas

As antenas de ondas curtas comerciais são projetadas para aplicações de transmissão profissional na faixa de frequência de ondas curtas. Eles são usados ​​por emissoras internacionais e grandes organizações para transmitir sinais por longas distâncias. Essas antenas são projetadas especificamente para fornecer comunicação de longo alcance eficiente e confiável.

 

Como Funcionam

 

As antenas comerciais de ondas curtas funcionam com base no princípio da radiação e propagação eletromagnética. Eles são projetados para irradiar com eficiência as ondas eletromagnéticas geradas pelos equipamentos de transmissão, permitindo que elas se propaguem pela atmosfera e sejam recebidas por receptores de rádio.

 

Essas antenas são normalmente projetadas para cobrir uma ampla faixa de frequência e podem transmitir sinais em várias bandas de ondas curtas. Eles empregam várias técnicas para obter transmissão de alta potência, diretividade e ganho para garantir uma comunicação eficaz de longa distância.

 

Tipos de Antenas Comerciais de Ondas Curtas

 

Existem vários tipos de antenas comerciais de ondas curtas usadas em aplicações de transmissão profissional. Alguns tipos comuns incluem:

 

  1. Matrizes de cortina: As matrizes de cortina consistem em vários elementos verticais de arame suspensos entre torres ou suportes. Esses elementos trabalham juntos para criar um padrão de radiação direcional, permitindo a transmissão de sinal focado em direções específicas. Os arranjos de cortinas são conhecidos por suas capacidades de manipulação de alta potência e são comumente usados ​​em transmissões internacionais.
  2. Registrar Antenas Periódicas: As antenas log periódicas são amplamente utilizadas na transmissão profissional de ondas curtas. Possuem um design diferenciado com uma série de elementos progressivamente maiores, permitindo ampla cobertura de largura de banda. Antenas log periódicas fornecem bom ganho e diretividade, tornando-as adequadas para transmissão multifrequência.
  3. Antenas Rômbicas: Antenas rômbicas são grandes antenas de fio em forma de diamante que são eficientes para comunicação de longa distância. Eles podem lidar com altos níveis de potência e são comumente usados ​​em aplicações de transmissão ponto a ponto.
  4. Antenas gaiola: as antenas de gaiola, também conhecidas como antenas monopolo de gaiola ou dipolos de gaiola, são comumente usadas em aplicações de radiofrequência (RF). Eles consistem em uma estrutura de gaiola condutora que envolve o elemento radiante, normalmente na forma de uma estrutura cilíndrica ou em forma de caixa com fios espaçados uniformemente ou hastes de metal. Esse design aprimora o padrão de radiação da antena, as características de impedância e reduz o impacto de objetos próximos e do plano de aterramento. Além disso, a estrutura da gaiola minimiza a interferência eletromagnética (EMI) de eletrônicos próximos ou estruturas metálicas. Essas antenas são frequentemente utilizadas em cenários onde um sistema de antena balanceada é necessário e pode ser alimentada com linhas de transmissão balanceadas para reduzir o ruído de modo comum.
  5. Antenas quadrantes: Antenas de quadrante, também conhecidas como antenas monopolo de quadrante ou dipolos de quadrante, são comumente usadas em aplicações de RF. Eles consistem em um elemento radiante dividido em quatro quadrantes, cada um alimentado com um sinal separado para controle independente do padrão de radiação. Ao ajustar as amplitudes e fases desses sinais, o padrão de radiação da antena pode ser moldado para otimizar o desempenho em direções específicas. As antenas quadrantes são ideais para aplicações em que a diretividade e o direcionamento do feixe são cruciais, como sistemas de comunicação ponto a ponto ou aplicações de radar. Seu design permite um controle flexível do padrão de radiação, permitindo a modelagem e direção do feixe sem mover fisicamente a antena, tornando-os adequados para comutação rápida de feixe ou requisitos de rastreamento.

 

Antenas de ondas curtas recomendadas para você

 

fmuser-omni-direcional-shortwave-antenna-multi-elevation-multi-feed.jpg fmuser-cage-antenna-for-shortwave-radiobroadcasting.jpg fmuser-omni-direcional-quadrant-antenna-hq-1-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg
Antena omnidirecional de ondas curtas Antena Gaiola Quadrante Antena HQ 1/h
fmuser-rotatable-cortain-arrays-shortwave-antenna.jpg fmuser-cortina-arrays-hr-2-1-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg fmuser-cortina-arrays-hr-2-2-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg
Matriz de Cortina Rotativa Cortar Array HR 2/1/h Cortar Array HR 2/2/h
fmuser-cortina-arrays-hrs-4-2-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg
fmuser-cortina-arrays-hrs-4-4-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg
fmuser-cortina-arrays-hrs-8-4-h-for-sw-shortwave-transmission.jpg
Cortar Array HR 4/2/h
Cortar Array HR 4/4/h
Cortar Array HR 8/4/h

 

Antenas de transmissão de TV comercial

Uma antena de transmissão de TV comercial é um componente crucial de um sistema de transmissão de televisão. É responsável pela transmissão de sinais de TV pelas ondas do rádio para atingir um público amplo. As antenas de TV recebem sinais elétricos contendo informações de áudio e vídeo da emissora e os convertem em ondas eletromagnéticas que podem ser recebidas e decodificadas pelos aparelhos de televisão.

 

fmuser-vhf-slot-antenna-hdrdt014-for-band-iii-broadcasting.jpg

 

Como funcionam as antenas de transmissão de TV

 

As antenas de transmissão de TV comercial funcionam com base no princípio da radiação eletromagnética. Aqui está uma explicação simplificada de como eles funcionam:

 

  1. Recepção do sinal: A antena recebe os sinais elétricos que transportam a transmissão de TV da estação de transmissão. Esses sinais são transmitidos através de cabos para a antena.
  2. Conversão de sinal: Os sinais elétricos recebidos são convertidos em ondas eletromagnéticas que podem se propagar pelo ar. Essa conversão é realizada pelo design da antena, que é otimizado para radiação eficiente e recepção de ondas eletromagnéticas.
  3. Amplificação de sinal: Em alguns casos, os sinais recebidos podem ser fracos devido a vários fatores, como distância da estação de transmissão ou obstáculos no caminho do sinal. Em tais situações, a antena pode incorporar amplificadores ou amplificadores de sinal para fortalecer os sinais.
  4. Transmissão de sinal: Depois que os sinais elétricos são convertidos em ondas eletromagnéticas e amplificados (se necessário), a antena transmite essas ondas para a área circundante. A antena irradia os sinais em um padrão específico para cobrir uma região geográfica designada.
  5. Seleção de frequência: Diferentes serviços de transmissão de TV operam em diferentes frequências, como VHF (Very High Frequency) ou UHF (Ultra High Frequency). As antenas de transmissão de TV comercial são projetadas para operar dentro de faixas de frequência específicas para corresponder ao serviço de transmissão a que se destinam.

 

Escolhendo as Antenas da Estação de TV

 

Considere os seguintes fatores ao escolher antenas de estação de TV:

 

  1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência necessária para sua transmissão de TV. Escolha antenas que cubram a faixa de frequência VHF ou UHF específica necessária com base em seus padrões e regulamentos de transmissão.
  2. Ganho e Diretividade: Avalie os requisitos de ganho e diretividade para sua área de cobertura. Maior ganho e diretividade fornecem maior intensidade de sinal e distância de cobertura. Considere fatores como a área de cobertura desejada e o terreno ao selecionar tipos de antena com ganho adequado e características de diretividade.
  3. Polarização: Determine a polarização necessária para o seu sistema de transmissão de TV, como polarização horizontal ou circular. Escolha antenas que ofereçam a polarização apropriada para sua aplicação específica.
  4. Instalação e montagem: Considere o espaço disponível e as opções de montagem para instalar antenas de estações de TV. Avalie fatores como altura da torre, peso, carga de vento e compatibilidade com a infraestrutura existente durante o processo de seleção.
  5. Conformidade Regulatória: Certifique-se de que as antenas das estações de TV escolhidas estejam em conformidade com os padrões regulatórios relevantes e requisitos de transmissão em sua região.
  6. Integração do sistema: Considere a compatibilidade e a facilidade de integração com outros componentes do seu sistema de transmissão de TV, como transmissores, linhas de transmissão e equipamentos de processamento de sinal.

  

Existem vários tipos de antenas de transmissão de TV comercial, cada uma com suas próprias vantagens e aplicações. Aqui estão alguns tipos comumente usados:

 

Antenas Parabólicas

 

Antenas parabólicas são comumente usadas em aplicações de transmissão de TV de longo alcance. Essas antenas apresentam um grande prato refletor curvo que concentra os sinais transmitidos ou recebidos em um ponto específico, conhecido como ponto focal. As antenas parabólicas são capazes de atingir altos ganhos e são freqüentemente usadas para transmissão de TV via satélite.

 

Antenas Log-Periódicas

 

As antenas log-periódicas são amplamente utilizadas na transmissão de TV devido às suas características de banda larga, permitindo que operem em uma ampla faixa de frequências nas bandas VHF e UHF. Essas antenas consistem em elementos dipolo de comprimentos variados, dispostos estrategicamente para permitir a recepção ou transmissão de sinais em uma ampla faixa de frequência. O design das antenas log-periódicas garante um desempenho confiável em todo o espectro de frequência de transmissão de TV. Essa versatilidade os torna ideais para cenários em que vários canais ou frequências precisam ser acomodados sem a necessidade de várias antenas. Antenas log-periódicas são comumente utilizadas em estações de transmissão de TV e como antenas receptoras para consumidores, oferecendo recepção ou transmissão eficiente de sinais de TV em toda a faixa de frequência, fornecendo aos telespectadores acesso a uma ampla gama de canais sem a necessidade de troca de antena.

 

Antenas Yagi-Uda

 

As antenas Yagi-Uda, comumente referidas como antenas Yagi, são antenas direcionais populares amplamente utilizadas na transmissão de TV. Essas antenas apresentam vários elementos paralelos, incluindo um elemento acionado, um refletor e um ou mais diretores. O design exclusivo das antenas Yagi-Uda permite que elas concentrem os sinais transmitidos ou recebidos em uma direção específica, fornecendo força de sinal aprimorada e minimizando a interferência. Ao dimensionar e espaçar com precisão os elementos, as antenas Yagi-Uda criam um padrão de radiação focado, aumentando o ganho e direcionando efetivamente o sinal para o alvo desejado. Essas antenas são frequentemente implantadas na transmissão de TV para obter comunicação confiável de longo alcance com degradação mínima do sinal ou interferência de fontes indesejadas.

 

Antenas UHF Yagi recomendadas para você: 

 

fmuser-12-element-uhf-yagi-antenna.jpg
máx. 150 W 14 dBi Yagi

  

Antenas de painel

 

Antenas de painel, também conhecidas como matrizes de painel ou antenas planares, são comumente empregadas na transmissão de TV, principalmente em áreas urbanas. Essas antenas consistem em vários elementos de antena menores dispostos em uma configuração planar. Ao utilizar esse arranjo, as antenas de painel fornecem maior ganho e cobertura sobre uma área específica, tornando-as adequadas para regiões densamente povoadas. Instaladas em locais elevados, como telhados ou torres, as antenas de painel oferecem um padrão de cobertura direcionado, concentrando os sinais transmitidos ou recebidos em direções específicas. Isso permite uma distribuição eficiente do sinal e melhor qualidade do sinal, mitigando problemas causados ​​por obstáculos como prédios. As antenas de painel desempenham um papel crucial na transmissão de TV urbana, onde uma grande concentração de telespectadores exige recepção e distribuição de sinal confiáveis. Seu design aprimora o desempenho geral do sistema de antena, garantindo que um número maior de espectadores possa receber sinais de TV de alta qualidade sem sofrer interferência ou perda de sinal.

 

Antenas de painel de TV recomendadas para você

 

Tipos de painel VHF:

 

https://www.fmradiobroadcast.com/product/vhf-panel-antenna

 

fmuser-band-iii-quadruple-dipole-tv-panel-antenna.jpg fmuser-band-iii--painel-de-tv-dobrado-antena-dipolo.jpg fmuser-band-iii-dual-dipole-tv-panel-antenna.jpg fmuser-ch4-band-i-single-dipole-tv-panel-antenna.jpg
Painel de dipolo quádruplo Banda III Painel dipolo dobrado banda III Painel Dipolo Duplo Banda III Painel dipolo único CH4 Banda I

 

fmuser-ch3-band-i-single-dipole-tv-panel-antenna.jpg fmuser-ch2-band-i-single-dipole-tv-panel-antenna.jpg fmuser-ch1-band-i-single-dipole-tv-panel-antenna.jpg
Painel dipolo único CH3 Banda I Painel dipolo único CH2 Banda I Painel dipolo único CH1 Banda I

 

Tipos de painéis UHF:

 

https://www.fmradiobroadcast.com/product/uhf-panel-antenna

 

fmuser-fta2-11db-dual-pol-slant-vertical-uhf-tv-panel-antenna.jpg fmuser-12db-uhf-vertical-tv-dipole-panel-antenna.jpg fmuser-12db-uhf-horizontal-tv-dipole-panel-antenna.jpg
Painel Vertical Inclinado Dual-pol Painel dipolo vertical UHF Painel dipolo horizontal UHF

 

Slot Antenas

As antenas de slot são um tipo alternativo de antena usado em sistemas de transmissão de TV. Eles consistem em uma fenda estreita cortada em uma superfície condutora, como uma placa de metal ou guia de onda, que atua como um elemento radiante, produzindo ondas eletromagnéticas. As antenas de slot são vantajosas devido ao seu tamanho compacto, baixo perfil e capacidade de fornecer uma ampla largura de banda. Eles são amplamente empregados em sistemas modernos de transmissão de TV por sua eficiência e fácil integração com outros componentes. Na transmissão de TV, as antenas de slot são frequentemente utilizadas em grandes matrizes ou painéis para aumentar a cobertura do sinal. Eles podem ser projetados para bandas de frequência específicas, como UHF, e organizados em uma matriz para obter o ganho desejado e as características direcionais. As antenas de slot são versáteis, sendo eficientes para transmitir e receber sinais de TV, tornando-as adequadas para aplicações de transmissão de TV comercial.

 

Tipos de slot VHF:

 

https://www.fmradiobroadcast.com/product/vhf-slot-antenna

 

fmuser-rdt014-band-iii-4-slot-vhf-slot-antenna.jpg
RDT014 Banda III 4 slots

  

Tipos de slots UHF:

 

https://www.fmradiobroadcast.com/product/uhf-panel-antenna

 

fmuser-4-slot-horizontal-uhf-slot-antenna.jpg fmuser-8-slot-horizontal-uhf-slot-antenna.jpg
Slot de TV horizontal de 4 slots Slot de TV horizontal de 8 slots

  

Antenas omnidirecionais

As antenas omnidirecionais são caracterizadas por sua capacidade de transmitir ou receber sinais em todas as direções sem nenhum foco ou direcionalidade específica. Eles são projetados para irradiar ou receber ondas eletromagnéticas uniformemente em um padrão circular ou esférico ao redor da antena. Na transmissão de TV, as antenas omnidirecionais são particularmente úteis em cenários em que a estação de transmissão deseja atingir um público amplo espalhado por uma área ampla. Essas antenas geralmente são instaladas em grandes elevações, como em torres altas ou telhados, para maximizar seu alcance de cobertura. As antenas omnidirecionais geralmente têm um design polarizado verticalmente para se alinhar com a maioria das transmissões de TV. Eles garantem que os sinais sejam transmitidos ou recebidos uniformemente em todas as direções horizontais, permitindo que os espectadores recebam sinais de TV de qualquer direção sem a necessidade de orientar suas antenas. Ao utilizar antenas omnidirecionais na transmissão de TV comercial, as emissoras podem fornecer cobertura de sinal confiável para espectadores localizados em várias direções ao redor do local de transmissão. Esse tipo de antena é adequado para áreas urbanas, onde os sinais de TV podem precisar penetrar em prédios ou alcançar telespectadores localizados em diferentes partes da cidade.

  

UHF onmidirecional recomendado para você

 

https://www.fmradiobroadcast.com/product/uhf-omnidirectional-antenna

  

fmuser-uhf-wideband-eia-3db-0.jpg fmuser-uhf-wideband-eia-1kw-3kw-10kw-horizontal-omnidirecional-antena.jpg fmuser-uhf-wideband-1-5-8-eia-1kw-2kw-vertical-omnidirectional-antenna.jpg
7/8" EIA Vertical, Máx. 0.5/1kW 7/8" ou 1-5/8", horizontal, máx. 1/1.5/2kW 1-5/8", Vertical, Máx. 1/2kW

 


   

Fiação e Aterramento

Kit de montagem de antena:

Um kit de montagem de antena é um conjunto de equipamentos projetados para instalar com segurança um sistema de antena em um local especificado. Ele fornece os componentes necessários para montar com segurança antenas ou antenas parabólicas em várias superfícies ou estruturas. O kit de montagem garante estabilidade, posicionamento ideal e transmissão de sinal eficiente para o sistema de antena.

 

antena-mounting-u-bolt-clamp.jpg

 

Lista e Explicação: 

 

  • Suportes de montagem: Esses suportes são usados ​​para prender a antena a uma superfície de montagem. Eles fornecem estabilidade e suporte para o sistema de antena.
  • Mastro ou Poste: Um mastro ou poste serve como estrutura de suporte vertical para a antena. Ele fornece flexibilidade de elevação e posicionamento para uma ótima recepção de sinal.
  • Montando hardware: Isso inclui porcas, porcas, parafusos e arruelas necessárias para prender os suportes e o mastro. Esses componentes garantem uma instalação segura e estável.
  • Kit de cabos de cara: Nos casos em que for necessário suporte adicional, um kit de arame de sustentação pode ser incluído. Consiste em arame, esticadores e âncoras usadas para estabilizar o mastro contra o vento ou outras forças externas.
  • Placa de montagem da antena: Uma placa de montagem é usada para prender a antena aos suportes de montagem. Ele fornece uma conexão estável e garante o alinhamento adequado.

 

Como o equipamento funciona em conjunto como o sistema de montagem da antena:

 

Os componentes do kit de montagem da antena funcionam em conjunto para criar um sistema de antena estável e devidamente alinhado. Os suportes de montagem fixam a antena à superfície escolhida, garantindo uma fixação forte e segura. O mastro ou poste fornece a elevação e o posicionamento necessários para otimizar a recepção do sinal. O hardware de montagem, incluindo porcas, parafusos, parafusos e arruelas, garante uma conexão segura e confiável entre os suportes, o mastro e a superfície de montagem. Nos casos em que é necessária estabilidade adicional, o kit de cabo de sustentação pode ser usado para ancorar o mastro e evitar oscilações ou movimentos causados ​​por forças externas. A placa de montagem da antena facilita a fixação da antena nos suportes de montagem, proporcionando uma instalação segura e alinhada.

 

Processo de montagem passo a passo para um sistema de antena de transmissão:

 

  1. Selecione um local adequado para o sistema de antena, considerando fatores como linha de visão, elevação e integridade estrutural da superfície de montagem.
  2. Prenda os suportes de montagem à superfície de montagem escolhida usando o hardware de montagem apropriado.
  3. Prenda o mastro ou poste aos suportes de montagem usando as ferragens fornecidas, garantindo uma instalação segura e correta.
  4. Conecte a antena à placa de montagem usando o hardware fornecido, alinhando-a corretamente para uma ótima recepção do sinal.
  5. Prenda firmemente a antena à placa de montagem usando o hardware fornecido.
  6. Se necessário, instale o kit de cabos de sustentação ancorando os cabos no solo ou nas estruturas próximas e tensionando-os adequadamente para fornecer estabilidade adicional ao mastro.
  7. Realize uma inspeção final para garantir que todas as conexões estejam seguras, a antena esteja alinhada corretamente e o sistema de montagem esteja estável.
  8. Verifique se há obstruções ou possíveis interferências que possam afetar o desempenho da antena.

 

Componentes do kit de aterramento:

     

    Os componentes do kit de aterramento são elementos essenciais usados ​​em sistemas elétricos para estabelecer uma conexão de aterramento segura e eficaz. Esses componentes são projetados para proteger o equipamento contra surtos elétricos, minimizar a interferência e garantir a transmissão de sinal adequada.

     

    kit de aterramento do sistema de antena.jpg

     

    Explicação dos componentes de aterramento:

     

    1. Haste de Aterramento: Uma haste de aterramento é uma haste de metal inserida no solo perto do sistema de antena. Ele estabelece uma conexão direta com a terra, permitindo que as sobretensões elétricas se dissipem com segurança.
    2. Fio de aterramento: Um fio condutor conecta a haste de aterramento aos componentes do kit de aterramento. Ele fornece um caminho de baixa resistência para o fluxo de correntes elétricas, garantindo um aterramento eficaz.
    3. Grampos de aterramento: Esses grampos estão incluídos no kit de aterramento para prender com segurança o fio de aterramento a vários componentes, como o mastro da antena ou o gabinete do equipamento. Eles estabelecem uma conexão elétrica confiável.
    4. Placa de Aterramento: A placa de aterramento, se incluída no kit, é conectada ao fio de aterramento. Ele oferece uma área de superfície maior para melhorar o desempenho do aterramento e geralmente é colocado em uma área com boa condutividade do solo.
    5. Barramento de Aterramento: Se fizer parte do kit de aterramento, o barramento de aterramento atua como um ponto central para conexões de aterramento. É uma faixa ou barra condutora que conecta vários fios ou componentes de aterramento.
    6. Terminal de Aterramento: O terminal de aterramento, encontrado no kit de aterramento, conecta o fio de aterramento ao barramento ou placa de aterramento. Garante uma conexão segura e de baixa resistência.

     

    Como os componentes funcionam juntos como um sistema de aterramento:

     

    Em um sistema de aterramento para uma antena de transmissão, os vários componentes colaboram para criar uma configuração de aterramento segura e eficaz. A haste de aterramento estabelece uma conexão direta com a terra, enquanto o fio de aterramento a conecta aos componentes de aterramento do kit. As braçadeiras de aterramento prendem firmemente o fio de aterramento ao mastro da antena ou gabinete do equipamento. Se presente, a placa de aterramento melhora o desempenho do aterramento, fornecendo uma área de superfície maior. O barramento de aterramento atua como um ponto centralizado, conectando vários fios ou componentes de aterramento. O borne de aterramento possibilita a conexão entre o fio terra e o ponto central de aterramento, garantindo um link confiável e de baixa resistência.

     

    Processo de aterramento passo a passo para um sistema de antena de transmissão:

     

    1. Identifique um local adequado perto do sistema de antena para instalar a haste de aterramento.
    2. Cave um buraco fundo o suficiente para acomodar a haste de aterramento, certificando-se de que ela esteja firmemente colocada no solo.
    3. Conecte uma extremidade do fio de aterramento à haste de aterramento usando braçadeiras apropriadas.
    4. Direcione o fio de aterramento da haste de aterramento para o mastro da antena ou gabinete do equipamento, prendendo-o com braçadeiras de aterramento ao longo do caminho.
    5. Se incluído no kit, conecte a placa de aterramento ao fio de aterramento e posicione-o em uma área com boa condutividade do solo.
    6. Conecte o fio de aterramento ao barramento de aterramento usando o terminal de aterramento, criando um ponto de aterramento centralizado.
    7. Certifique-se de que todas as conexões estejam seguras e livres de corrosão ou conexões soltas.
    8. Realize inspeções regulares e manutenção do sistema de aterramento para garantir sua eficácia.

    Linhas de Transmissão Coaxiais Rígidas

    Linhas de transmissão coaxiais rígidas são especificamente projetado para aplicações de RF de alta potência, oferecendo desempenho elétrico superior e estabilidade mecânica. Essas linhas de transmissão apresentam um condutor externo rígido, garantindo a propagação eficiente do sinal e minimizando a perda de sinal. Eles servem como um componente crítico na cadeia de transmissão, conectando o transmissor aos cabos associados.

     

    fmuser-solução-linha-de-transmissão-rígida-coaxial.jpg 

    Semelhante à forma como os cabos ópticos transmitem sinais através de fibras ópticas, as linhas de transmissão rígidas são utilizadas para transmissão de sinal de alta frequência. Dentro dessas linhas, as ondas eletromagnéticas se propagam para frente e para trás entre a linha do núcleo e o alimentador, enquanto a camada de blindagem bloqueia efetivamente os sinais de interferência externa. Esta capacidade de blindagem garante a integridade dos sinais transmitidos e reduz a perda de sinais úteis por radiação.

     

     

    Essas linhas de transmissão são comumente usadas em aplicações que exigem alta potência e baixa perda de sinal, como sistemas de transmissão, redes celulares e sistemas de comunicação de alta frequência. Alguns tamanhos comuns de linhas de transmissão coaxiais rígidas incluem:

     

    • Linha de transmissão coaxial rígida de 7/8"
    • Linha de transmissão coaxial rígida de 1-5/8"
    • Linha de transmissão coaxial rígida de 3-1/8"
    • Linha de transmissão coaxial rígida de 4-1/16"
    • Linha de transmissão coaxial rígida de 6-1/8"

     

    Linhas rígidas de alta qualidade em estoque:

     

    https://www.fmradiobroadcast.com/product/detail/rigid-coaxial-transmission-line.html

     

    Como funcionam as linhas de transmissão coaxiais rígidas

     

    As linhas de transmissão coaxiais rígidas funcionam com o mesmo princípio de outros cabos coaxiais. Eles consistem em um condutor central, um isolante dielétrico, um condutor externo e uma capa externa. O condutor interno transporta o sinal de RF, enquanto o condutor externo fornece blindagem contra interferência externa.

     

    O condutor externo rígido dessas linhas de transmissão garante vazamento mínimo de sinal e reduz a perda de sinal. Também fornece estabilidade mecânica, permitindo que as linhas de transmissão mantenham sua forma e desempenho mesmo em condições de alta potência.

     

    Escolhendo Linhas de Transmissão Coaxiais Rígidas

     

    Considere os seguintes fatores ao escolher linhas de transmissão coaxiais rígidas:

     

    1. Capacidade de manuseio de energia: Determine os requisitos de manuseio de energia de sua aplicação de RF. Escolha uma linha de transmissão coaxial rígida que possa lidar com os níveis de potência necessários sem perda ou degradação significativa do sinal.
    2. Perda de sinal: Avalie as características de perda de sinal da linha de transmissão na faixa de frequência desejada. A menor perda de sinal garante uma melhor integridade do sinal em distâncias maiores.
    3. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais a linha de transmissão será exposta, como temperatura, umidade e resistência aos raios UV. Certifique-se de que a linha de transmissão escolhida seja adequada para os requisitos ambientais específicos de sua aplicação.
    4. Alcance de frequência: Verifique se a linha de transmissão suporta a faixa de frequência necessária para sua aplicação. Diferentes linhas de transmissão coaxiais rígidas são projetadas para faixas de frequência específicas, portanto, escolha uma que corresponda às suas necessidades de frequência.
    5. Compatibilidade: Certifique-se de que a linha de transmissão seja compatível com os conectores e outros componentes do seu sistema de RF. Verifique se os conectores e terminações para a linha de transmissão escolhida estão prontamente disponíveis e adequados para sua aplicação específica.

    Torre ou Mastro

    Uma torre ou mastro é uma estrutura autônoma projetada para acomodar com segurança antenas e equipamentos associados. Ele fornece a altura e a estabilidade necessárias para o desempenho ideal da antena. As torres são comumente feitas de aço ou alumínio, garantindo durabilidade e resistência às intempéries do meio ambiente.

     

     

    Como funciona?

      

    A principal função de uma torre ou mastro é elevar as antenas a uma altura estratégica que facilite a propagação do sinal por longas distâncias e áreas mais amplas. Ao posicionar as antenas em um local elevado, elas podem superar obstruções e minimizar o bloqueio de sinal, resultando em maior cobertura e melhor qualidade de sinal.

     

    Torres ou mastros são projetados para suportar cargas de vento, forças sísmicas e outros fatores ambientais que podem afetar a estabilidade do sistema de antena. Eles são projetados para serem estruturalmente sólidos, garantindo a segurança do pessoal que trabalha na torre ou próximo a ela.

     

    Diferenças entre estações AM, FM e TV

     

    Embora as torres ou mastros sirvam como estruturas de suporte para sistemas de antena em várias aplicações, existem diferenças notáveis ​​em seu design e requisitos para AM, FM e estações de TV. Estas diferenças decorrem principalmente das características específicas dos sinais e das necessidades de cobertura de cada formato de emissão.

     

    1. Torres ou Mastros da Estação AM: As estações de rádio AM normalmente requerem torres mais altas e mais robustas devido aos longos comprimentos de onda dos sinais AM. Esses sinais tendem a se propagar pelo solo, exigindo torres com alturas que permitam maior cobertura e superação de obstáculos. As torres da estação AM geralmente são aterradas e podem incorporar um sistema de cabos de sustentação para fornecer estabilidade adicional contra forças laterais.
    2. Torres ou Mastros da Estação FM: Os sinais de rádio FM têm comprimentos de onda mais curtos em comparação com os sinais AM, permitindo que eles se propaguem de maneira mais direta na linha de visão. Como resultado, as torres das estações FM podem ser mais curtas em altura em comparação com as torres AM. O foco das torres de FM é posicionar as antenas em uma elevação ideal para alcançar a transmissão na linha de visada, minimizando as obstruções e maximizando a cobertura do sinal.
    3. Torres ou Mastros de Estações de TV: Estações de TV requerem torres ou mastros para suportar antenas que transmitem uma ampla gama de frequências para diferentes canais de TV. Essas torres tendem a ser mais altas do que as torres de FM para acomodar as frequências mais altas usadas na transmissão de TV. Torres de estações de TV geralmente incorporam várias antenas e são projetadas para fornecer padrões de radiação direcional, permitindo cobertura direcionada em áreas específicas.

     

    Considerações Estruturais e Regulamentos

     

    Independentemente do formato de transmissão, a integridade estrutural e a conformidade com os regulamentos permanecem essenciais para instalações de torres ou mastros. Fatores como carga de vento, distribuição de peso, carga de gelo e considerações sísmicas devem ser considerados para garantir a segurança e a estabilidade da estrutura sob várias condições ambientais.

     

    Além disso, cada país ou região pode ter regulamentações e diretrizes específicas que regem as instalações de torres ou mastros, incluindo requisitos de iluminação, pintura e segurança da aviação.

     

    Aqui está uma tabela de comparação destacando as principais diferenças entre as torres ou mastros usados ​​em AM, FM e estações de TV:

     

    Aspecto Torres/mastros da Estação AM Torres/mastros da estação FM Torres/mastros de estações de TV
    Requisito de altura Mais alto devido a comprimentos de onda mais longos de sinais AM Relativamente mais curto que as torres AM para propagação na linha de visada Mais alto que as torres de FM para acomodar frequências de transmissão de TV mais altas
    Propagação de Sinal Propagação de ondas terrestres com cobertura mais ampla Propagação na linha de visada com foco na transmissão direta Transmissão de linha de visão com cobertura direcionada em áreas específicas
    Consideração Estrutural Requer construção e aterramento robustos, pode incorporar cabos de sustentação Design robusto para elevação e propagação da linha de visão Design robusto para acomodar várias antenas e padrões de radiação direcional
    Conformidade Regulamentar Conformidade com os regulamentos que regem a altura e o aterramento da torre Conformidade com os regulamentos de altura da torre e linha de visão Conformidade com os regulamentos de altura de torre, múltiplas antenas e padrões de radiação direcional
    Consulta Profissional Importante para conformidade, segurança e otimização Importante para conformidade, segurança e cobertura ideal da linha de visão Importante para conformidade, segurança e cobertura ideal para vários canais de TV

      

    Escolhendo a Torre ou Mastro Certo

     

    Ao escolher uma torre ou mastro para um sistema de antena, vários fatores precisam ser considerados:

     

    1. Requisitos de altura: Determine a altura necessária com base na área de cobertura desejada e nas características específicas dos sinais de RF transmitidos ou recebidos.
    2. Capacidade de carga: Considere o peso e o tamanho das antenas e equipamentos associados para garantir que a torre ou mastro possa suportar com segurança a carga pretendida.
    3. Condições ambientais: Avalie as condições ambientais no local de instalação, incluindo velocidade do vento, variações de temperatura e o potencial de acúmulo de gelo ou neve. Escolha uma torre ou mastro projetado para suportar essas condições.
    4. Conformidade Regulatória: A conformidade com os regulamentos locais e os códigos de construção é crucial por motivos legais e de segurança. Certifique-se de que a torre ou mastro escolhido atenda a todos os padrões e requisitos aplicáveis.
    5. Expansão futura: Antecipe o crescimento futuro ou mudanças no sistema de antena e selecione uma torre ou mastro que possa acomodar antenas ou equipamentos adicionais, se necessário.

    Sua marca Torre Transmissora FM é importante?

     

    A torre agirá como uma antena ou suportará uma ou mais antenas em sua estrutura, pois elas precisam enviar sinais poderosos por longas distâncias, incluindo pratos de micro-ondas. Essas antenas emitem energia eletromagnética (EME) de radiofrequência (RF). Mas você não precisa de nada tão grande na sua TV ou rádio em casa: uma antena muito menor fará o trabalho bem.

    Cabo coaxial RF

    cabos coaxiais RF são componentes essenciais na transmissão de sinais de alta frequência. Eles são construídos com vários elementos-chave: um condutor central, isolação dielétrica, blindagem e uma capa externa. Este projeto permite a transmissão de sinal eficaz, minimizando a perda de sinal e interferência externa.

     

    fmuser-syv50-rf-coaxial-cable-solution.jpg

     

    Como funcionam os cabos coaxiais de RF?

     

    Os cabos coaxiais de RF funcionam transmitindo sinais de alta frequência ao longo do condutor central, enquanto a blindagem evita vazamentos de sinal e interferência externa. O condutor central, normalmente feito de fio de cobre sólido ou trançado, transporta o sinal elétrico. É circundado por uma camada de isolamento dielétrico, que serve para manter a integridade e a estabilidade do sinal, evitando vazamentos ou interferências.

     

    Para proteger ainda mais o sinal de interferência externa, os cabos coaxiais incorporam blindagem. A camada de blindagem envolve o isolamento dielétrico, atuando como uma barreira contra interferência eletromagnética (EMI) e interferência de radiofrequência (RFI). Essa blindagem evita que ruídos ou sinais indesejados degradem o sinal transmitido.

      

      

    A capa externa fornece proteção e isolamento adicionais aos componentes internos do cabo coaxial, protegendo-o de danos físicos e fatores ambientais.

     

    O design coaxial, com seu condutor central cercado por blindagem, oferece vantagens distintas sobre outros tipos de cabo. Essa configuração fornece integridade de sinal superior, garantindo que o sinal transmitido permaneça robusto e preciso. Além disso, a blindagem bloqueia efetivamente o ruído externo, resultando em uma transmissão de sinal mais clara e confiável.

     

    Tipos de cabo coaxial

     

    Os cabos coaxiais vêm em vários tipos, cada um projetado para aplicações e faixas de frequência específicas. Aqui está uma visão geral de alguns tipos de cabos coaxiais comumente usados:

     

    • RG178R: G178 é um cabo coaxial flexível de pequeno diâmetro, comumente usado em aplicações de alta frequência onde o espaço é limitado. É leve, tem boa flexibilidade e é adequado para aplicações como comunicações móveis, aeroespacial e equipamentos militares.
    • SYV-50: O SYV-50 é um cabo coaxial de 50 ohms frequentemente usado para transmissão de vídeo e aplicações de RF de baixa frequência. É comumente encontrado em sistemas de CFTV, vigilância por vídeo e outras aplicações em que é necessária uma impedância mais baixa.
    • RG58: O RG58 é um popular cabo coaxial de 50 ohms adequado para uma ampla gama de aplicações de RF. Ele oferece boa flexibilidade, capacidade moderada de manuseio de energia e é comumente usado em telecomunicações, comunicação de rádio e conexões de RF de uso geral.
    • RG59: O RG59 é um cabo coaxial de 75 ohms usado principalmente para transmissão de sinal de vídeo e TV. É comumente empregado em sistemas de televisão a cabo e por satélite, instalações de CFTV e aplicações de vídeo em que é necessária uma correspondência de impedância de 75 ohms.
    • RG213: O RG213 é um cabo coaxial grosso e de baixa perda com diâmetro maior e maior capacidade de manuseio de energia. É adequado para aplicações de RF de alta potência e é comumente usado em sistemas de transmissão, rádio amador e comunicação de longo alcance.

     

    Outros tipos

    Existem vários outros tipos de cabos coaxiais disponíveis, cada um projetado para aplicações e faixas de frequência específicas. Alguns exemplos adicionais incluem:

    • RG6: Um cabo coaxial de 75 ohms comumente usado para aplicações de TV a cabo, TV via satélite e internet de banda larga.
    • LMR-400: Um cabo coaxial de baixa perda adequado para aplicações de RF de alta potência e longa distância. É comumente usado em instalações externas e sistemas de comunicação sem fio.
    • Cabo triaxial: Um cabo coaxial especializado com uma camada adicional de blindagem, fornecendo proteção aprimorada contra interferência eletromagnética (EMI) e ruído.

     

    Estes são apenas alguns exemplos dos muitos tipos de cabos coaxiais disponíveis, cada um com suas próprias características e aplicações específicas. Ao selecionar um cabo coaxial, considere os requisitos de sua aplicação, incluindo a faixa de frequência desejada, impedância, capacidade de manuseio de energia e condições ambientais.

     

    Escolhendo cabos coaxiais de RF

     

    Considere os seguintes fatores ao escolher cabos coaxiais de RF:

     

    1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência de sua aplicação. Diferentes cabos coaxiais são projetados para operar em faixas de frequência específicas. Escolha um cabo que possa lidar com a faixa de frequência desejada sem perda significativa de sinal.
    2. Impedância: Combine a impedância do cabo coaxial com os requisitos do seu sistema. Os valores comuns de impedância para cabos coaxiais de RF são 50 ohms e 75 ohms, sendo 50 ohms o mais comumente usado em aplicações de RF.
    3. Perda e atenuação de sinal: Avalie as características de atenuação do cabo na faixa de frequência desejada. Menor perda de sinal garante melhor integridade de sinal e eficiência de transmissão.
    4. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se o cabo pode lidar com os níveis de energia necessários para sua aplicação. Níveis de potência mais altos podem exigir cabos com condutores maiores e melhores capacidades de manuseio de energia.
    5. Tipo de cabo e padrões: Diferentes tipos de cabos estão disponíveis com características específicas. Existem vários outros tipos de cabos coaxiais de RF disponíveis, cada um com características e aplicações específicas. Os exemplos incluem RG58, RG59, RG213 e muitos mais, cada um projetado para diferentes faixas de frequência, capacidades de manuseio de energia e aplicações.
    6. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais o cabo será exposto. Considere fatores como faixa de temperatura, resistência à umidade, resistência aos raios UV e requisitos de flexibilidade.

     

    Cabos coxiais de RF recomendados para você

     

    fmuser-syv-50-rf-3m-15m-20m-30m-rf-coaxial-cable.jpg fmuser-rg178-rf-cabo-coaxial-para-telecomunicação.jpg
    SYV-50 Series (8/15/20/30M) RG178 1/3/5/10M B/U PTFE FTP

        

    Hardline Coaxial

    Hardline coaxial é um tipo de cabo coaxial que apresenta um condutor externo rígido, normalmente feito de cobre ou alumínio. Ao contrário dos cabos coaxiais flexíveis, o coaxial hardline mantém sua forma e não pode ser facilmente dobrado ou flexionado. Ele é projetado para aplicações que exigem maior capacidade de manuseio de energia, menor perda de sinal e melhor blindagem.

     

    fmuser-corrugated-1-2-coax-hard-line-cable.jpg

     

    Como funciona o hardline coaxial?

     

    O hardline coaxial funciona com o mesmo princípio de outros cabos coaxiais. Consiste em um condutor central cercado por um isolante dielétrico, que é ainda envolvido pelo condutor externo rígido. Esse design garante perda mínima de sinal e oferece excelente proteção contra interferência externa.

     

    O condutor externo rígido de hardline coaxial oferece desempenho elétrico superior e estabilidade mecânica. Ele minimiza o vazamento de sinal e reduz a atenuação, tornando-o adequado para transmissão de RF de alta potência em distâncias maiores.

     

    Tipos de hardline coaxial

     

    Os cabos coaxiais hardline vêm em vários tamanhos, cada um projetado para capacidades e aplicações específicas de manuseio de energia. Aqui está uma visão geral de alguns tipos de cabo coaxial comumente usados:

     

    1. Coaxial Hardline de 1-5/8": O coaxial hardline de 1-5/8" é um cabo coaxial hardline de grande porte comumente usado em aplicações de RF de alta potência. Ele oferece alta capacidade de manuseio de energia e baixa perda de sinal, tornando-o ideal para requisitos de transmissão de longo alcance e alta potência. É frequentemente utilizado em aplicações como transmissão de broadcast, estações base de celular e sistemas de comunicação de alta frequência.
    2. Coaxial Hardline de 1/2": O cabo coaxial hardline de 1/2" é um cabo coaxial hardline de tamanho médio amplamente utilizado em várias aplicações de RF. Ele fornece boa capacidade de manuseio de energia e perda de sinal moderada. O coaxial hardline de 1/2" é adequado para instalações internas e externas e encontra aplicações em wireless comunicação, rádio amador e sistemas de células pequenas.
    3. Coaxial Hardline de 7/8": O coaxial hardline de 7/8" é um tamanho popular usado em muitas aplicações de RF onde é necessário um equilíbrio entre o manuseio de energia e o tamanho do cabo. É comumente implantado em redes celulares, links de micro-ondas e outros sistemas de comunicação de alta frequência. 7/8" hardline coax oferece um bom compromisso entre capacidade de manuseio de energia, perda de sinal e facilidade de instalação.
    4. Coaxial Hardline de 3/8": Coaxial hardline de tamanho menor adequado para sistemas de comunicação de curto alcance, como redes Wi-Fi e pequenos dispositivos sem fio.
    5. Coaxial Hardline de 1-1/4": Coaxial hardline de tamanho maior usado em aplicações industriais de alta potência e sistemas de comunicação sem fio de longo alcance.
    6. Coaxial Hardline de 2-1/4": Coaxial de linha dura de tamanho muito grande implantado em sistemas de comunicação de alta potência e longa distância, incluindo torres de transmissão e redes sem fio de grande escala.

       

      Escolhendo Hardline Coaxial

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher coaxial hardline: 

       

      1. Capacidade de manuseio de energia: Determine os requisitos de manuseio de energia de sua aplicação de RF. Escolha um coaxial hardline que possa lidar com os níveis de potência necessários sem perda ou degradação significativa do sinal.
      2. Perda de sinal: Avalie as características de perda de sinal do coaxial hardline na faixa de frequência desejada. A menor perda de sinal garante melhor eficiência de transmissão e integridade do sinal em distâncias maiores.
      3. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais o coaxial hardline será exposto, como temperatura, umidade e resistência a UV. Certifique-se de que o cabo coaxial escolhido seja adequado para os requisitos ambientais específicos de sua aplicação.
      4. Requerimentos de instalação: Considere a facilidade de instalação e quaisquer requisitos de instalação específicos. Os cabos coaxiais hardline possuem uma estrutura rígida que pode exigir manuseio cuidadoso e conectores apropriados para terminação.
      5. Alcance de frequência: Verifique se o hardline coaxial suporta a faixa de frequência necessária para sua aplicação. Diferentes tipos de cabos coaxiais hardline são projetados para faixas de frequência específicas, portanto, escolha um que corresponda às suas necessidades de frequência.
      6. Compatibilidade: Certifique-se de que o hardline coaxial seja compatível com os conectores e outros componentes do seu sistema de RF. Verifique se os conectores e terminações para o coaxial hardline escolhido estão prontamente disponíveis e são adequados para sua aplicação específica.

       

      Cabos coaxiais Hardline recomendados para você

       

      1-2-cabo alimentador coaxial de linha dura corrugado.jpg 7-8-cabo alimentador coaxial de linha dura corrugado.jpg 1-5-8-cabo-alimentador-coaxial-corrugado-hardline.jpg
      Alimentador Hardline de 1/2" Alimentador Hardline de 7/8" Alimentador Hardline de 1-5/8"

          

      Partes de Linhas de Transmissão Coaxiais Rígidas

      As linhas de transmissão coaxiais rígidas consistem em várias partes que trabalham juntos para fornecer suporte e transmissão de sinal eficiente.

       

      fmuser-brass-cotovelos-para-rigid-transmission-line-connection.jpg

       

      Aqui está uma introdução às partes comuns de linhas de transmissão coaxiais rígidas:

       

      1. Tubo de Linha Rígida: A seção principal da linha de transmissão, consistindo de um condutor externo rígido, condutor interno e isolante dielétrico. Ele fornece o caminho para a transmissão do sinal de RF.
      2. Seções correspondentes: Usado para garantir a correspondência adequada de impedância entre diferentes seções da linha de transmissão ou entre a linha de transmissão e outros componentes do sistema.
      3. Suporte interno: Estrutura de suporte que mantém o condutor interno no lugar e mantém o espaçamento adequado entre os condutores interno e externo.
      4. Suporte de Flange: Fornece suporte e alinhamento para conexões de flange, garantindo acoplamento e contato elétrico adequados.
      5. Adaptador de flange para não flangeado: Converte uma conexão flangeada em uma conexão não flangeada, permitindo a compatibilidade entre diferentes componentes ou seções da linha de transmissão.
      6. Manga Externa: Envolve e protege o condutor externo da linha de transmissão, proporcionando estabilidade mecânica e blindagem.
      7. Bala Interna: Garante o alinhamento adequado e o contato elétrico entre o condutor interno e outros componentes.
      8. Cotovelos: Usado para mudar a direção da linha de transmissão, permitindo a instalação em espaços apertados ou contornando obstáculos.
      9. Adaptadores Coaxiais: Usado para conexão ou conversão entre diferentes tipos de conectores coaxiais.

       

      Ao escolher linhas de transmissão coaxiais rígidas e suas partes associadas, considere os requisitos específicos de seu sistema de RF, capacidade de manuseio de energia, faixa de frequência, condições ambientais e compatibilidade com outros componentes.

       

      Peças e componentes recomendados para linhas rígidas para você

        

      tubos-linha-de-transmissão-coaxial-rígida.jpg 90-dgree-cotovelos.jpg flange-suporte interno.jpg adaptador de flange para não flangeado.jpg
      Tubos Rígidos de Linha de Transmissão Coaxial Cotovelos de 90 graus Suportes Internos de Flange Adaptador flangeado para não flangeado
      bala interna.jpg suporte interno.jpg correspondência-seções.jpg mangas exteriores.jpg
      Bala Interna Suporte interno Seções correspondentes Mangas Externas
      adaptadores coaxiais rf.jpg
      Adaptadores coaxiais

       

      Conectores Coaxiais

      Os conectores coaxiais são projetados para garantir a continuidade elétrica adequada e a correspondência de impedância entre os cabos coaxiais e os dispositivos aos quais eles se conectam. Eles têm um design característico que permite uma fácil e confiável conexão e desconexão, mantendo a integridade da transmissão do sinal dentro do cabo coaxial.

       

      vários tipos de conectores coaxiais de rf e faixa de frequência.jpg

       

      Como funcionam os conectores coaxiais?

       

      Os conectores coaxiais geralmente consistem em um conector macho e um conector fêmea. O conector macho possui um pino central que se estende até o conector fêmea, criando uma conexão segura. Os condutores externos de ambos os conectores são rosqueados ou apresentam alguma forma de mecanismo de travamento para garantir o acoplamento adequado e evitar a desconexão acidental.

       

      Quando dois conectores coaxiais são acoplados, os condutores centrais fazem contato, permitindo a passagem do sinal. Os condutores externos (blindagens) dos conectores mantêm a continuidade elétrica e fornecem blindagem contra interferência externa, garantindo a transmissão adequada do sinal e minimizando a perda de sinal.

       

      Tipos de conectores coaxiais

       

      Os conectores coaxiais vêm em vários tipos, cada um projetado para aplicações e faixas de frequência específicas. Aqui está uma visão geral de alguns tipos de conectores coaxiais comumente usados:

       

      • Adaptador Coaxial de RF: Um adaptador coaxial de RF não é um tipo específico de conector, mas um dispositivo usado para conectar ou converter entre diferentes tipos de conectores coaxiais. Os adaptadores permitem conectividade perfeita entre vários tipos de cabos coaxiais ou conectores quando surgem problemas de compatibilidade.
      • Conector coaxial tipo N: O conector coaxial tipo N é um conector rosqueado amplamente utilizado em aplicações de RF de até 11 GHz. Ele oferece uma conexão confiável, bom desempenho e é capaz de lidar com níveis moderados de energia. O conector tipo N é comumente usado em sistemas de comunicação sem fio, equipamentos de transmissão e aplicações de teste e medição.
      • 7/16 DIN (L-29) Conector Coaxial: O conector coaxial 7/16 DIN ou L-29 é um conector maior de alta potência adequado para aplicações de alta frequência. Ele fornece recursos de baixa perda e alta potência, tornando-o ideal para estações base de celular, sistemas de transmissão e aplicações de RF de alta potência.
      • Conector coaxial de flange EIA: O conector coaxial de flange EIA (Electronic Industries Alliance) é usado para conexões de RF de alta potência. Possui um flange circular com orifícios para parafusos para montagem segura e é comumente encontrado em sistemas de guia de onda, que são usados ​​para transmissão de micro-ondas e alta frequência.
      • BNC (Baioneta Neill-Concelman): Um conector tipo baioneta comumente usado em aplicativos de áudio e vídeo de até 4 GHz.
      • SMA (SubMiniatura versão A): Um conector rosqueado usado para frequências de até 18 GHz, geralmente encontrado em sistemas sem fio e de micro-ondas.
      • TNC (Rosqueado Neill-Concelman): Um conector rosqueado semelhante ao BNC, mas com desempenho aprimorado em frequências mais altas.

        

      Escolhendo Conectores Coaxiais

        

      Considere os seguintes fatores ao escolher conectores coaxiais:

        

      1. Alcance de frequência: Considere a faixa de frequência do cabo coaxial e do equipamento que você está conectando. Certifique-se de que o conector coaxial escolhido foi projetado para lidar com a faixa de frequência sem degradação significativa do sinal.
      2. Impedância: Verifique se o conector coaxial corresponde à especificação de impedância do cabo coaxial (normalmente 50 ou 75 ohms). A correspondência de impedância adequada é crucial para minimizar as reflexões de sinal e manter a integridade do sinal.
      3. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais da aplicação pretendida. Alguns conectores podem oferecer melhores recursos de vedação ou proteção contra intempéries, tornando-os adequados para ambientes externos ou hostis.
      4. Durabilidade e Confiabilidade: Considere a durabilidade e a confiabilidade do conector coaxial. Procure conectores construídos com materiais de alta qualidade, fabricação de precisão e mecanismos de travamento confiáveis ​​para garantir uma conexão segura e duradoura.
      5. Compatibilidade: Certifique-se de que o conector coaxial escolhido seja compatível com o tipo de cabo coaxial e os dispositivos ou equipamentos que você está conectando. Verifique as dimensões, a rosca e a interface do conector para garantir um acoplamento adequado e conexões seguras.

       

      fmuser-7-8-if45-coax-7-8-eia-flange-connector.jpg fmuser-1-5-8-if70-coax-1-5-8-eia-flange-connector.jpg fmuser-3-1-8-if110-coax-3-1-8-eia-flange-connector.jpg fmuser-1-2-coax-nj-nm-1-2-n-male-connector.jpg
      Imagem IF45 7/8" EIA IF70 1-5/8" EIA Fnage IF110 3-1/8" EIA Fnage NJ 1/2" Macho
      fmuser-1-2-coax-nk-l4tnf-psa-n-female-connector.jpg fmuser-l29j-7-16-7-16-din-1-2-coax-connector.jpg fmuser-l29j-7-16-7-16-din-7-8-din-male-connector.jpg fmuser-l29k-7-16-7-16-din-female-connector.jpg
      NK 1/2" Fêmea L29-J 1/2" Macho L29-J 7/8" Macho L29-K 7/8" Fêmea
      fmuser-l29k-7-16-din-female-1-2-coax-connector.jpg fmuser-7-16-din-para-n-adaptador-l29-j-male-connector.jpg fmuser-l29-j-male-7-16-din-to-if45-7-8-eia-flange-connector.jpg fmuser-l29-j-male-7-16-din-to-if70-1-5-8-eia-flange-connector.jpg
      L29-K 1/2" Fêmea 7/16 Din para N L29-J Macho para N Macho L29-J Macho 7/16 Din a IF45 7/8" EIA L29-J Macho 7/16 Din a IF70 1-5/8" EIA

      fmuser-l29-j-male-7-16-din-to-if110-3-1-8-eia-flange-connector.jpg
      L29-J Macho 7/16 Din a IF110 3-1/8" EIA

       

      Sistema de proteção contra raios LPS

      Um LPS, ou Sistema de proteção contra raios, é um sistema abrangente de medidas e dispositivos implementados para mitigar o impacto destrutivo das descargas atmosféricas.

       

      proteção contra raios.jpg

       

      Tem como objetivo oferecer um caminho condutivo para que a corrente do raio se dissipe com segurança no solo, evitando danos a estruturas e equipamentos sensíveis.

        

      Como funciona um LPS?

       

      Um LPS normalmente consiste nos seguintes componentes:

       

      1. Terminais Aéreos (Para-raios): Instalados nos pontos mais altos de uma estrutura, os terminais aéreos atraem a descarga atmosférica e fornecem um caminho preferencial para a descarga.
      2. Condutores descendentes: Condutores metálicos, geralmente na forma de hastes ou cabos, conectam os terminais aéreos ao solo. Eles conduzem a corrente do raio para o solo, contornando a estrutura e os equipamentos.
      3. Sistema de Aterramento: Uma rede de elementos condutores, incluindo hastes ou placas de aterramento, facilita a dissipação da corrente do raio no solo.
      4. Dispositivos de proteção contra surtos (SPDs): Os SPDs são instalados em pontos estratégicos dentro dos sistemas elétricos e eletrônicos para desviar os surtos elétricos transitórios causados ​​por raios para longe de equipamentos sensíveis. Eles ajudam a evitar danos ao equipamento devido a sobretensão.

       

      Ao fornecer um caminho de menor resistência para a corrente do raio, um LPS garante que a energia de um raio seja canalizada com segurança para longe da estrutura e de seus equipamentos, reduzindo o risco de incêndio, danos estruturais e falha do equipamento.

       

      Escolhendo um LPS

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher um LPS:

       

      1. Avaliação de risco: Realize uma avaliação de risco para determinar o nível de exposição ao raio da estrutura e do equipamento. Fatores como localização, padrões climáticos locais e altura do edifício influenciam o risco. Áreas de maior risco podem exigir medidas de proteção mais abrangentes.
      2. Conformidade com as Normas: Certifique-se de que o LPS atenda aos requisitos de padrões reconhecidos, como NFPA 780, IEC 62305 ou os códigos de construção locais relevantes. A conformidade com esses padrões garante que o LPS seja projetado e instalado adequadamente.
      3. Considerações Estruturais: Considere as características estruturais do edifício ou instalação. Fatores como altura, tipo de telhado e composição do material influenciam o projeto e a instalação de terminais aéreos e condutores de baixada.
      4. Proteção do equipamento: Avalie o equipamento que requer proteção contra surtos induzidos por raios. Diferentes equipamentos podem ter requisitos específicos de proteção contra surtos. Consulte especialistas para determinar a colocação e as especificações apropriadas dos SPDs para proteger equipamentos críticos.
      5. Manutenção e Inspeção: Certifique-se de que o LPS seja inspecionado e mantido regularmente. Os sistemas de proteção contra raios podem degradar com o tempo, e a manutenção regular ajuda a identificar e resolver quaisquer problemas ou componentes defeituosos.
      6. Certificação e Especialização: Contrate profissionais certificados de proteção contra raios ou consultores com experiência em projetar e instalar LPSs. Eles podem fornecer orientação e garantir que o sistema seja implementado corretamente.

       

      Sistema de proteção contra luz recomendado para você

        

      fmuser-lps-lightning-protection-solution.jpg

      Mais detalhes:

       

      https://www.fmradiobroadcast.com/product/detail/lps-lightning-protection-system.html

      Unid Especificações
      Material (pára-raios) Cobre e aço inoxidável
      Material (haste de isolamento) Resina epóxi
      Material (haste de aterramento) em ferro com superfície galvanizada
      Style Opcional de estilo de agulha única, estilo esférico de ponta sólida, estilo multi-bola, etc.
      Tamanho (cm) 1.6M

        


      Link do estúdio para o transmissor

       

      Estúdio para Equipamento de Link Transmissor

      Um Studio to Transmitter Link (STL) é um sistema de comunicação ponto a ponto dedicado que conecta o estúdio de uma estação de rádio ou instalação de produção ao local do transmissor. O objetivo de um STL é transmitir o sinal de áudio do estúdio ou instalação de produção para o transmissor, garantindo uma transmissão confiável e de alta qualidade da programação de rádio.

       

      fmuser-stl10-studio-to-transmittter-link-equipment-package.jpg

       

      Como funciona um link de estúdio para transmissor?

       

      Os STLs normalmente utilizam uma combinação de métodos de transmissão com ou sem fio para estabelecer um link confiável entre o estúdio e o local do transmissor. As especificidades da configuração do STL podem variar dependendo da distância entre o estúdio e o transmissor, considerações geográficas, infraestrutura disponível e requisitos regulamentares. Aqui estão alguns tipos comuns de sistemas STL:

       

      • Links de microondas: Os STLs de microondas usam ondas de rádio de alta frequência para estabelecer uma conexão de linha de visão entre o estúdio e o local do transmissor. Eles exigem visibilidade clara entre os dois locais e utilizam antenas de micro-ondas para transmitir e receber os sinais.
      • Links de satélite: Os STLs via satélite utilizam a comunicação via satélite para estabelecer um link entre o estúdio e o local do transmissor. Eles envolvem o uso de antenas parabólicas e requerem um uplink de satélite no estúdio e um downlink no local do transmissor.
      • Redes IP: Os STLs baseados em IP utilizam redes de protocolo de Internet (IP), como Ethernet ou conexões de Internet, para transmitir áudio e dados entre o estúdio e o local do transmissor. Esse método geralmente envolve a codificação do sinal de áudio em pacotes IP e sua transmissão pela infraestrutura de rede.

       

      Os sistemas STL também podem incorporar mecanismos de redundância para garantir a confiabilidade. Isso pode incluir o uso de conexões de backup ou equipamentos redundantes para minimizar o risco de perda ou interrupção do sinal.

       

      Escolhendo um estúdio para transmitir o link

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher um Studio to Transmitter Link:

       

      1. Distância e Linha de Visão: Determine a distância entre o estúdio e o local do transmissor e avalie se há uma linha de visão clara ou infraestrutura adequada disponível para a configuração do STL. Isso ajudará a determinar a tecnologia apropriada, como micro-ondas ou satélite, com base nos requisitos específicos do caminho de transmissão.
      2. Confiabilidade e Redundância: Avalie as opções de confiabilidade e redundância fornecidas pelo sistema STL. Procure recursos como conexões de backup, redundância de equipamentos ou mecanismos de failover para garantir a transmissão ininterrupta em caso de falha de link ou equipamento.
      3. Qualidade de áudio e largura de banda: Considere os requisitos de qualidade de áudio de sua estação de rádio. Certifique-se de que o sistema STL possa lidar com a largura de banda necessária para transmitir o sinal de áudio sem degradação ou perda de qualidade.
      4. Conformidade Regulatória: Entenda e cumpra quaisquer requisitos regulatórios relacionados à alocação de frequência, licenciamento ou outros aspectos legais que possam afetar a escolha e implementação do sistema STL.
      5. Escalabilidade e expansão futura: Avalie a escalabilidade do sistema STL para acomodar crescimento futuro potencial ou mudanças nas necessidades da estação de rádio. Considere a capacidade de atualizar ou expandir o sistema facilmente conforme necessário.

       

      Soluções recomendadas de estúdio para link do transmissor para você:

       

      fmuser-5.8-ghz-10-km-1-hdmi-sdi-digital-stl-system.jpg fmuser-5.8-ghz-10-km-1-hdmi-sdi-stereo-4-to-1-digital-stl-system.jpg fmuser-5.8-ghz-10-km-4-aes-ebu-digital-stl-system.jpg fmuser-5.8-ghz-10-km-4-av-cvbs-digital-stl-system.jpg
      5.8 GHz 10KM1 HDMI/SDI

      5.8 GHz 10KM 1

      HDMI/SDI/Estéreo 4 a 1

      5.8 GHz 10 KM 4 AES/EBU 5.8 GHz 10 KM 4 AV/CVBS
      fmuser-5.8-ghz-10-km-4-hdmi-estéreo-digital-stl-system.jpg fmuser-5.8-ghz-10-km-8-hdmi-digital-stl-system.jpg fmuser-1000-mhz-60-km-10-1000-mhz-7-9-ghz-adstl-stl-system.jpg
      5.8 GHz 10KM 4 HDMI/Estéreo 5.8 GHz 10 KM 8 HDMI 100-1K MHz e 7-9 GHz, 60KM, baixo custo

       

      Transmissor STL

      Os transmissores STL (Studio-to-Transmitter Link) são dispositivos projetados especificamente para aplicações de transmissão. Sua finalidade é estabelecer um link de áudio ou vídeo confiável e de alta qualidade entre o estúdio e o local transmissor de uma estação de rádio ou TV. Esses transmissores fornecem uma conexão dedicada e confiável, garantindo que os sinais transmitidos cheguem ao transmissor sem degradação ou interferência. Ao transportar sinais de áudio ou vídeo em tempo real, os transmissores STL desempenham um papel crucial na manutenção da integridade e qualidade do conteúdo transmitido. Ao escolher um transmissor STL, fatores como confiabilidade, qualidade do sinal e compatibilidade com equipamentos existentes devem ser cuidadosamente considerados.

       

      Como funcionam os transmissores STL?

       

      Os transmissores STL normalmente operam nas bandas de frequência de micro-ondas ou UHF. Eles usam antenas direcionais e níveis de potência mais altos para estabelecer um link robusto e livre de interferências entre o estúdio e o local do transmissor, que podem estar localizados a quilômetros de distância.

       

      Os transmissores STL recebem o sinal de áudio ou vídeo do estúdio, geralmente em formato digital, e o convertem em um esquema de modulação adequado para transmissão. O sinal modulado é então amplificado para o nível de potência desejado e transmitido sem fio através da banda de frequência escolhida.

       

      No local do transmissor, um receptor STL correspondente captura o sinal transmitido e o demodula de volta ao seu formato original de áudio ou vídeo. O sinal demodulado é então alimentado no sistema de transmissão para posterior processamento e transmissão para o público.

        

      Escolhendo transmissores STL

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher transmissores STL:

       

      1. Faixa de freqüência: Determine a banda de frequência adequada para seu link STL, considerando fatores como alocações de frequência disponíveis, requisitos regulatórios e considerações sobre interferência. As bandas de frequência comuns usadas para links STL incluem micro-ondas e UHF.
      2. Qualidade e confiabilidade do sinal: Avalie a qualidade e a confiabilidade do sinal oferecidas pelo transmissor STL. Procure recursos como baixa distorção de sinal, alta relação sinal-ruído e recursos de correção de erros para garantir o desempenho ideal da transmissão.
      3. Distância e capacidade do link: Considere a distância entre o estúdio e o local do transmissor para determinar a capacidade necessária do link. Distâncias maiores podem exigir maior potência e sistemas mais robustos para manter a integridade do sinal.

      Receptor STL

      Os receptores STL são projetados especificamente para receber e demodular sinais de áudio ou vídeo transmitidos por um link STL. Eles são utilizados no local da emissora para captar o conteúdo transmitido do estúdio, garantindo a reprodução precisa e de alta qualidade dos sinais veiculados para transmissão ao público.

       

      Como funcionam os receptores STL?

       

      Os receptores STL são normalmente projetados para operar na mesma banda de frequência que o transmissor STL correspondente. Eles usam antenas direcionais e receptores sensíveis para capturar os sinais transmitidos e convertê-los de volta em seus formatos originais de áudio ou vídeo.

       

      Quando o sinal transmitido chega ao receptor STL, ele é captado pela antena do receptor. O sinal recebido é então demodulado, o que envolve a extração do conteúdo original de áudio ou vídeo do sinal modulado da portadora. O sinal demodulado é então passado por um equipamento de processamento de áudio ou vídeo para melhorar ainda mais a qualidade e prepará-lo para transmissão ao público.

       

      O sinal demodulado é normalmente integrado ao sistema de transmissão, onde é combinado com outras fontes de áudio ou vídeo, processado e amplificado antes de ser transmitido ao público-alvo.

       

      Escolhendo receptores STL

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher receptores STL:

       

      1. Faixa de freqüência: Determine a banda de frequência que corresponde ao seu link STL, correspondendo à banda de frequência usada pelo transmissor STL. Certifique-se de que o receptor foi projetado para operar na mesma faixa de frequência para recepção e demodulação adequadas.
      2. Sensibilidade e qualidade do sinal: Avalie a sensibilidade e a qualidade do sinal oferecidas pelo receptor STL. Procure receptores com alta sensibilidade para captar sinais fracos em ambientes desafiadores e recursos que garantam a demodulação precisa e fiel do conteúdo transmitido.
      3. Compatibilidade: Certifique-se de que o receptor STL seja compatível com o esquema de modulação usado pelo transmissor STL. Verifique se o receptor pode processar o padrão de modulação específico empregado em seu sistema de transmissão, como FM analógico, FM digital ou padrões de TV digital (por exemplo, ATSC ou DVB).
      4. Opções de redundância e backup: Considere a disponibilidade de redundância e opções de backup para o link STL. Configurações de receptor redundantes ou recursos de recepção de diversidade podem fornecer backup e garantir recepção ininterrupta em caso de falha de equipamento ou interrupção de sinal.

      Antena STL

      As antenas STL (Studio-to-Transmitter Link) são antenas especializadas usadas em transmissões de rádio e TV para estabelecer um link confiável e de alta qualidade entre o estúdio e o local do transmissor. Eles desempenham um papel crucial na transmissão e recepção de sinais de áudio ou vídeo em longas distâncias.

       

      fmuser-yagi-stl-antena-para-estúdio-para-transmissor-link-system.jpg

       

      1. Antenas parabólicas: Antenas parabólicas são comumente usadas em sistemas STL por seu alto ganho e capacidades direcionais. Essas antenas consistem em um refletor de metal em forma de prato e um feedhorn posicionado no ponto focal. O refletor concentra os sinais transmitidos ou recebidos no feedhorn, que captura ou emite os sinais. As antenas parabólicas são normalmente usadas em links STL ponto a ponto em longas distâncias.
      2. Antenas Yagi: As antenas Yagi, também conhecidas como antenas Yagi-Uda, são populares por suas propriedades direcionais e ganho moderado. Eles apresentam uma série de elementos paralelos, incluindo um elemento acionado, refletor e um ou mais diretores. As antenas Yagi são capazes de focalizar seu padrão de radiação em uma direção específica, tornando-as adequadas para transmitir e receber sinais em uma determinada área de cobertura. Eles são freqüentemente usados ​​em links STL de curta distância ou como antenas auxiliares para cobertura de preenchimento.
      3. Antenas Log-Periódicas: As antenas log-periódicas são capazes de operar em uma ampla faixa de frequência, tornando-as versáteis para sistemas STL que exigem flexibilidade para suportar várias bandas de frequência. Essas antenas consistem em múltiplos dipolos paralelos de comprimentos variados, o que lhes permite cobrir uma ampla faixa de frequências. As antenas log-periódicas oferecem ganho moderado e são frequentemente usadas como antenas multifuncionais em aplicações de transmissão.

       

      Como funcionam as antenas STL em um sistema STL

       

      Em um sistema STL, a antena STL serve como transmissor ou receptor para estabelecer um link sem fio entre o estúdio e o local do transmissor. A antena é conectada ao transmissor ou receptor STL, que gera ou capta os sinais de áudio ou vídeo. O papel da antena é irradiar ou capturar efetivamente esses sinais e transmiti-los sobre a área de cobertura desejada.

       

      O tipo de antena STL usada depende de vários fatores, como distância do link, banda de frequência, ganho necessário e requisitos direcionais. Antenas direcionais como antenas parabólicas e antenas Yagi são comumente usadas para estabelecer um link focado e confiável entre o estúdio e o local do transmissor. As antenas log-periódicas, com sua ampla cobertura de frequência, oferecem flexibilidade para sistemas que operam em diferentes bandas de frequência.

       

      Escolhendo Antenas STL

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher antenas STL:

       

      1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência usada em seu sistema STL. Certifique-se de que a antena escolhida foi projetada para operar dentro da faixa de frequência específica necessária para sua aplicação de transmissão.
      2. Distância do link: Avalie a distância entre o estúdio e o local do transmissor. Distâncias maiores podem exigir antenas com maior ganho e largura de feixe mais estreita para manter a força e a qualidade do sinal.
      3. Ganho e largura de feixe: Avalie os requisitos de ganho e largura de feixe com base na área de cobertura e na distância do link. Antenas de ganho mais alto fornecem alcance mais longo, enquanto antenas de largura de feixe mais estreita oferecem cobertura mais focada.
      4. Polarização da antena: Considere a polarização necessária para seu sistema STL, como polarização vertical ou horizontal. Certifique-se de que a antena suporta a polarização desejada para manter a compatibilidade com outros componentes do sistema.
      5. Instalação e montagem: Avalie o espaço disponível e as opções de montagem para instalar antenas STL. Considere fatores como altura da torre, carga de vento e compatibilidade com a infraestrutura existente durante o processo de seleção.
      6. Conformidade Regulatória: Certifique-se de que as antenas STL escolhidas estejam em conformidade com os padrões regulatórios relevantes e requisitos de licenciamento em sua região.

       

      Pacote de equipamento STL recomendado para você

       

      fmuser-5.8-ghz-10-km-1-hdmi-sdi-digital-stl-system.jpg fmuser-stl10-studio-to-transmittter-link-equipment-package.jpg fmuser-stl10-stl-transmissor-com-stl-receptor-package.jpg
      STL sobre IP Pacote de links STL Transmissor e Receptor STL

       


       

      Equipamento de estúdio de rádio

       

      O equipamento de estúdio de rádio forma a espinha dorsal de uma instalação de transmissão, permitindo a produção e entrega de conteúdo de áudio de alta qualidade. Desde a captura e processamento de áudio até a transmissão para um público, o equipamento de estúdio de rádio desempenha um papel crucial na criação de programas de rádio envolventes. Aqui está uma lista completa de equipamentos de estúdio de rádio necessários para uma estação de rádio.

       

      Programas:

       

      • Estação de trabalho de áudio digital (DAW)
      • Software de Automação de Rádio

       

      Hardware:

       

      • Microfones (condensador, dinâmico, fita)
      • Suportes de microfone
      • Fones de ouvido do monitor
      • Mixers de áudio
      • Interfaces de áudio
      • Luz On Air
      • Console de transmissão
      • patch panels
      • Tocadores de CD
      • Processadores de áudio (compressores, limitadores, equalizadores)
      • Telefone híbrido
      • Materiais de insonorização
      • Monitores de estúdio
      • Filtros pop
      • Suportes de choque
      • Ferramentas de gerenciamento de cabos
      • Mesas de transmissão

       

      Vamos dar uma olhada em cada um dos equipamentos mencionados em detalhes!

      Estação de trabalho de áudio digital (DAW)

      Uma estação de trabalho de áudio digital (DAW) é um aplicativo de software que permite aos usuários gravar, editar, manipular e mixar áudio digitalmente. Ele fornece um conjunto abrangente de ferramentas e recursos para facilitar a produção e manipulação de conteúdo de áudio. DAWs são a principal ferramenta de software usada em estúdios de rádio modernos para criar gravações de áudio, podcasts e outros conteúdos de transmissão com qualidade profissional.

       

      daw-digital-audio-workstation-operação-interface.jpg

       

      Como funciona uma estação de trabalho de áudio digital (DAW)?

       

      Uma DAW fornece uma interface gráfica do usuário (GUI) que permite aos usuários interagir com faixas de áudio, plug-ins, instrumentos virtuais e outros recursos relacionados ao áudio. Os usuários podem gravar áudio de microfones ou outras fontes diretamente no DAW, editar o áudio gravado, organizá-lo em uma linha do tempo, aplicar vários efeitos e processamento de áudio, misturar várias faixas para criar uma mixagem de áudio final e exportar o projeto de áudio finalizado em vários formatos.

       

      DAWs normalmente oferecem uma variedade de ferramentas de edição e manipulação, como edição de forma de onda, alongamento de tempo, correção de pitch e redução de ruído. Eles também fornecem uma ampla seleção de efeitos de áudio, instrumentos virtuais e plug-ins que podem ser usados ​​para aprimorar o áudio e adicionar elementos criativos à produção.

       

      Escolhendo uma estação de trabalho de áudio digital (DAW)

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher uma estação de trabalho de áudio digital (DAW):

       

      1. Características e Compatibilidade: Avalie os recursos e capacidades da DAW. Procure recursos como gravação multipista, ferramentas de edição, recursos de mixagem, instrumentos virtuais e suporte a plug-ins. Certifique-se de que a DAW seja compatível com seu sistema operacional e outro hardware em sua configuração de estúdio.
      2. Facilidade de uso: Considere a interface do usuário e o fluxo de trabalho da DAW. Procure uma DAW intuitiva e adequada às suas preferências e nível de especialização. Alguns DAWs têm uma curva de aprendizado mais acentuada, enquanto outros oferecem uma interface mais amigável para iniciantes.
      3. Qualidade de áudio: Avalie a qualidade de áudio fornecida pela DAW. Procure DAWs que suportem formatos de áudio de alta resolução e tenham recursos avançados de processamento de áudio para garantir a qualidade de som ideal.
      4. Integração de terceiros: Considere a capacidade da DAW de se integrar com hardware ou plug-ins externos. Procure compatibilidade com interfaces de áudio, superfícies de controle e plug-ins de terceiros que você queira usar em seu estúdio.
      5. Fluxo de trabalho e eficiência: Determine o fluxo de trabalho e a eficiência da DAW. Procure recursos que agilizem seu processo de produção, como atalhos de teclado, recursos de automação e ferramentas de gerenciamento de projetos.
      6. Suporte e atualizações: Pesquise a reputação da DAW para obter suporte e atualizações contínuos. Certifique-se de que a DAW tenha uma comunidade de usuários ativa, tutoriais, documentação e atualizações regulares de software para solucionar bugs e adicionar novos recursos.

      Microfones

      Microfones condensadores, microfones dinâmicos e microfones de fita são comumente usados ​​em estúdios de rádio.

       

      Microfone condensador de estúdio de gravação de 3.5 mm.jpg

       

      Tipos

       

      1. Microfones Condensadores: Os microfones condensadores são altamente sensíveis e oferecem excelente qualidade de áudio. Eles consistem em um diafragma fino que vibra em resposta às ondas sonoras. O diafragma é colocado perto de uma placa traseira carregada, criando um capacitor. Quando o som atinge o diafragma, ele se move, resultando em uma mudança na capacitância. Essa mudança é convertida em um sinal elétrico, que é então amplificado. Os microfones condensadores requerem energia, geralmente fornecida por meio de alimentação fantasma de uma interface de áudio ou mixer.
      2. Microfones Dinâmicos: Os microfones dinâmicos são conhecidos por sua durabilidade e versatilidade. Eles usam um design simples que consiste em um diafragma, uma bobina de fio e um ímã. Quando as ondas sonoras atingem o diafragma, ele se move, fazendo com que a bobina se mova dentro do campo magnético. Esse movimento gera uma corrente elétrica, que é enviada pelo cabo do microfone para a interface de áudio ou mixer. Os microfones dinâmicos podem lidar com altos níveis de pressão sonora e são menos sensíveis ao ruído ambiente.
      3. Microfones de fita: Os microfones de fita são conhecidos por seu som suave e quente. Eles usam uma fita fina de metal (normalmente feita de alumínio) suspensa entre dois ímãs. Quando as ondas sonoras atingem a fita, ela vibra, gerando uma corrente elétrica por indução eletromagnética. Microfones de fita são delicados e requerem manuseio cuidadoso para evitar danos. Eles geralmente oferecem um caráter vintage e suave ao som gravado.

       

      Cada tipo de microfone tem suas próprias características únicas que o tornam adequado para diferentes aplicações. Em estúdios de rádio, os microfones condensadores são geralmente preferidos por sua captura de áudio de alta qualidade, enquanto os microfones dinâmicos são populares por sua durabilidade e capacidade de lidar com várias fontes vocais e instrumentais. Os microfones de fita são usados ​​com menos frequência em estúdios de rádio, mas são valorizados por suas qualidades sonoras específicas e às vezes são empregados para fins específicos ou efeitos estilísticos.

       

      Como escolher

       

      1. Objetivo: Determine o uso principal do microfone. Será usado principalmente para gravação de voz, entrevistas ou apresentações musicais? Diferentes microfones se destacam em diferentes aplicações.
      2. Qualidade de som: Considere as características de som desejadas. Os microfones condensadores geralmente oferecem uma ampla resposta de frequência e som detalhado, enquanto os microfones dinâmicos fornecem um som mais robusto e focado. Os microfones de fita geralmente oferecem um tom quente e vintage.
      3. Sensibilidade: Avalie os requisitos de sensibilidade do seu ambiente. Se você tiver um espaço de gravação silencioso, um microfone condensador mais sensível pode ser adequado. Em ambientes ruidosos, a sensibilidade mais baixa de um microfone dinâmico pode rejeitar ruídos de fundo indesejados.
      4. Durabilidade: Considere a durabilidade e qualidade de construção do microfone. Os microfones dinâmicos são geralmente mais robustos e podem lidar com manuseio inadequado, tornando-os adequados para gravações no local ou situações em que a durabilidade é essencial.
      5. Orçamento: Determine o orçamento que você alocou para o microfone. Diferentes tipos e modelos de microfone variam de preço. Considere o melhor compromisso entre o seu orçamento e a qualidade de som desejada.
      6. Compatibilidade: Verifique a compatibilidade do microfone com seu equipamento existente. Certifique-se de que os conectores do microfone correspondam à sua interface de áudio ou mixer e que seu equipamento possa fornecer a energia necessária se estiver usando um microfone condensador.
      7. Teste: Sempre que possível, experimente diferentes microfones antes de tomar uma decisão final. Isso permitirá que você ouça como cada microfone soa com sua voz ou em seu ambiente específico.

       

      Vale a pena notar que a preferência pessoal e a experimentação desempenham um papel importante na seleção do microfone. O que funciona bem para uma pessoa ou estúdio pode não ser a escolha ideal para outro. Considere esses fatores, conduza pesquisas e, se possível, busque recomendações de profissionais ou colegas de emissoras para tomar uma decisão informada.

      Suportes de microfone

      Suportes de microfone são suportes mecânicos projetados para segurar os microfones com segurança na altura e posição desejadas. Eles consistem em vários componentes, incluindo uma base, um suporte vertical, um braço ajustável (se aplicável) e um clipe ou suporte para microfone.

       

      microfone com suporte.jpg  

      Como funcionam os suportes de microfone?

       

      Os suportes de microfone geralmente têm um recurso de altura ajustável, permitindo que os usuários definam o microfone em um nível ideal para a boca ou instrumento do usuário. Eles oferecem estabilidade e evitam movimentos indesejados ou vibrações que podem afetar a qualidade do som. O braço boom, se presente, estende-se horizontalmente a partir do suporte e permite o posicionamento preciso do microfone em frente à fonte de som.

       

      Escolhendo um suporte para microfone

       

      Ao escolher um pedestal de microfone, considere os seguintes fatores:

       

      1. Tipo de Estande: Determine o tipo de suporte que você precisa com base em seus requisitos. Os tipos comuns incluem suportes de tripé, suportes de base redonda e suportes montados em mesa. Os suportes de tripé oferecem estabilidade e portabilidade, enquanto os suportes de base redonda fornecem uma base mais estável. Os suportes montados na mesa são adequados para configurações de mesa ou espaço limitado.
      2. Ajuste de altura: Certifique-se de que o suporte tenha opções de altura ajustável para acomodar diferentes usuários e situações de gravação. Procure suportes com mecanismos confiáveis ​​de ajuste de altura que permitam ajustes fáceis e seguros.
      3. Braço da lança: Se você precisar de flexibilidade no posicionamento do microfone, considere um suporte com braço ajustável. Os braços da lança podem se estender horizontalmente e girar, permitindo o posicionamento preciso do microfone.
      4. Robustez: Procure suportes feitos de materiais duráveis, como aço ou alumínio, para garantir estabilidade e longevidade. A robustez é crucial para evitar quedas ou movimentos acidentais durante as gravações.
      5. Clipe/suporte para microfone: Verifique se o suporte inclui um clipe ou suporte de microfone compatível. Microfones diferentes requerem acessórios específicos para fixação segura, portanto, certifique-se de que o clipe ou suporte do suporte seja adequado para o seu microfone.
      6. Portabilidade: Se você precisar mover ou transportar sua configuração com frequência, considere um suporte leve e portátil para facilitar o transporte.

      Fones de ouvido do monitor

       


        

      como funciona Monitor Headphone funciona?

       

      Fones de ouvido de monitoramento, também conhecidos como fones de ouvido de estúdio, são geralmente usados ​​para monitorar a gravação, reproduzir sons próximos à gravação original e selecionar e distinguir os tipos de instrumentos musicais fmuser.-net quando os níveis de som precisam ser ajustados. No aplicativo de mixagem de som, os fones de ouvido do monitor mostram a menor ênfase ou pré-ênfase com sua excelente frequência específica, para que os usuários possam ouvir claramente os graves, médios e agudos sem "mudanças (aprimoramento ou enfraquecimento)", diz fmuser-Ray .

       

      Sua marca Fones de ouvido do monitor são importante?

       

      O fone de ouvido do monitor tem uma resposta de frequência ampla e plana

       

      A resposta de frequência refere-se à faixa de graves, médios e agudos. A maioria dos fones de ouvido tem uma resposta de frequência de 20 a 20000 Hz, que é a faixa de frequência audível padrão que os humanos podem ouvir. O primeiro número (20) representa a frequência de graves mais profundos, enquanto o segundo número (20000) é a fmuser.-net de frequência mais alta (faixa de agudos) que o fone de ouvido pode reproduzir. Ter uma ampla resposta de frequência significa que o fone de ouvido do monitor pode reproduzir frequências na faixa padrão de 20 a 20000 Hz (às vezes até mais do que isso).

       

      Em geral, quanto mais ampla a faixa de frequência, melhor a experiência de audição pode ser alcançada por fones de ouvido da seguinte forma:

       

      1. Copie a frequência usada na gravação real
      2. Produza graves mais profundos e agudos mais nítidos.

       

      • Os fones de ouvido do monitor não têm aprimoramento de graves

      Os fones de ouvido do monitor equilibram todas as frequências (baixa, média, alta). Uma vez que nenhuma parte do espectro de som é aumentada, uma experiência de audição mais precisa pode ser alcançada. Para os ouvintes comuns do fmuser.-net, ouvir muitos graves nos fones de ouvido é a chave para uma experiência de audição agradável. Na verdade, algumas pessoas até o usam como uma medida para saber se um par de fones de ouvido é bom ou não.

       

      É por isso que muitos fones de ouvido comerciais hoje são equipados com "reforço de graves".

      Usar fones de ouvido de monitor é uma experiência totalmente diferente. Como ele foi projetado para reproduzir o som com precisão, se você gravar dessa forma, ouvirá apenas o baixo do baixo surdo. Mesmo assim, diz FMUSERRay, se você compará-lo lado a lado com um par de fones de ouvido (básicos) para o consumidor, pode notar que o baixo não tem impacto.

      • Os fones de ouvido do monitor são geralmente mais confortáveis ​​de usar

      Conforme mencionado anteriormente, os fones de ouvido de monitoramento são criados principalmente para o uso de longo prazo de equipamentos de estúdio por engenheiros de gravação, músicos e artistas. Se você já viu um documentário ou um vídeo gravando música nele, sabe que gravar e mixar música geralmente leva muito tempo.

      É por isso que os fabricantes de fones de ouvido prestam mais atenção ao conforto ao projetar seus produtos. Um par de fones de ouvido de monitor de estúdio deve ser confortável o suficiente para ser usado por um longo tempo.

      • Os fones de ouvido do monitor são bastante robustos

      Para resistir ao desgaste, eles são equipados com materiais mais resistentes e duráveis. Até o cabo é mais grosso e comprido do que o normal porque pode resistir a todos os tipos de puxões, puxões e emaranhamentos. Mas eles também são mais volumosos do que os fones de ouvido para o consumidor.

      Mixers de áudio

      Os mixers de áudio são dispositivos eletrônicos com vários canais de entrada e saída usados ​​para combinar, controlar e manipular sinais de áudio. Eles permitem que os usuários ajustem o volume, o tom e os efeitos de várias fontes de áudio, como microfones, instrumentos e conteúdo pré-gravado, para criar uma mixagem de áudio equilibrada e coesa.

       

      Como funcionam os mixers de áudio?

       

      Os mixers de áudio recebem sinais de áudio de diferentes fontes e os direcionam para vários destinos de saída, como alto-falantes ou dispositivos de gravação. Eles consistem em vários componentes, incluindo canais de entrada, faders, botões giratórios, equalizadores e processadores de efeitos. Cada canal de entrada normalmente possui controles para ajustar o volume, pan (colocação estéreo) e equalização (tom). Os faders permitem um controle preciso sobre o nível de volume de cada canal de entrada, enquanto botões e botões adicionais oferecem mais ajustes e opções de personalização. Os sinais de áudio dos canais de entrada são combinados, balanceados e processados ​​para criar a mixagem de saída final, que pode ser enviada para alto-falantes, fones de ouvido ou dispositivos de gravação.

       

      Escolhendo um mixer de áudio

       

      Ao selecionar um mixer de áudio, considere os seguintes fatores:

       

      1. Número de canais: Determine o número de canais de entrada necessários com base no número de fontes de áudio que você precisa misturar simultaneamente. Certifique-se de que o mixer tenha canais suficientes para acomodar todas as suas entradas.
      2. Recursos e controles: Considere os recursos e controles de que você precisa. Procure mixers com controles de equalização, envios/retornos auxiliares para adicionar efeitos ou processadores externos, botões mudo/solo para canais individuais e controles de pan para posicionamento estéreo.
      3. Efeitos incorporados: Se você precisar aplicar efeitos ao seu áudio, considere mixers com processadores de efeitos integrados. Esses processadores oferecem vários efeitos como reverberação, atraso ou compressão, permitindo aprimorar o som sem equipamento externo adicional.
      4. Conectividade: Certifique-se de que o mixer tenha as entradas e saídas apropriadas para suas fontes de áudio e dispositivos de destino. Procure entradas XLR e TRS para microfones e instrumentos, bem como saídas principais, subgrupos e envios/retornos auxiliares para roteamento de áudio para diferentes destinos.
      5. Tamanho e portabilidade: Considere o tamanho e a portabilidade do mixer. Se você precisar mover ou transportar o misturador com frequência, procure opções compactas e leves que atendam às suas necessidades.

      Interfaces de áudio

      As interfaces de áudio atuam como a ponte entre os sinais de áudio analógico e os dados de áudio digital em um computador. Eles convertem entradas de áudio analógicas de microfones, instrumentos ou outras fontes em sinais digitais que podem ser processados, gravados e reproduzidos por um computador. As interfaces de áudio geralmente se conectam ao computador via USB, Thunderbolt ou FireWire, fornecendo conversão de áudio de alta qualidade e opções de conectividade.

        

      Como funcionam as interfaces de áudio?

       

      As interfaces de áudio pegam os sinais de áudio analógico de fontes como microfones ou instrumentos e os convertem em dados digitais usando conversores analógico-digitais (ADCs). Esses dados de áudio digital são então transmitidos ao computador por meio da conexão de interface escolhida. No lado da reprodução, a interface de áudio recebe dados de áudio digital do computador e os converte de volta em sinais analógicos usando conversores digital para analógico (DACs). Esses sinais analógicos podem ser enviados para monitores de estúdio ou fones de ouvido para monitoramento ou roteados para outros dispositivos de áudio.

       

      Escolhendo uma interface de áudio

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher uma interface de áudio:

       

      1. Configuração de entrada e saída: Determine o número e o tipo de entradas e saídas necessárias. Considere o número de pré-amplificadores de microfone, entradas de linha, entradas de instrumentos, saídas de fone de ouvido e saídas de monitor necessárias para a configuração do seu estúdio.
      2. Qualidade de áudio: Procure interfaces de áudio com conversores de alta qualidade para garantir uma conversão de áudio precisa e transparente. Considere os recursos de profundidade de bits e taxa de amostragem para atender às suas necessidades de gravação.
      3. Conectividade: Certifique-se de que a interface de áudio tenha as opções de conexão necessárias para se adequar ao seu computador e outros equipamentos. USB é a interface mais comum e amplamente suportada, mas as interfaces Thunderbolt e FireWire oferecem maior largura de banda e menor latência.
      4. Compatibilidade: Verifique a compatibilidade da interface de áudio com o sistema operacional e software do seu computador. Certifique-se de que os drivers e o software fornecidos pelo fabricante sejam compatíveis com sua configuração.
      5. Desempenho de latência: Considere o desempenho de latência da interface de áudio, que é o atraso entre a entrada e a saída. A latência mais baixa é preferível para monitoramento e gravação em tempo real sem atrasos perceptíveis.

      Luz On Air

       

      Uma luz no ar é um indicador visual que alerta os indivíduos dentro e fora do estúdio quando um microfone está ativo e transmitindo áudio ao vivo ou quando o estúdio está no ar. Serve como um sinal para evitar interrupções ou perturbações indesejadas durante uma transmissão ao vivo.

       

      rádio-estúdio-on-air-light.jpg  

      Como funciona uma luz no ar?

       

      Normalmente, uma luz no ar consiste em um painel ou sinal iluminado altamente visível, geralmente apresentando as palavras "On Air" ou uma indicação semelhante. A luz é controlada por um mecanismo de sinalização que se conecta ao equipamento de transmissão, como o mixer de áudio ou o console de transmissão. Quando o microfone está ativo, o mecanismo de sinalização envia um sinal para a luz no ar, acionando-a para acender. Quando o microfone não estiver mais ativo ou quando a transmissão terminar, a luz será apagada.

       

      Escolhendo uma luz no ar

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher uma luz no ar:

       

      1. Visibilidade: Certifique-se de que a luz no ar tenha alta visibilidade e possa ser vista facilmente de vários ângulos. Luzes LED brilhantes ou sinais luminosos são comumente usados ​​por sua visibilidade em diferentes condições de iluminação.
      2. Opções de design e montagem: Considere as opções de design e montagem adequadas ao seu estúdio. As luzes no ar podem vir em várias formas, como luzes independentes, sinais montados na parede ou indicadores montados na mesa. Escolha um que se adapte à estética do seu estúdio e forneça visibilidade conveniente para a equipe de transmissão.
      3. Compatibilidade: Certifique-se de que a luz no ar seja compatível com seu equipamento de transmissão. Verifique o mecanismo de sinalização e as conexões necessárias para sincronizar a luz com seu mixer de áudio ou console de transmissão.
      4. Facilidade de uso: Procure uma luz no ar que seja fácil de usar e integrar na configuração do seu estúdio. Considere recursos como ativação instantânea ou opções de controle remoto para conveniência.
      5. Durabilidade: Verifique se a luz no ar foi construída para suportar o uso regular e tem uma construção robusta. Deve ser capaz de resistir a choques ou batidas acidentais em um ambiente de estúdio movimentado.

      Console de transmissão

      Um console de transmissão é um dispositivo eletrônico sofisticado que serve como o centro nervoso de um estúdio de rádio. Ele permite que as emissoras controlem os sinais de áudio de várias fontes, ajustem os níveis de áudio, apliquem o processamento e encaminhem o áudio para diferentes destinos. Os consoles de transmissão são projetados para fornecer controle preciso e flexibilidade no gerenciamento de várias entradas e saídas de áudio.

       

      radio-studio-broadcast-console.jpg 

      Como funciona um console de transmissão?

       

      Um console de transmissão consiste em canais de entrada, faders, botões giratórios, interruptores e vários controles. Os canais de entrada recebem sinais de áudio de microfones, instrumentos ou outras fontes. Os faders controlam os níveis de volume de cada canal, permitindo que o operador crie uma mixagem de áudio ideal. Botões e interruptores fornecem controle sobre recursos como equalização (EQ), processamento dinâmico e efeitos. O console também oferece recursos de roteamento, permitindo que o operador envie áudio para diferentes destinos de saída, como alto-falantes, fones de ouvido ou dispositivos de gravação.

       

      Escolhendo um console de transmissão

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher um console de transmissão:

       

      1. Contagem de canais: Determine o número de canais de entrada necessários com base no número de fontes de áudio que você precisa gerenciar simultaneamente. Certifique-se de que o console oferece canais suficientes para acomodar todas as suas entradas.
      2. Recursos e controles: Considere os recursos e controles de que você precisa. Procure consoles com controles EQ, processamento dinâmico (como compressores e limitadores), envios/retornos auxiliares para adicionar efeitos ou processadores externos, botões mute/solo para canais individuais e controles pan para posicionamento estéreo.
      3. Qualidade de áudio: Procure consoles com pré-amplificadores e circuitos de áudio de alta qualidade para garantir uma reprodução de áudio transparente e precisa. Considere consoles que oferecem desempenho de baixo ruído e baixa distorção.
      4. Conectividade: Certifique-se de que o console tenha as opções de entrada e saída necessárias para acomodar suas fontes de áudio e dispositivos de destino. Procure entradas XLR e TRS para microfones e instrumentos, bem como saídas principais, saídas de subgrupo e envios/retornos auxiliares para roteamento de áudio para diferentes destinos.
      5. Flexibilidade de Roteamento: Considere os recursos de roteamento do console. Procure consoles que ofereçam opções de roteamento flexíveis, permitindo rotear o áudio para diferentes saídas, criar mixagens de monitor e integrar facilmente com processadores externos ou unidades de efeitos.
      6. Interface de controle: Avalie o layout e a ergonomia do console. Certifique-se de que a interface de controle seja intuitiva e fácil de usar, com rotulagem clara e posicionamento lógico dos controles. Considere o tamanho e o espaçamento dos faders e botões para fornecer controle preciso e confortável.

      patch panels

      Patch Panels são unidades de hardware com uma série de conectores de entrada e saída, geralmente na forma de conectores ou soquetes. Eles fornecem um hub central para conectar dispositivos de áudio e permitem fácil roteamento e organização de sinais de áudio. Os painéis de conexão simplificam o processo de conectar e desconectar cabos de áudio consolidando várias conexões em um local centralizado.

       

      patch-panel-com-múltiplas-portas.jpg

       

      Como funcionam os Patch Panels?

       

      Os painéis de conexão consistem em fileiras de conectores de entrada e saída. Normalmente, cada conector de entrada corresponde a um conector de saída, permitindo estabelecer uma conexão direta entre dispositivos de áudio. Usando cabos patch, você pode rotear sinais de áudio de fontes de entrada específicas para os destinos de saída desejados. Os painéis de conexão eliminam a necessidade de conectar e desconectar fisicamente os cabos diretamente dos dispositivos, tornando mais conveniente e eficiente reconfigurar as conexões de áudio.

       

      Escolhendo um Patch Panel

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher um patch panel:

       

      1. Número e tipo de conectores: Determine o número e o tipo de conectores necessários com base no seu equipamento de áudio. Procure painéis de conexão com conectores de entrada e saída suficientes para acomodar seus dispositivos. Os tipos de conectores comuns incluem conectores XLR, TRS, RCA ou BNC.
      2. Configuração e Formato: Escolha uma configuração de patch panel adequada à configuração do seu estúdio. Considere se você precisa de um painel montado em rack de 19 polegadas ou um painel independente. Os painéis montados em rack são adequados para configurações maiores com vários dispositivos.
      3. Tipo de fiação: Decida entre um patch panel pré-conectado ou configurável pelo usuário. Os painéis pré-cabeados vêm com conexões fixas, tornando a configuração rápida e fácil. Painéis configuráveis ​​pelo usuário permitem que você personalize a fiação de acordo com suas necessidades específicas.
      4. Rotulagem e Organização: Procure painéis de conexão com opções claras de rotulagem e codificação de cores. Painéis devidamente rotulados facilitam a identificação e rastreamento de conexões de áudio, enquanto o código de cores facilita a identificação rápida de diferentes fontes ou destinos de áudio.
      5. Produza qualidade: Certifique-se de que o patch panel seja bem construído e durável. Considere painéis com construção robusta e conectores de alta qualidade para garantir conexões confiáveis ​​ao longo do tempo.
      6. Compatibilidade: Verifique se os conectores do patch panel correspondem ao tipo de cabo de áudio usado em seu estúdio. Verifique a compatibilidade com os dispositivos e equipamentos de áudio que planeja conectar.
      7. Orçamento: Determine seu orçamento e encontre um patch panel que ofereça os recursos e a qualidade necessários dentro de sua faixa de preço. Considere a qualidade geral da construção, a confiabilidade e as avaliações dos clientes ao tomar sua decisão.

      Tocadores de CD

      CD players são dispositivos eletrônicos projetados para ler e reproduzir conteúdo de áudio de discos compactos (CDs). Eles fornecem uma maneira simples e confiável de acessar e reproduzir músicas pré-gravadas, efeitos sonoros ou outras faixas de áudio armazenadas em CDs.

        a-sony-cd-player.jpg

       

      Como funcionam os leitores de CD?

       

      Os CD players usam um feixe de laser para ler os dados armazenados em um CD. Quando um CD é inserido no player, o laser varre a superfície reflexiva do disco, detectando mudanças na reflexão causadas por buracos e saliências na superfície do CD. Essas mudanças na reflexão representam os dados de áudio digital codificados no CD. O CD player converte os dados de áudio digital em sinais de áudio analógicos, que são amplificados e enviados para as saídas de áudio para reprodução através de alto-falantes ou fones de ouvido.

       

      Os CD players geralmente têm controles de reprodução, como reproduzir, pausar, parar, pular e selecionar a faixa, permitindo que os usuários naveguem pelo conteúdo de áudio do CD. Alguns CD players também podem oferecer recursos adicionais, como reprodução repetida, reprodução aleatória ou programação de várias faixas em uma ordem específica.

       

      Escolhendo CD Players

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher CD players para seu estúdio de rádio:

       

      1. Qualidade de áudio: Procure CD players que ofereçam desempenho de áudio de alta qualidade. Considere recursos como uma alta relação sinal-ruído, baixa distorção e boa resposta de frequência para garantir uma reprodução de áudio precisa e fiel.
      2. Recursos de reprodução: Avalie os recursos de reprodução oferecidos pelo CD player. Considere os controles e as funcionalidades fornecidas, como reproduzir, pausar, parar, pular, seleção de faixa, reprodução repetida, reprodução aleatória e opções de programação. Escolha um CD player que ofereça os recursos necessários para atender aos requisitos do seu estúdio.
      3. Conectividade: Determine se você precisa de opções de conectividade adicionais no CD player. Procure players com conexões de saída de áudio, como saídas RCA analógicas, saídas de áudio digital (coaxial ou óptica) ou saídas XLR balanceadas, dependendo da configuração do seu estúdio.
      4. Durabilidade e qualidade de construção: Verifique se o CD player foi construído para durar e pode suportar o uso regular. Considere a qualidade de construção, os materiais usados ​​e as avaliações dos usuários para avaliar a durabilidade do player.
      5. Opções de tamanho e montagem: Considere o tamanho e as opções de montagem do CD player. Determine se você precisa de um reprodutor autônomo compacto ou de uma unidade montável em rack que possa ser integrada a uma configuração de estúdio maior.

      Processadores de áudio

      Processadores de áudio são dispositivos eletrônicos ou plug-ins de software projetados para aprimorar, moldar ou modificar sinais de áudio. Eles oferecem várias ferramentas e efeitos que podem melhorar a qualidade do áudio, controlar a dinâmica, reduzir o ruído e equalizar a resposta de frequência. Tipos comuns de processadores de áudio incluem compressores, limitadores e equalizadores.

       

      processador de áudio.jpg

       

      Como funcionam os processadores de áudio?

       

      1. Compressores: Os compressores reduzem a faixa dinâmica de um sinal de áudio atenuando as partes mais altas e aumentando as partes mais suaves. Eles ajudam a controlar o nível geral e suavizar o áudio, tornando-o mais consistente e equilibrado. Os compressores têm controles para limite, proporção, tempo de ataque, tempo de liberação e ganho de composição.
      2. Limitadores: Os limitadores são semelhantes aos compressores, mas são projetados para evitar que o sinal de áudio exceda um determinado nível, conhecido como "teto" ou "limiar". Eles garantem que o áudio não seja distorcido ou cortado, reduzindo rapidamente o ganho do sinal sempre que exceder o limite definido.
      3. Equalizadores: Os equalizadores permitem um controle preciso sobre a resposta de frequência de um sinal de áudio. Eles permitem aumentar ou reduzir faixas de frequência específicas para corrigir desequilíbrios tonais ou aprimorar certos elementos do áudio. Os equalizadores podem ser gráficos, paramétricos ou shelving, oferecendo controles para bandas de frequência, ganho e fator Q (largura de banda).

       

      Esses processadores de áudio podem ser usados ​​individualmente ou em combinação para obter as características de áudio desejadas, como melhorar a clareza, controlar a dinâmica, reduzir o ruído de fundo ou criar equilíbrio tonal.

       

      Escolhendo processadores de áudio

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher processadores de áudio:

       

      1. Funcionalidade: Avalie a funcionalidade e os recursos dos processadores de áudio. Procure processadores que ofereçam as ferramentas e efeitos específicos de que você precisa, como compressores, limitadores, equalizadores, de-essers, noise gates ou unidades de multiefeitos. Considere se os processadores fornecem os parâmetros de controle necessários e a flexibilidade para seus requisitos de processamento de áudio.
      2. Qualidade de áudio: Avalie a qualidade de áudio fornecida pelos processadores. Procure processadores que ofereçam processamento de sinal transparente e preciso, minimizando distorções ou artefatos.
      3. Flexibilidade e Controle: Considere as opções de flexibilidade e controle oferecidas pelos processadores. Procure processadores com parâmetros ajustáveis, como limite, proporção, tempo de ataque, tempo de liberação, ganho, bandas de frequência e fator Q. Certifique-se de que os processadores permitem um controle preciso sobre o processamento de áudio para corresponder ao resultado desejado.
      4. Compatibilidade: Verifique se os processadores são compatíveis com sua configuração de estúdio existente. Considere se eles podem ser integrados à sua cadeia de sinal, seja como unidades de hardware ou plug-ins de software. Garanta a compatibilidade com sua interface de áudio, DAW ou outro hardware de estúdio.

      Telefone híbrido

      Um híbrido de telefone, também conhecido como interface de telefone ou acoplador de telefone, é um dispositivo usado em estúdios de rádio para incorporar chamadas telefônicas em uma transmissão ao vivo. Ele fornece um meio de conectar linhas telefônicas ao sistema de áudio, permitindo que os hosts conduzam entrevistas com convidados remotos ou se envolvam com os ouvintes por meio de segmentos de chamada.

       

      telefone híbrido.jpg

       

      Como funciona um telefone híbrido?

       

      Um telefone híbrido funciona separando os sinais de áudio do host e do chamador e misturando-os de forma a minimizar o eco e o feedback. Quando uma chamada telefônica é recebida, a unidade híbrida isola os sinais de áudio do host e do chamador, aplicando uma técnica de mix-minus. O feed mix-minus fornece ao chamador o áudio do host sem a própria voz do chamador, evitando feedback de áudio.

       

      Os híbridos de telefone geralmente incorporam recursos adicionais, como redução de ruído, ajustes de EQ e controle de ganho para otimizar a qualidade do áudio e garantir uma comunicação clara durante a transmissão. Eles também podem oferecer opções para triagem de chamadas, silenciamento e controle de níveis de áudio.

       

      Escolhendo um telefone híbrido

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher um telefone híbrido:

       

      1. Qualidade de áudio: Avalie a qualidade de áudio fornecida pelo telefone híbrido. Procure unidades que ofereçam áudio claro e com som natural, minimizando ruído, distorção e eco. Considere recursos como redução de ruído e ajustes de EQ para melhorar a clareza do áudio da chamada telefônica.
      2. Compatibilidade: Certifique-se de que o telefone híbrido seja compatível com seu sistema telefônico e equipamento de estúdio. Verifique se ele oferece suporte a linhas telefônicas analógicas, sistemas de telefonia digital ou conexões de Voz sobre IP (VoIP). Verifique a compatibilidade com seu mixer de áudio, interface de áudio ou outro hardware de estúdio.
      3. Opções de conectividade: Determine as opções de conectividade oferecidas pelo telefone híbrido. Procure unidades com conexões de entrada e saída apropriadas para integração com seu sistema de áudio. Considere se você precisa de conexões analógicas XLR, TRS ou digitais AES/EBU.
      4. Recursos e controles: Avalie os recursos e controles adicionais fornecidos pelo telefone híbrido. Procure unidades com recursos de redução de ruído, EQ ajustável, controle de ganho, triagem de chamadas e opções de silenciamento. Considere se a unidade oferece recursos que atendem às suas necessidades específicas de transmissão.
      5. Facilidade de uso: Considere a interface do usuário e a facilidade de uso. Procure híbridos de telefone com controles intuitivos e indicadores claros para níveis de áudio e status de chamada. Certifique-se de que a unidade seja fácil de usar e simples de operar durante as transmissões ao vivo.

      Materiais de insonorização

      Os materiais de insonorização são produtos especialmente concebidos para ajudar a reduzir a transmissão das ondas sonoras. Eles são usados ​​para criar uma barreira acústica e minimizar a entrada de ruído externo em um espaço, além de controlar o eco e a reverberação dentro do estúdio.

       

      materiais de isolamento acústico.jpg

       

      Como funcionam os materiais de isolamento acústico?

       

      Materiais de isolamento acústico funcionam absorvendo, bloqueando ou difundindo ondas sonoras. Aqui estão diferentes tipos de materiais de isolamento acústico e suas funcionalidades:

       

      • Painéis Acústicos: Esses painéis são feitos de materiais como espuma, fibra de vidro envolta em tecido ou madeira perfurada. Eles absorvem as ondas sonoras, reduzindo o eco e a reverberação dentro do estúdio.
      • Isolamento acústico: Materiais de isolamento especializados, como lã mineral ou espuma acústica, são instalados nas paredes, pisos e tetos para reduzir a transmissão de som de fora do estúdio.
      • Vinil carregado em massa (MLV): O MLV é um material denso e flexível que pode ser instalado como barreira em paredes, pisos ou tetos para bloquear a transmissão do som. Isso ajuda a isolar o estúdio de fontes externas de ruído.
      • Cortinas à prova de som: Cortinas pesadas feitas de materiais espessos e absorventes de som podem ser penduradas nas janelas ou usadas como divisórias para reduzir a reflexão do som e bloquear o ruído externo.
      • Armadilhas de graves: As armadilhas de graves são painéis acústicos especializados que visam especificamente a absorção de som de baixa frequência. Eles são colocados em cantos ou outras áreas propensas ao acúmulo de graves.

       

      Esses materiais de isolamento acústico absorvem ou refletem as ondas sonoras, reduzindo sua energia e impedindo que entrem ou saltem pelo estúdio. Ao controlar o ambiente acústico, os materiais de isolamento acústico ajudam a criar um espaço mais silencioso e controlado para gravação e transmissão.

      Escolhendo materiais de isolamento acústico

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher materiais de isolamento acústico:

       

      1. Eficácia: Avalie a eficácia dos materiais de isolamento acústico na redução de ruído e eco. Procure materiais de alta qualidade com desempenho acústico comprovado e classificações adequadas de Coeficiente de Redução de Ruído (NRC) ou Classe de Transmissão de Som (STC).
      2. Instalação e Colocação: Determine como os materiais de isolamento acústico serão instalados e colocados em seu estúdio. Alguns materiais podem exigir instalação profissional, enquanto outros podem ser facilmente instalados por bricolage. Considere a localização, as dimensões e o layout do seu estúdio ao planejar a colocação dos materiais.
      3. Apelo Estético: Considere o apelo estético dos materiais de isolamento acústico. Procure materiais que correspondam ao design e às preferências estéticas do estúdio. Painéis acústicos, por exemplo, vêm em várias cores, formas e desenhos para combinar com a decoração do estúdio.

      Monitores de estúdio

      Os monitores de estúdio, também conhecidos como monitores de referência ou alto-falantes de estúdio, são alto-falantes especializados projetados para reprodução de áudio precisa e transparente. Eles são construídos especificamente para audição crítica em ambientes de gravação, mixagem e masterização. Os monitores de estúdio fornecem uma representação clara e imparcial do áudio que está sendo reproduzido, permitindo que produtores, engenheiros e emissoras façam julgamentos precisos sobre a qualidade do som e façam ajustes precisos em suas produções.

       

      rádio-estúdio-monitor.jpg

       

      Como funcionam os monitores de estúdio?

       

      Os monitores de estúdio funcionam reproduzindo sinais de áudio com distorção e coloração mínimas. Eles são projetados para ter uma resposta de frequência plana, o que significa que reproduzem o som uniformemente em todo o espectro de frequência audível. Essa resposta plana permite que o engenheiro ou produtor de áudio ouça o conteúdo de áudio com a maior precisão possível, sem qualquer ênfase ou atenuação adicional de faixas de frequência específicas.

       

      Os monitores de estúdio geralmente incluem amplificadores integrados que são ajustados especificamente para corresponder aos drivers dos alto-falantes. Esses amplificadores fornecem energia suficiente para reproduzir sinais de áudio com precisão em vários níveis de volume. Alguns monitores de estúdio de última geração também podem apresentar controles adicionais para ajustar a resposta do alto-falante para compensar a acústica da sala.

       

      Escolhendo monitores de estúdio

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher monitores de estúdio:

       

      1. Qualidade de som: Avalie a qualidade do som dos monitores do estúdio. Procure monitores que ofereçam uma resposta de frequência balanceada e precisa, permitindo que você ouça detalhes e nuances de áudio com clareza. Considere monitores com baixa distorção e ampla faixa dinâmica.
      2. Tamanho e configuração do alto-falante: Determine o tamanho e a configuração dos alto-falantes adequados ao seu espaço de estúdio e às suas preferências de audição. Os monitores de estúdio vêm em vários tamanhos, geralmente variando de 5 a 8 polegadas ou mais. Considere se você precisa de um monitor de duas vias (woofer e tweeter) ou um monitor de três vias (woofer, médio alcance e tweeter), dependendo da resposta de frequência desejada e do tamanho da sala.
      3. Ambiente de escuta: Considere as características do seu estúdio. Se sua sala possui tratamento acústico, escolha monitores que funcionem bem naquele ambiente. Se sua sala tiver tratamento acústico limitado, procure monitores que ofereçam controles de compensação de sala para ajudar a mitigar problemas relacionados à sala.
      4. Potência e Amplificação: Verifique as capacidades de potência e amplificação dos monitores de estúdio. Certifique-se de que os monitores tenham potência suficiente para fornecer uma reprodução de som precisa nos níveis de audição desejados. Procure monitores com amplificadores integrados compatíveis com os drivers dos alto-falantes para um desempenho ideal.
      5. Opções de conectividade: Avalie as opções de conectividade fornecidas pelos monitores de estúdio. Procure monitores com várias entradas (XLR, TRS ou RCA) para garantir a compatibilidade com sua interface de áudio ou outro equipamento de estúdio.

      Filtros pop

      Filtros pop, também conhecidos como telas pop ou pára-brisas, são acessórios projetados para minimizar sons plosivos e ruídos respiratórios durante gravações vocais. Eles consistem em uma malha fina ou tecido esticado sobre uma estrutura circular, que é montada em um pescoço de ganso flexível ou em uma braçadeira que se prende a um pedestal de microfone. Os filtros pop são comumente usados ​​em estúdios para obter gravações vocais mais limpas e inteligíveis.

       

      filtros pop.jpg

       

      Como funcionam os filtros pop?

       

      Ao falar ou cantar em um microfone, certos sons como plosivos (como os sons "p" e "b") podem criar uma explosão de ar que causa um som indesejável de estouro. Os filtros pop atuam como uma barreira entre o vocalista e o microfone, interrompendo a força do ar e difundindo os sons plosivos. A malha fina ou tecido do filtro pop ajuda a dispersar o fluxo de ar uniformemente, evitando que ele atinja diretamente o diafragma do microfone e cause os sons de estouro.

       

      Ao reduzir efetivamente os plosivos, os filtros pop melhoram a qualidade geral dos vocais gravados, permitindo um áudio mais claro e com som mais profissional.

       

      Escolhendo Filtros Pop

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher filtros pop:

       

      1. Tamanho e forma: Filtros pop vêm em vários tamanhos e formas. Considere o diâmetro do filtro pop e certifique-se de que seja compatível com o seu microfone. Os tamanhos padrão geralmente têm de 4 a 6 polegadas de diâmetro, mas opções maiores ou menores estão disponíveis com base em suas necessidades específicas.
      2. Material do filtro: Procure filtros pop feitos de materiais de alta qualidade que fornecem transparência de som ideal. Os materiais comuns incluem nylon, metal ou tecido de camada dupla.
      3. Flexibilidade e Ajustabilidade: Considere a flexibilidade e capacidade de ajuste do filtro pop. Procure filtros com goosenecks ajustáveis ​​ou grampos que permitam um posicionamento preciso na frente do microfone. Isso garante o posicionamento ideal para bloquear sons plosivos com eficiência.
      4. Durabilidade: Verifique se o filtro pop é durável e construído para suportar o uso regular. Procure uma construção e materiais robustos que possam suportar os ajustes de posicionamento e o uso repetido sem se desgastar rapidamente.
      5. Compatibilidade: Certifique-se de que o filtro pop seja compatível com o suporte do microfone ou braço boom. Verifique as opções de braçadeira ou montagem que se adequam à sua configuração.

      Suportes de choque

      As montagens de choque são sistemas de suspensão projetados para segurar e isolar um microfone, fornecendo isolamento mecânico de vibrações externas e ruído de manuseio. Eles são comumente usados ​​em estúdios de gravação para garantir gravações de áudio claras e limpas, livres de ruídos indesejados causados ​​por distúrbios físicos.

       

      montagens de choque.jpg

       

      Como funcionam as montagens de choque?

       

      As montagens de choque geralmente consistem em um mecanismo de berço ou suspensão que segura o microfone com segurança, permitindo que ele flutue ou seja suspenso dentro da montagem. Este sistema de suspensão utiliza bandas elásticas ou montagens emborrachadas para absorver e amortecer vibrações e choques que podem ser transmitidos pelo pedestal do microfone ou outras fontes externas.

       

      Quando montado em uma montagem antichoque, o microfone é desacoplado do suporte ou suporte, evitando que vibrações e ruídos de manuseio atinjam os componentes sensíveis do microfone. Esse isolamento ajuda a manter a clareza e a sensibilidade do microfone, resultando em gravações mais limpas sem ruídos indesejados ou distúrbios mecânicos.

       

      Escolhendo montagens de choque

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher montagens de choque:

       

      1. Compatibilidade do microfone: Certifique-se de que a montagem antichoque seja compatível com seu modelo de microfone específico. Procure montagens antichoque projetadas para atender aos requisitos de formato, tamanho e montagem do seu microfone.
      2. Mecanismo de Suspensão: Avalie o mecanismo de suspensão usado no suporte antichoque. Procure projetos que forneçam isolamento eficaz e amortecimento de vibração. Montagens emborrachadas ou faixas elásticas são comumente usadas para essa finalidade.
      3. Adaptabilidade e Flexibilidade: Considere a capacidade de ajuste e a flexibilidade do suporte antichoque. Procure montagens com ângulos ajustáveis, altura ou capacidade de rotação para garantir o posicionamento ideal do microfone.
      4. Durabilidade e Construção: Verifique se o suporte antichoque foi construído para durar e pode suportar o uso regular. Procure uma construção robusta e materiais de alta qualidade que possam efetivamente absorver vibrações e lidar com o peso do microfone.
      5. Opções de montagem: Determine as opções de montagem fornecidas pelo suporte antichoque. Procure suportes compatíveis com vários suportes de microfone, braços boom ou sistemas de suspensão que você já tenha ou pretenda usar.

       

      Ao considerar esses fatores, você pode escolher uma montagem de choque que efetivamente isola seu microfone de vibrações e ruídos de manipulação, resultando em gravações de áudio mais limpas e profissionais em seu estúdio de rádio.

      Gerenciamento de cabos

      O gerenciamento de cabos refere-se ao processo de organização, proteção e roteamento de cabos de maneira sistemática e eficiente. Envolve o uso de ferramentas e acessórios para evitar que os cabos se enrolem, se tornem um risco à segurança ou causem interferência em outros equipamentos. O gerenciamento de cabos garante uma aparência limpa e profissional, melhorando a funcionalidade e a longevidade dos cabos.

       

      kit de gerenciamento de cabos de estúdio de rádio.jpg

       

      Como funciona o gerenciamento de cabos?

       

      Ferramentas e acessórios de gerenciamento de cabos fornecem vários métodos para organizar e prender os cabos. Aqui estão alguns comuns:

       

      • Bandejas de cabos: As bandejas de cabos são bandejas rígidas ou flexíveis que mantêm vários cabos juntos em uma fileira. Eles são normalmente montados sob mesas, ao longo de paredes ou em racks de servidores. As bandejas de cabos ajudam a direcionar e gerenciar os cabos, mantendo-os organizados e evitando que se enrolem ou se danifiquem.
      • Abraçadeiras: As abraçadeiras, também conhecidas como abraçadeiras ou envoltórios de cabo, são abraçadeiras de plástico ou nylon duráveis ​​usadas para agrupar e prender os cabos. Eles estão disponíveis em vários comprimentos e podem ser facilmente apertados e soltos. As abraçadeiras ajudam a manter os cabos bem agrupados e evitam que fiquem emaranhados ou criem um risco de tropeçar.
      • Clipes de cabo: Os clipes de cabo são clipes com adesivo que se prendem a superfícies, como paredes ou mesas, e mantêm os cabos no lugar. Eles ajudam a rotear e proteger os cabos ao longo de um caminho desejado, mantendo-os organizados e evitando que fiquem emaranhados ou soltos.
      • Mangas de cabo: As mangas de cabo são tubos flexíveis ou envoltórios que envolvem vários cabos, criando um feixe único e organizado. Eles ajudam a proteger os cabos contra abrasão, poeira e danos, proporcionando uma aparência simplificada.
      • Canais de gerenciamento de cabos: Os canais de gerenciamento de cabos, também conhecidos como pistas ou conduítes, são canais fechados que retêm e direcionam os cabos. Eles geralmente são montados em paredes ou tetos, proporcionando um caminho limpo e organizado para os cabos.

       

      Escolhendo ferramentas de gerenciamento de cabos

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher ferramentas de gerenciamento de cabos:

       

      1. Número e tipos de cabos: Avalie o número e os tipos de cabos que você precisa gerenciar. Determine se você precisa de ferramentas de gerenciamento para cabos de alimentação, cabos de áudio, cabos de dados ou uma combinação deles. Escolha ferramentas que possam acomodar os cabos específicos com os quais você está trabalhando.
      2. Instalação e montagem: Determine as opções de montagem e métodos de instalação para as ferramentas de gerenciamento de cabos. Considere se você precisa de ferramentas que possam ser aparafusadas, fixadas com adesivo ou montadas de uma maneira específica para se adequar à configuração do seu estúdio.
      3. Flexibilidade e Expansão: Considere a flexibilidade e capacidade de expansão das ferramentas de gerenciamento de cabos. Procure ferramentas que permitam fácil adição ou remoção de cabos, bem como ajustes no roteamento ou comprimento dos cabos à medida que a configuração do seu estúdio evolui.
      4. Durabilidade e Estética: Verifique se as ferramentas de gerenciamento de cabos são duráveis ​​e oferecem uma aparência limpa e profissional. Considere os materiais de construção, acabamentos e estética geral das ferramentas para garantir que correspondam aos requisitos visuais do seu estúdio.

      Mesas de transmissão

      Mesas de transmissão, também conhecidas como mesas de rádio ou consoles de estúdio, são peças de mobiliário projetadas para otimizar o espaço de trabalho para DJs, apresentadores ou produtores de rádio. Essas mesas são especificamente adaptadas para acomodar equipamentos de áudio, monitores de computador, mixers, microfones, monitores e outras ferramentas essenciais necessárias para a transmissão. Eles fornecem um espaço de trabalho dedicado e organizado, permitindo que as emissoras acessem e controlem confortavelmente seus equipamentos, proporcionando uma experiência no ar suave e eficiente.

       

      mesas de transmissão.jpg  

      Como funciona

       

      As mesas de transmissão são projetadas tendo em mente o fluxo de trabalho e os requisitos dos profissionais de rádio. Eles normalmente apresentam um layout espaçoso e ergonômico, proporcionando amplo espaço de trabalho para colocação de equipamentos e permitindo fácil acesso a todos os controles e dispositivos necessários. Aqui estão alguns dos principais recursos e funcionalidades das mesas de transmissão:

       

      • Colocação do equipamento: As mesas de transmissão oferecem compartimentos, prateleiras ou espaço em rack específicos para acomodar diferentes equipamentos de áudio, como interfaces de áudio, mixers, CD players, roteadores, painéis de conexão e muito mais. Essas áreas de armazenamento estão estrategicamente posicionadas para facilitar o acesso e otimizar o gerenciamento de cabos.
      • Design ergonômico: Mesas Broadcast priorizam a ergonomia para garantir uma postura de trabalho confortável e saudável. Eles são construídos em uma altura apropriada, permitindo que DJs ou hosts alcancem confortavelmente seus equipamentos e minimizem a tensão nas costas, braços e pescoço. Algumas mesas também incorporam recursos ajustáveis, como superfícies com altura ajustável ou suportes de monitor, para personalizar a estação de trabalho de acordo com as preferências individuais.
      • Gerenciamento de cabos: As mesas de transmissão geralmente apresentam sistemas de gerenciamento de cabos integrados ou compartimentos para rotear e ocultar os cabos, mantendo o espaço de trabalho organizado e livre de emaranhados. Essas soluções de gerenciamento de cabos ajudam a manter um ambiente organizado e facilitam a manutenção do equipamento.
      • Considerações acústicas: Algumas mesas de transmissão incorporam tratamentos acústicos ou materiais para reduzir a reflexão do som e minimizar ressonâncias indesejadas. Esses recursos contribuem para uma melhor qualidade de áudio, reduzindo o eco ou a reverberação no ambiente do estúdio.

       

      Escolhendo mesas de transmissão

       

      Considere os seguintes fatores ao escolher mesas de transmissão:

       

      1. Requisitos de espaço de trabalho e equipamentos: Avalie o espaço disponível em seu estúdio de rádio e os equipamentos necessários para acomodar na mesa. Considere as dimensões e o layout da mesa, garantindo que ela possa acomodar confortavelmente todos os seus equipamentos essenciais e fornecer amplo espaço de trabalho para suas tarefas.
      2. Ergonomia e conforto: Priorize mesas que ofereçam elementos de design ergonômico, como altura ajustável, suportes para monitores e espaço adequado para as pernas. Certifique-se de que a mesa permite o alinhamento adequado do corpo e minimiza a tensão durante longas sessões de transmissão.
      3. Armazenamento e gerenciamento de cabos: Procure mesas com compartimentos de armazenamento, prateleiras ou racks suficientes para organizar e armazenar seu equipamento. Considere os recursos integrados de gerenciamento de cabos para manter os cabos organizados e minimizar o emaranhamento ou a interferência.
      4. Design e estética: escolha uma mesa que se alinhe com a estética de design do seu estúdio e melhore o apelo visual geral. Considere o material de construção, acabamentos, opções de cores e quaisquer recursos personalizáveis ​​disponíveis.
      5. Qualidade de construção e durabilidade: verifique a qualidade de construção e durabilidade da mesa. Procure mesas feitas de materiais resistentes que aguentem o peso do seu equipamento e ofereçam desempenho duradouro.

        Equipamento de processamento de áudio

        Na parte de processamento de sinais de áudio, 9 equipamentos estão incluídos, e eles são (clique para visitar):

         

        1. Receptor de transmissão de satélite
        2. Comutador de áudio estéreo
        3. Processador de áudio de transmissão
        4. Condicionador de energia CA para rack
        5. Fones de ouvido do monitor
        6. Rack de monitor de áudio
        7. Sintonizador FM digital
        8. Alarme de falha de áudio
        9. Fonte de alimentação UPS

         

        A excelente qualidade de som de transmissão é sempre o principal objetivo perseguido pelos entusiastas do rádio, que também é o primeiro objetivo perseguido por muitos operadores de rádio. De fato, se você deseja buscar uma qualidade de som perfeita, alguns equipamentos importantes são essenciais, como um processador de áudio de alto desempenho da FMUSER pode ajudá-lo a evitar efetivamente a influência de muito ruído (embora o preço seja mais caro), mas é uma das soluções eficazes. Claro, como diz Ray: "um único fio não pode fazer um cordão, nem uma única árvore uma floresta". Que outros equipamentos/dispositivos de transmissão você precisa adicionar além de um processador de áudio de alto custo-benefício? Vamos ver o que o Fmuser tem!

        1. Receptor de transmissão via satélite

         


         

        como funciona Receptor de transmissão de satélite funciona?

        O receptor de satélite é usado para receber o programa de áudio do satélite e inseri-lo no Transmissor de transmissão FM. E a fonte do sinal na sala do rack é equivalente à fonte do programa transmitido pelo satélite. A TV por satélite é uma forma do programa de TV. Ele pode transmitir um sinal sem fio para TV global através da rede de satélites de comunicação, sinais de rádio, FMUSER ao ar livre antenas transmissoras, e centros de transmissão. A fonte do programa envia o sinal para a Central de Transmissão do provedor de serviços. O receptor de TV via satélite é o equipamento para receber e descriptografar esses programas.

         

        Existem quatro tipos comuns de receptores de satélite

         

        • Receptor HD
        • Receptor geral
        • Receptor digital com gravador
        • Receptor de canal criptografado

         

        Dicas de Ray - A TV por satélite usa uma antena especial, geralmente chamada de antena de satélite.

         

        Sua marca Receptor de transmissão de satélite é importante?

        A maioria deles é usada para retransmitir programas de satélite gratuitos porque é muito caro alugar satélites para transmitir seus próprios programas, como pesquisa FmuserRay, o modelo de utilidade se refere a um amplificador de frequência de áudio o circuito, um circuito de identificação e demodulação monofásico, um circuito de controle de amplificador de frequência de áudio e um circuito de identificação e demodulação multifásico. Depois de demodular o sinal de modulação de áudio e entrada de sinal de modulação de código de gerenciamento fmuser.-net por uma fonte de sinal de transmissão a cabo fmuser.-net, um canal emite um código de gerenciamento, um canal emite um código de controle através do microprocessador, o outro canal emite um áudio sinal, e o código de controle de saída controla a seleção do sinal de áudio. Realize o controle funcional e o gerenciamento do receptor, para que a transmissão de áudio por cabo possa obter serviços multifuncionais, multicanais e de alta qualidade.

         

        Dicas de Ray - O receptor de áudio de satélite é especialmente projetado para distribuir programas de áudio por satélite para um rede de rádio, que é a parte mais importante do aplicativo de distribuição de rádio

        2. Comutador de áudio estéreo

         


         

        como funciona Comutador de áudio estéreo funciona?

        O switcher de áudio é usado para detectar o status de áudio de cada canal circularmente. Ao mudar, não há canal de áudio para pular automaticamente fmuser.-net e o tempo de atraso de comutação é opcional. Os usuários podem definir diferentes durações de tempo de atraso de comutação no painel frontal de acordo com suas próprias necessidades, o que fornece uma garantia eficaz para a transmissão segura de áudio. O switcher de áudio pode transmitir um sinal de entrada de áudio multicanal para a porta de saída. No caso do sinal de entrada multicanal, ele pode alternar qualquer sinal de entrada para a porta de saída.

         

        Dicas do fmuser-ray - Normalmente, o switcher de áudio pode completar qualquer comutação de 1 ~ 16 entradas e 1 ~ 16 saídas. Tem um função de controle remoto infravermelho e função de controle de comunicação do terminal RS232. Ele pode pré-adicionar a interface de barramento RS485 e os usuários podem facilmente concluir a comutação de sinal no processo de demonstração.

         

        Sua marca Comutador de áudio estéreo é importante?

         

        O switcher de áudio pode transmitir vários sinais de entrada de áudio para a porta de saída. No caso de vários sinais de entrada, qualquer sinal de entrada pode ser comutado para a porta de saída. Esses comutadores de áudio analógico e digital (alguns com vídeo) permitem que você conecte as entradas de áudio analógico e / ou digital esquerda e direita a uma ou mais saídas. Dicas do usuário de FM - Quando a entrada é limitada, eles permitem uma comutação simples, em vez de desconectar e reconectar o cabo. De acordo com as necessidades de diferentes setores, o switcher de áudio não tem apenas uma interface RCA que suporta um sinal de áudio não balanceado, mas também uma interface XLR de áudio balanceada profissional. www.fmuser.-net O switcher de áudio é um equipamento de switch de matriz inteligente de alto desempenho especialmente projetado para comutação de exibição de sinal de áudio fmuser.-net. O switcher de áudio estéreo é amplamente utilizado em engenharia de voz, ensino audiovisual, centro de comando e controle, sala de conferência multimídia e outras ocasiões para completar a comutação de sinal de áudio.

        3. Processador de áudio de transmissão


        como funciona Processador de áudio de transmissão funciona?

         

        A processador de áudio pode processar o sinal de áudio recebido do receptor de satélite. Transmitir processadores de áudio contêm compressores/limitadores multibanda especiais. O Processador de Áudio será o último equipamento usado antes que os sinais de áudio sejam transmitidos. Um processador de áudio, também conhecido como processador digital, é um tipo de dispositivo para obter um efeito de processamento de sinal digital de áudio multifuncional. Como FMuserray considera: Freqüentemente, usamos dispositivos de processamento de áudio quando usamos muitos dispositivos eletrônicos grandes. www-fmuser-net Pode ajudar-nos a controlar a música ou a fazer partituras, a produzir diferentes efeitos sonoros em diferentes cenas, a aumentar o choque da música ou a fazer partituras e, ao mesmo tempo, a melhorar a qualidade da música O suficiente para controlar muito de funções de áudio no local. A estrutura interna do processador de áudio é geralmente composta de partes de entrada e partes de saída. Suas funções internas são mais completas, algumas com módulos de processamento de programação de arrastar e soltar, que podem ser construídos pelos usuários livremente, fmuser.-net.

         

        Em geral, a arquitetura interna de um processador digital é geralmente composta por uma porta de entrada e uma parte de saída. As funções da parte de processamento de áudio são geralmente as seguintes: a parte de entrada geralmente inclui controle de ganho de entrada (ganho de entrada), equalização de entrada (vários segmentos de equalização de parâmetro), EQ de entrada e assim por diante, atraso de entrada, polaridade de entrada, etc. fmuser.-net. A parte de saída geralmente tem várias funções comuns, como distribuição de entrada de sinal, roteamento (redondo), filtro passa-alta (HPF), filtro passa-baixa (LPF), equalizador (EQ de saída), polaridade, ganho, atraso, nível de início do limitador ( limite).

        Os processadores de áudio comuns podem ser divididos em 4 tipos:

         

        • Processador de alto-falante simples

        É usado para conectar o mixer ao amplificador de potência em vez de equipamento periférico analógico para processamento de sinal.

        • O processador de áudio digital multifuncional de 8 entradas e 8 saídas

        Ele pode substituir o sistema analógico composto pelo pequeno mixer e equipamento periférico no sistema de conferência. Possui interface de rede e pode ser conectado ao computador via Ethernet para programação e controle online em tempo real.vá agora

        • Processador de áudio digital com função de transmissão de áudio em rede

        É semelhante às duas funções acima, mas a função de transmissão de áudio da rede é adicionada (CobraNet geralmente é compatível), que pode transmitir dados de áudio entre si em uma LAN.

        • Matriz de processamento

        Esse tipo de processador é um host extremamente poderoso, normalmente usado em grandes sistemas de transmissão ou centros de conferência. Grandes matrizes de processamento são centralizadas em uma sala de computadores, e o controle de processamento de todas as salas é concluído pela máquina na sala de computadores principal. Portanto, fmuser.-net, não importa se uma ou mais salas são usadas, o processador na sala do computador principal deve ser ligado a qualquer momento fmuser.-net. Este tipo de rede de áudio é baseado em CobraNet ou outros protocolos de Gigabit Ethernet e suporta transmissão e controle em tempo real.

         

        Sua marca Processador de áudio de transmissão é importante?

         

        No nível mais simples, o DSP pode ser considerado um controle de tom bonito e extremamente preciso. Quando você combina o processador do fmuser com a função de medição do analisador em tempo real, o equilíbrio do tom e a precisão do sistema de áudio podem ser bastante aprimorados por técnicos devidamente treinados. Em vez de ouvir gravações, a voz de humanos e instrumentos musicais soam mais como uma performance no local. Técnicos especializados podem usar a equalização estéreo para melhorar os recursos de encenação e imagem do seu sistema de som, o que pode ajudar a melhorar ainda mais a autenticidade da experiência de audição.

         

        FM A tecnologia de processamento de áudio baseia-se na ideia de que pode concretizar este benefício ao mesmo tempo que dá ao público qualquer ilusão de mudança. O processamento de áudio bem-sucedido executa as modificações elétricas necessárias ao mesmo tempo em que apresenta um resultado subjetivo natural e realista.

         

        U Por exemplo, a redução da faixa dinâmica causada pelo processamento torna a escuta em ambientes ruidosos (especialmente carros) muito mais difícil. Na música com uma ampla faixa dinâmica, a música suave freqüentemente desaparece completamente sob o efeito do ruído de fundo. Poucos ouvintes ouvem música em um ambiente completamente silencioso. Se você aumentar o volume, os canais maiores podem ser desconfortáveis ​​mais tarde. Em carros, a faixa dinâmica não pode exceder 20 dB sem causar esses problemas. O processamento de áudio competente pode reduzir a faixa dinâmica do programa sem efeitos colaterais adversos.

         

        Além disso, os materiais do programa de transmissão geralmente vêm de uma variedade de fontes que mudam rapidamente, a maioria das quais é feita sem considerar outros equilíbrios de espectro. Se o limite multibanda for usado corretamente, a interferência entre as fontes pode ser consistente automaticamente. FM-user-Ray sabe que, assim como os filmes longos são feitos para manter uma aparência consistente, as restrições e consistência multibanda são essenciais para estações que desejam desenvolver assinaturas de áudio exclusivas e fortes personalidades positivas. No final das contas, tudo tem a ver com a experiência do público.

         

        E Além disso, a maioria dos países tem pouca tolerância para sobre-modulação, então os limites de pico devem ser aplicados para sinais enviados para ondas públicas regulamentadas.

         

        R O desempenho do processador deve ser julgado com base em muitos tipos diferentes de dados de programa usados ​​em um determinado formato e, finalmente, o processador deve ser julgado com base em sua capacidade de atrair e manter o público-alvo de uma determinada emissora. A escuta de longo prazo é insubstituível, diz Ray.

         

        Em resumo, os benefícios do uso de processadores de áudio digital são:

         

        • Removendo a equalização no áudio

        Ele pode remover o equilíbrio adicionado à sua música. As montadoras precisam gastar um centavo na fabricação de carros, diz Ray, então não usam alto-falantes de alta qualidade, eles usam alto-falantes baratos e adicionam equalizadores para fazer com que soem melhor. Isso equilibra a "descoloração do som" quando você adiciona alto-falantes atualizados, o que reduz o som que você ouve.

        • Somando Seu Áudio

        Muitos sistemas de áudio avançados de fábrica dividem os sinais de música em diferentes tamanhos de alto-falantes. Como você deseja que os novos alto-falantes funcionem com o melhor desempenho, o processador agrega os sinais em um único canal de frequência total. Agora, o instalador pode escolher a frequência musical que melhor se adapta a ele, diz Ray.

        • Aprimorando a experiência auditiva

        A latência digital foi adicionada à sua música. Você já percebeu que sua voz parece ter saído da porta mais próxima de você? O processador nos permite atrasar a chegada do som de cada alto-falante. Agora, tudo isso está chegando aos seus ouvidos ao mesmo tempo. Isso permitirá que sua voz apareça à sua frente, com efeitos de palco e imagem comparáveis ​​a shows de jazz intimistas ou apresentações acústicas fmuser.-net.

        • Melhorar a qualidade do som e a qualidade da saída

        O equalizador cuidadosamente elaborado nos permite ajustar individualmente cada caixa acústica em seu novo sistema para maximizar a qualidade de som e a saída. Resumindo, podemos simplesmente dizer que um sistema de transmissão cuidadosamente projetado e construído com o processador devidamente ajustado pode trazer uma melhoria de qualidade de som de 100% ou mais.

        4. Condicionador de energia CA para rack

         


         

        como funciona Condicionador de energia CA para rack funciona?

         

        O condicionador de energia, também conhecido como condicionador de linha, pode proteger o equipamento contra sobretensão. É usado para proteger cargas sensíveis, eliminando flutuações de tensão, como picos, transientes e ruído elétrico. O condicionador de energia atua como um buffer entre o soquete e o sistema para eliminar flutuações de tensão e rádio e fmuser.-net de interferência eletromagnética que podem afetar o desempenho do sistema, diz Ray. Um condicionador de energia é frequentemente usado na produção industrial e pesquisa de laboratório, e também é muito comum em aplicações eletrônicas domésticas, como equipamentos de áudio. Os condicionadores de energia podem ser eletrônicos ou baseados em transformador, o que ajuda a corrigir a distorção da tensão e da forma de onda e eliminar o ruído elétrico externo (ou seja, interferência de frequência e eletromagnética) causado por equipamentos de rádio e motores. Ao contrário dos protetores contra surtos, os protetores contra surtos protegem os dispositivos contra picos de tensão, no entanto, surtos e picos ainda afetam alguns dispositivos eletrônicos sensíveis. Interferência de radiofrequência (RFI), interferência eletromagnética (EMI) e flutuação de tensão também podem afetar o som e reduzir a qualidade do som e da imagem do equipamento. Por exemplo, quando um músico ouve um zumbido de seu amplificador de guitarra e seu condicionador de energia pode removê-lo imediatamente, o fmuser.-net afirma ser a prova de seu condicionador de energia mágico. O único problema é que o zumbido geralmente é causado por um loop de terra, e o condicionador de energia não tem nada a ver com isso. Um protetor contra surtos pode prevenir efetivamente os danos causados ​​por picos de tensão. No entanto, surtos e picos não afetarão apenas alguns dispositivos eletrônicos sensíveis. A interferência de radiofrequência (RFI), a interferência eletromagnética (EMI) e as flutuações de voltagem também podem afetar o som, o entretenimento e os equipamentos de escritório, reduzindo assim a qualidade do som e da imagem.

         

        Sua marca Condicionador de energia CA para rack é importante?

         

        O condicionador de energia CA pode proteger o equipamento do sistema de áudio e vídeo de alto desempenho e tem até 10 ou mais soquetes. O condicionador de energia CA é um condicionador de energia típico, que pode fornecer uma fonte de alimentação CA "limpa", proteção contra sobretensão e filtragem de ruído, e evitar danos ao equipamento causados ​​por raios, sobretensões e outros problemas. O condicionador de energia CA é especialmente adequado para aplicações onde você precisa usar uma fonte de alimentação barulhenta, como aplicações domésticas e de escritório. Algumas unidades possuem um AVR (receptor de áudio e vídeo) embutido para compensar a flutuação de voltagem. Mas, na verdade, o UPS (fonte de alimentação ininterrupta) tem seu próprio inversor e bateria, que podem ser usados ​​para compensar a fonte de alimentação de entrada de baixa ou alta tensão, fmuser.-net e fornecer filtragem de energia e proteção de energia. Seu desempenho é melhor do que o do condicionador de energia CA. Como diz Ray, quando a filtragem da fonte de alimentação não está disponível, o no-break deve ser a primeira escolha para servidor e equipamento de rede.

         

        As vantagens da regulação de energia incluem:

         

        • Proteção de equipamento

        A proteção contra surtos de tensão por meio de um fio, linha telefônica, entrada coaxial de TV e conexão LAN pode levar à degradação do desempenho do sistema ou falha do sistema.

        • Eliminação de ruído

        Estações de rádio e televisão, dispositivos móveis, motores elétricos causam ruído nos fios - mesmo equipamentos de alta corrente (vácuo, geladeira) podem produzir ruído.

        • Correção de flutuação de tensão e distorção da forma de onda.

         

        Tipos e limitações de condicionadores de energia:

         

        • Filtro passivo

        Este é o tipo mais barato de condicionador de energia que divide o componente de ruído de alta frequência - aterrado por meio de um capacitor. Eles fornecem funções básicas de redução de ruído.

        • Transformador de equilíbrio

        Este tipo de condicionador de energia tem uma função de redução de ruído melhor do que o modelo indutor-capacitor passivo (acima). É caracterizado por um transformador de equilíbrio de isolamento, que pode equilibrar a fonte de alimentação CA e produzir um efeito de redução de ruído mais adequado para componentes de áudio e vídeo. Comparados com filtros passivos, eles são muito mais caros, maiores, mais pesados ​​e barulhentos, e sua saída de energia é limitada devido ao efeito de amortecimento do transformador de equilíbrio.

        • Regeneração AC

        O ar condicionado regenerativo AC emitirá muito calor quando estiver funcionando, mas o preço é mais alto, mas pode resolver melhor os problemas relacionados ao ruído no espectro de frequência de áudio e vídeo. Seu princípio de funcionamento é semelhante ao de um gerador, que é usado para ajustar a tensão CA, corrigir a simetria da forma de onda (distorção), e reduzir ou eliminar o ruído harmônico de baixa ordem (devido à carga desequilibrada na linha CA), ruído uniforme ou limitado gerado pelos vizinhos de sua casa, esses são o centro dos problemas conhecidos. Esses reguladores de última geração usam circuitos de estabilização automática de voltagem e transformadores variáveis ​​controlados por microprocessador para fornecer uma voltagem CA completamente nova para o seu sistema de entretenimento, sem oscilações ou picos induzidos por ruído.

        6. Monitor de áudio de rack

         


         

        como funciona Rack de monitor de áudio funciona?

         

        O monitor de áudio é um tipo de equipamento ativo, equipado com alto-falantes, pode maximizar a potência de saída, painel digital frontal, pode ser operado com mais facilidade. Também é usado para monitorar se o programa de áudio de entrada está correto e para monitorar a qualidade do áudio antes de ser finalmente transmitido ao transmissor de transmissão FM. 

         

        Sua marca Rack de monitor de áudio é importante?

         

        O monitor de áudio é freqüentemente usado para monitorar o som de qualquer saída de nível de linha estéreo, para garantir o controle da música de fundo ao ar livre e controle estrito do sistema de paging. Monitores de áudio gerais nos Estados Unidos são equipados com capacitores de acoplamento DC em cada entrada para manter a integridade do sinal sem distorção, ruído ou loops de aterramento (sem um transformador). O design do rack permite que monitores de áudio montados em rack sejam instalados em aplicações muito compactas, o que reduz o uso de espaços internos.

         

        Essas unidades são ideais para uso em suportes VTR, veículos de produção móvel, dispositivos de teleconferência, sistemas multimídia, links de satélite, instalações de TV a cabo e estações de rádio.

         

        Essas unidades são ideais para uso em ambientes de espaço crítico, como instalações de TV, estúdios, suportes VTR, veículos de produção móvel, links de satélite e virtualmente qualquer ambiente montado em rack que requeira monitoramento de áudio multicanal.

        7. Sintonizador FM Digital Rack


         

        como funciona Sintonizador FM digital funciona?

         

        O sintonizador é usado para receber sinais de RF e convertê-los para uma frequência intermediária modulada mais baixa (IF) ou converter posteriormente para banda base não modulada.É um dispositivo que recebe transmissão de radiofrequência (RF), como transmissão de rádio, e converte a frequência da portadora selecionada e sua largura de banda associada em uma frequência fixa adequada para processamento posterior. As estações transmissoras e os receptores de rádio recebem sinais minúsculos. Em seguida, é convertido em if por meio do sintonizador. Também pode ser convertido por síntese direta. Em seguida, o sinal de RF é levado ao detector, que adquire o sinal de RF e o leva para a frequência de áudio. O amplificador de áudio então amplifica o sinal para reprodução por meio de fones de ouvido ou alto-falantes. O sintonizador seleciona a frequência de ressonância mudando a quantidade de corrente que flui através dele (ou algo parecido). Sua função é separar um fmuser.-net de onda senoidal de milhares de sinais de rádio recebidos pela antena. Neste caso, o sintonizador será ajustado para receber um sinal de 680000 Hz. O princípio de funcionamento do afinador é a ressonância. Em outras palavras, diz Ray, o sintonizador ressoa e amplifica em uma frequência específica, ignorando todas as outras frequências no ar.

         

        Os sintonizadores basicamente pegam uma onda de referência e a comparam com a que a antena capta, e existem vários tipos de sintonizadores:

         

        • AM
        • FM
        • TV analógica -NTSC
        • TV analógica - PAL
        • Digital

         

        Sua marca Sintonizador FM digital é importante?

         

        O sintonizador FM pode receber sinais FM de outras estações e inseri-los no transmissor. Ele pode transmitir programas de outras rádios. Nos primeiros dias da transmissão, a ressonância da antena e suas características relacionadas de indutância e capacitância eram realmente os itens para "discar" a frequência que você deseja ouvir. Na verdade, você não altera o comprimento da antena, mas pode ajustar a ressonância alterando o indutor (bobina) ou o capacitor conectado à antena. O sinal de saída é uma tensão CA e, ao retificá-lo com um diodo (então chamado de "cristal"), você pode extrair o sinal modulado como uma mudança de amplitude da portadora. Como considera o FMUSER-Ray, tudo isso sem baterias! 

         

        FM- Mas, na verdade, a antena de um rádio moderno comum não é um componente que "se conecta" à frequência de transmissão selecionada. É verdade que o circuito da antena deve ressoar na banda em que você está interessado, fmuser.-net, mas então o sinal de banda larga é misturado com o sinal senoidal gerado internamente no rádio no componente analógico, que subtrai a frequência e faz o resto possível. O rádio opera em uma banda de freqüência muito fácil de manusear (chamada de if). No mixer, você pode ajustar o efeito de recepção no moderno receptor de rádio super-heteródino. É muito mais fácil sintetizar a freqüência de sintonia precisa do que alterar a ressonância do circuito da antena.

         

        Usuário - O resto não é física real, mas a diferença entre o rádio analógico e o rádio digital está no circuito. Basicamente, o rádio analógico extrai o sinal modulado da frequência intermediária, que é amplificado e enviado para o alto-falante ou saída de rádio. Na transmissão digital, o sinal representa a versão digital do áudio, assim como o arquivo wave ou MP3 no computador é uma representação digital, ele pode ser convertido de volta para o sinal analógico que pode ser enviado ao alto-falante. A vantagem disso é que o requisito de largura de banda dos sinais digitais no ar pode (potencialmente) ser reduzido, fmuser.-net, para que você possa acomodar mais sinais no mesmo "espaço aéreo" e os sinais digitais não sejam suscetíveis a ruído. Como Ray escreve "sim" porque, infelizmente, muitas estações comerciais de rádio / TV digital não o fazem, diz Ray.

         

        FMUSER. Deixe-me repetir que no rádio "digital", os componentes que selecionam a frequência de recepção ainda são analógicos, mas a frequência mista (sintonizada) é controlada e selecionada digitalmente.

         

        Outra coisa interessante é o rádio definido por software (SDR), que é o princípio de converter if (ou em alguns casos diretamente a frequência da antena) em um sinal digital e demodulá-lo por um processador de sinal totalmente atualizável por software fmuser.-net. Como é muito mais fácil programar um novo software do que soldar componentes eletrônicos, isso despertou grande interesse entre os entusiastas do rádio.

         

        Se você incluir SDR e aplicá-lo sem usar nenhuma frequência intermediária (conectando a antena diretamente ao conversor analógico-digital e ao processador de sinal), existe uma forma de software puro para ajustar a fonte do sinal de acordo com seus requisitos, embora não seja a maneira mais comum de o rádio digital funcionar atualmente.

        8. Alarme de falha de áudio

         

         

        como funciona Alarme de falha de áudio funciona?

         

        Ao monitorar a entrada de áudio, o alarme de falha de áudio pode monitore simultaneamente vários canais de áudio para garantir a qualidade da entrada de áudio

         

        Sua marca Alarme de falha de áudio é importante?

         

        Além de monitorar o canal de áudio, o mais importante é que o alarme de falha de áudio possa detectar a falha de áudio e enviar o alarme a tempo.

        9. Fonte de alimentação UPS

         

        como funciona Fonte de alimentação UPS funciona?

        Uma fonte de alimentação ininterrupta (UPS), também conhecida como bateria de reserva, é muito sensível à flutuação da fonte de alimentação de entrada, que fornece energia de reserva quando sua fonte de alimentação normal falha no fmuser.-net ou a tensão cai a um nível inaceitável. É uma espécie de sistema de alimentação contínua em standby que fornece alimentação ao equipamento quando a alimentação principal do equipamento é desligada. O UPS consiste em uma bateria, que será "plugada" quando o dispositivo detectar uma falha de energia da fonte de alimentação principal, fornecendo energia armazenada na bateria, fmuser.-net, supercapacitor ou volante, fornecendo proteção quase instantânea para a interrupção de a fonte de alimentação de entrada para que o dispositivo de desligamento possa continuar funcionando por pelo menos um curto período de tempo. O equipamento UPS também oferece proteção anti-surto. O tamanho e o design do UPS determinam por quanto tempo ele fornecerá energia. O pequeno sistema UPS pode fornecer energia por vários minutos, o que é suficiente para desligar a energia do computador ordenadamente, enquanto o sistema grande tem bateria suficiente para durar várias horas até que seja assumido pelo gerador.

         

        Os ups comuns são divididos nos três tipos a seguir:

         

        • UPS Standby
        • UPS on-line
        • UPS interativa online

         

        Adicionar uma fonte de alimentação ininterrupta à sua estação de rádio é uma boa maneira de garantir que a energia seja interrompida em um momento importante

         

        • A função do UPS é prática e simples
        • Absorve oscilações relativamente pequenas.
        • Elimine fonte de alimentação barulhenta.
        • Fonte de alimentação contínua para equipamentos durante a queda de linha.
        • O equipamento será desligado automaticamente em caso de falta de energia por um longo período.
        • Monitore e registre o status de energia.
        • Exibe o consumo de tensão / corrente do dispositivo.
        • Reinicie o equipamento após uma longa falta de energia.
        • Exibe a tensão na linha de alimentação atual.
        • Fornece alertas em algumas situações de erro.
        • Fornece proteção contra curto-circuito.

        Por que ininterrupto Fonte de alimentação do laboratório é importante?

         

        Uma fonte de alimentação ininterrupta (UPS) é projetada para proteger cargas críticas de problemas específicos da fonte de alimentação, incluindo picos, falhas de energia, flutuações e quedas de energia. O UPS é particularmente importante para proteção de hardware. O fornecimento de energia do UPS na sala do rack pode estabilizar o fornecimento de energia e fornecer energia ao equipamento fmuser-net em um curto período de tempo para evitar falha do equipamento ou inoperância causada por uma grade instável ou para evitar que o equipamento pare de funcionar devido à energia falha ou tropeço fmuser.-net. Em alguns cenários de aplicação vulneráveis ​​ao impacto negativo de falhas de energia, como equipamentos de telecomunicações ou computadores, uma falha repentina de energia pode causar danos à máquina e pode causar a perda de alguns arquivos importantes ou até mesmo fatalidades. fmuser.-net Para uma estação de rádio profissional super grande, o UPS é necessário. O sistema de bateria UPS pode proteger você e sua estação de rádio de danos em caso de falha de energia para que seu equipamento caro de estação de rádio possa automaticamente fmuser-net execute por um período de tempo sem um monitor de vídeo até que a alimentação principal assuma. Em hospitais, bancos e outras instituições importantes, esses minutos preciosos podem ser uma questão de vida ou morte. O UPS pode responder imediatamente quando a energia principal é cortada, diz Ray, e fornecer energia poderosa para o sistema e, em seguida, fornecê-la ao sistema de backup imediatamente após ser iniciado e executado.

         


         

        equipamento de testes

         

        Carga Fictícia RF

        Durante o teste do sistema de RF, a carga fictícia, também conhecida como antena fictícia, serve como um elemento crucial simulando a carga do dispositivo elétrico conectado à saída do transmissor de rádio. Ele permite o teste e configuração do transmissor ou receptor sem realmente irradiar ondas de rádio.

         

         

        Normalmente, uma carga fictícia consiste em um resistor conectado a um radiador que dissipa eficientemente a energia do transmissor, absorvendo efetivamente a energia de radiofrequência (RF) e imitando as características de impedância de uma antena. Chamadas de cargas de RF ou cargas de terminação, as cargas fictícias fornecem um meio controlado e seguro para absorver a energia de RF gerada pelo transmissor quando uma antena real não está conectada. Isso não apenas evita a radiação desnecessária no ambiente, mas também protege o transmissor de possíveis danos resultantes de uma linha de transmissão incomparável ou desconectada.

         

        a-bird-dummy-load.jpg

         

        Além de ajustar com precisão os parâmetros do transmissor e do receptor, a carga fictícia desempenha um papel crucial na prevenção de danos causados ​​por operação incorreta. Os engenheiros de RF reconhecem a carga fictícia como uma ferramenta para carregar equipamentos para testar amplificadores ou sistemas de RF. Usar uma antena diretamente durante o teste, sem nenhuma carga, não apenas dificulta o ajuste perfeito, mas também corre o risco de danificar o transmissor ou o receptor devido ao calor gerado pela energia de RF. Ao simular uma antena perfeitamente sintonizada conectada ao amplificador, a carga fictícia evita configurações de parâmetros impróprias ou danos ao equipamento de RF. É altamente recomendável escolher uma carga fictícia confiável e usá-la correta e imediatamente durante o teste do equipamento de RF para minimizar perdas desnecessárias.

         

        Escolhendo Cargas Fictícias

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher cargas fictícias:

         

        1. Capacidade de manuseio de energia: Determine a capacidade de manuseio de energia da carga fictícia. Certifique-se de que ele pode lidar com segurança com a potência máxima de saída do seu transmissor sem exceder seus limites ou causar danos.
        2. Impedância: Verifique se a carga fictícia corresponde à impedância de sua linha de transmissão, normalmente 50 ohms. Essa correspondência de impedância garante que o transmissor opere corretamente e minimize os reflexos.
        3. Resfriamento e dissipação de calor: Considere os mecanismos de resfriamento e as capacidades de dissipação de calor da carga fictícia. Procure projetos que dissipem com eficiência o calor gerado pela energia de RF absorvida, garantindo que a carga fictícia permaneça dentro de temperaturas operacionais seguras.
        4. Conectividade: Verifique se a carga fictícia possui os conectores apropriados para corresponder à sua linha de transmissão. Os conectores comuns incluem conectores BNC, tipo N ou UHF.
        5. Precisão: Avalie a precisão da correspondência de impedância da carga fictícia para garantir que ela forneça uma simulação confiável da carga de uma antena. Procure por cargas fictícias que foram testadas e verificadas quanto às suas características de impedância.

         

        Cargas fictícias de RF de alta potência recomendadas para você

         

        fmuser-1000w-rf-dummy-load.jpg fmuser-1200w-rf-dummy-load.jpg fmuser-1500w-rf-dummy-load.jpg fmuser-2000w-rf-dummy-load.jpg
        1 kW 1000 Watts 1.2 kW 1200 Watts 1.5 kW 1500 Watts 2 kW 2000 Watts
        fmuser-2500w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-3000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-4000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-5000w-rf-dummy-load.jpg
        2.5 kW 2500 Watts
        3 kW 3000 Watts
        4 kW 4000 Watts
        5 kW 5000 Watts
        fmuser-10000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-15000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-20000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-50000w-rf-dummy-load.jpg
        10 kW 10000 Watts
        15 kW 15000 Watts
        20 kW 20000 Watts
        50kW Modelo A
        fmuser-50000w-rf-dummy-load-model-b.jpg
        fmuser-75000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-100000w-rf-dummy-load.jpg
        fmuser-200000w-rf-dummy-load.jpg
        50kW Modelo B
        75 kW 75000 Watts
        100 kW 100000 Watts
        200 kW 200000 Watts

         

        Cargas fictícias AM

        AM cargas fictícias são cargas resistivas projetadas para corresponder à impedância de um sistema de antena em transmissão AM. Eles consistem em elementos resistivos fechados em um invólucro de dissipação de calor. Cargas fictícias são comumente usadas durante testes de equipamentos, manutenção de transmissores ou quando uma antena real não é desejada ou viável para transmissão de sinal.

         

        fmuser-gabinete-100kw-200kw-am-carga fictícia.jpg

         

        Como funcionam as cargas fictícias AM?

         

        As cargas fictícias AM funcionam fornecendo uma carga resistiva que corresponde à impedância do sistema de antena, normalmente 50 ou 75 ohms. Eles absorvem a potência de RF do transmissor, evitando que ela seja irradiada para o ar. Os elementos resistivos dentro da carga fictícia convertem a energia de RF em calor, que é então dissipado usando dissipadores de calor ou mecanismos de resfriamento.

         

        A energia absorvida é dissipada como calor, e a carga fictícia deve ser projetada para lidar com os níveis de energia gerados pelo transmissor sem superaquecimento ou danos. A capacidade de dissipação de calor da carga fictícia deve ser considerada para garantir que ela possa lidar com a potência nominal do transmissor que está sendo testado.

         

        Escolhendo cargas fictícias AM

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher cargas falsas AM:

         

        1. Impedância: Determine a classificação de impedância necessária para sua aplicação. Escolha uma carga falsa de AM que corresponda à impedância do seu sistema de antena (geralmente 50 ou 75 ohms) para garantir testes precisos e resultados de medição.
        2. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se a carga fictícia pode lidar com a potência nominal do seu transmissor. Considere a saída de potência máxima do seu transmissor e escolha uma carga fictícia com uma classificação de potência que exceda a potência máxima do seu transmissor para garantir uma operação segura e confiável.
        3. Dissipação de calor: Certifique-se de que a carga fictícia seja projetada com mecanismos de dissipação de calor adequados para lidar com a energia que está sendo absorvida. Considere fatores como aletas de resfriamento, dissipadores de calor ou ventiladores para dissipar o calor de forma eficaz e evitar o superaquecimento.
        4. Produza qualidade: Escolha uma carga falsa bem construída e confiável para garantir longevidade e precisão. Procure uma construção robusta, materiais duráveis ​​e conexões adequadas para garantir uma conexão segura e estável durante o teste ou transmissão.
        5. Alcance de frequência: Verifique se a carga fictícia cobre a faixa de frequência usada em seu sistema de transmissão AM. Certifique-se de que ele pode lidar com a faixa de frequência específica de sua aplicação sem variações significativas de impedância.

         

        Cargas simuladas AM recomendadas para você

         

        fmuser-1-3-5-kw-am-dummy-load.jpg fmuser-100kw-100000-watts-am-dummy-load.jpg fmuser-200kw-200000-watts-am-dummy-load.jpg
        1 / 3 / 5 kW 100 kW 200 kW

         

        Banco de teste de tensão de amplificador de potência de RF

        Um banco de teste de tensão de amplificador de potência de RF é uma configuração dedicada projetada especificamente para testar e analisar o desempenho de amplificadores de potência de RF usados ​​em transmissores AM. Ele permite que engenheiros e técnicos avaliem a eficiência, linearidade, distorção e outros parâmetros essenciais dos amplificadores.

         

        fmuser-rf-amplificador de potência-voltage-test-bench.jpg

        * Banco de Teste de Tensão de Amplificador de Potência de RF da FMUSER, saiba mais:

         

        https://www.fmradiobroadcast.com/product/detail/am-transmitter-test-bench.html

         

        Como funciona uma bancada de teste de tensão de amplificador de potência de RF?

         

        Uma bancada de teste de tensão de amplificador de potência de RF normalmente consiste em vários equipamentos e componentes para facilitar testes e medições precisas de amplificadores de potência de RF. A bancada de teste pode incluir:

         

        1. Gerador de sinal: Fornece o sinal de entrada para o amplificador de potência em teste. O gerador de sinal gera o sinal de RF modulado ou não modulado na frequência e nível de potência desejados.
        2. Medidor de energia: Mede a potência de saída do amplificador que está sendo testado. Ele fornece medição de potência precisa para diferentes bandas de frequência e ajuda a avaliar o desempenho e a linearidade do amplificador.
        3. Terminação de Carga: Uma terminação de carga é conectada à saída do amplificador de potência para fornecer uma carga correspondente e garantir condições de teste adequadas. Ele ajuda a dissipar a potência de saída gerada pelo amplificador sem refleti-la de volta e causar interferência ou danos.
        4. Monitoramento de sinal de teste: Equipamentos como osciloscópios ou analisadores de espectro podem ser usados ​​para monitorar e analisar a qualidade do sinal de saída, distorção e outras características.

         

        A bancada de teste de tensão do amplificador de potência de RF permite que os engenheiros apliquem sinais de entrada controlados, meçam a potência de saída, analisem a qualidade do sinal e avaliem o desempenho dos amplificadores de potência sob várias condições operacionais.

         

        Escolhendo um banco de teste de tensão de amplificador de potência de RF

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher uma bancada de teste de tensão de amplificador de potência de RF:

         

        1. Compatibilidade: Certifique-se de que a bancada de teste seja compatível com o tipo específico e a faixa de frequência dos amplificadores de potência de RF usados ​​em seus transmissores AM.
        2. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se a bancada de teste fornece a capacidade de manuseio de energia necessária para acomodar a potência máxima de saída dos amplificadores que estão sendo testados. Deve ser capaz de lidar com os níveis de potência sem distorção ou dano.
        3. Precisão de medição: Considere a precisão da medição do medidor de potência da bancada de teste ou outro equipamento de medição. Medições precisas são cruciais para avaliar e comparar o desempenho do amplificador.
        4. Facilidade de uso e controle: Procure uma bancada de teste que ofereça controles fáceis de usar e uma interface intuitiva para facilitar a operação. Os recursos de controle remoto também podem ser benéficos para agilizar os testes e a aquisição de dados.
        5. Expansibilidade e Flexibilidade: Considere a capacidade de expandir os recursos da bancada de teste ou adaptá-la a requisitos futuros. A bancada de teste deve permitir atualizações ou modificações futuras para acomodar as necessidades de teste em evolução.

        RF Power Meter

        Um medidor de potência de RF é um instrumento de medição usado para quantificar o nível de potência de sinais de RF. É comumente empregado em várias aplicações, incluindo radiodifusão, telecomunicações, sistemas sem fio e testes de RF. Os medidores de potência de RF fornecem medições de potência precisas, geralmente em watts ou decibéis, permitindo que os usuários analisem e otimizem o desempenho dos sistemas de RF.

         

        fmuser-pm1a-50ω-5200w-rf-medidor de potência.jpg

         

        * Medidor de potência de RF PM-1A da FMUSER, saiba mais:

         

        https://www.fmradiobroadcast.com/product/detail/pm1a-rf-power-meter.html

         

        Como funciona um medidor de potência de RF?

        Os medidores de potência de RF normalmente empregam várias técnicas para medir a potência dos sinais de RF. O método específico usado pode depender da faixa de frequência, nível de potência e requisitos de precisão. Aqui estão algumas técnicas de medição comuns:

         

        1. Sensores de energia térmica: Utilize um sensor baseado em termopar ou termistor para medir a potência do sinal de RF. A potência absorvida pelo sensor gera calor, que é convertido em um sinal elétrico proporcional à potência de RF.
        2. Sensores de potência de diodo: Incorpore um sensor baseado em diodo que retifica o sinal de RF, convertendo-o em uma tensão DC proporcional ao nível de potência de RF. Os sensores de diodo são frequentemente usados ​​para uma ampla gama de frequências e níveis de potência.
        3. Medição da intensidade do campo de RF: Alguns medidores de energia operam com base na medição de intensidade de campo. Eles usam antenas ou sondas para medir a força do campo elétrico ou magnético do sinal de RF. Ao medir a intensidade do campo, a potência pode ser calculada usando fórmulas específicas e suposições sobre as características da antena.

         

        Os medidores de potência de RF também podem apresentar recursos adicionais, como medição de frequência, análise de modulação e registro de dados para fornecer uma análise mais abrangente dos sinais de RF.

         

        Escolhendo um medidor de potência de RF

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher um medidor de potência de RF:

         

        1. Alcance de frequência: Certifique-se de que o medidor de potência de RF cobre a faixa de frequência necessária para suas aplicações específicas. Deve ser compatível com as frequências que você pretende medir.
        2. Faixa de Medição de Potência: Verifique se o medidor de energia oferece uma faixa de medição de energia adequada para acomodar os níveis de energia que você espera encontrar. Considere os níveis de potência máximo e mínimo de seus sinais de RF.
        3. Precisão de medição: Avalie a exatidão e a precisão do medidor de potência. Procure especificações como incerteza de medição, linearidade e opções de calibração para garantir medições precisas na aplicação pretendida.
        4. Velocidade de medição: Considere a velocidade de medição necessária para seus testes específicos. Algumas aplicações podem exigir medições rápidas, enquanto outras podem não ter restrições de tempo rígidas.
        5. Exibição e interface do usuário: Avalie o tamanho da tela, clareza e facilidade de uso da interface do usuário do medidor de energia. O display deve fornecer leituras claras e informações relevantes, enquanto os controles e menus devem ser intuitivos e diretos.
        6. Conectividade e registro de dados: Determine se o medidor de energia oferece opções de conectividade, como USB, Ethernet ou interfaces sem fio para controle e transferência de dados. Os recursos de registro de dados podem ser benéficos para registrar e analisar medições de energia ao longo do tempo.

         


         

        Componentes de Processamento de Sinal de RF

         

        Divisor de energia da antena para antena multicamada

         

        * Divisor de energia da antena FM FMUSER FU-P2 - Mais.

         

        como funciona Divisor de energia da antena funciona?

         

        Um divisor de energia de antena é um dispositivo que divide a energia (igualmente) entre duas portas de saída de uma porta de entrada ou combina duas antenas como uma matriz e as apresenta como uma carga de 50 ohms para uma combinação de transmissor / receptor ou transceptor. No caso ideal, um divisor de potência pode ser considerado sem perdas, mas, na prática, sempre há alguma dissipação de potência líquida de fmuser. O Divisor / Combinador pode ser uma seção de um quarto de onda da linha de transmissão ou pode ser uma seção de metade do comprimento de onda de uma lata. Teoricamente, um divisor de energia e um combinador de energia podem ser exatamente o mesmo componente, mas na prática, pode haver requisitos diferentes para combinadores e divisores, como manuseio de energia, combinação de fase, combinação de porta e isolamento. Os divisores de energia são freqüentemente chamados de divisores. Embora isso seja tecnicamente correto, os engenheiros normalmente reservam a palavra “divisor” para significar uma estrutura resistiva barata que divide a energia em uma largura de banda muito ampla, mas tem perda considerável e manipulação de energia limitada.

         

        Sua marca Divisor de energia da antena é importante?

         

        Quando você precisa usar uma antena multicamadas e seu transmissor tem apenas uma interface RF, você precisa usar o divisor de energia da antena. Sua função é dividir a única interface RF do transmissor em "múltiplas" interfaces RF e conectar essas interfaces com a antena multicamada. Ao mesmo tempo, o divisor de energia vai dividir a potência de RF do transmissor igualmente em cada camada das antenas, diz Ray.

        Unidade de ajuste de antena

        Uma unidade de sintonia de antena (ATU) é um dispositivo usado em sistemas de transmissão de rádio para otimizar o desempenho do sistema de antena. Sua principal função é casar a impedância da antena com a impedância da linha de transmissão, garantindo uma transferência eficiente de energia e minimizando as reflexões do sinal. As ATUs são especialmente úteis quando há incompatibilidades de impedância entre a antena e a linha de transmissão, que podem ocorrer devido a mudanças na frequência de operação ou variações nas características da antena.

         

        fmuser-antenna-tuning-unit-solution.jpg

          

        * Solução de unidade de sintonia de antena da FMUSER, saiba mais:

         

        https://www.fmradiobroadcast.com/product/detail/am-antenna-tuning-unit-atu.html

         

        Como funciona uma unidade de sintonia de antena?

         

        Os ATUs funcionam ajustando as propriedades elétricas do sistema de antena para obter uma correspondência com a linha de transmissão, normalmente visando uma relação de impedância de 1:1. Isso é obtido por meio de vários métodos, dependendo do projeto da ATU. Alguns ATUs usam capacitores e indutores variáveis ​​para alterar o comprimento elétrico e a impedância do sistema de antena. Ao ajustar esses componentes, o ATU pode compensar as diferenças de impedância e garantir que o sistema de antena seja compatível com a linha de transmissão.

         

        A ATU é normalmente colocada entre o transmissor e a antena e geralmente está localizada na base da antena ou próximo ao transmissor. Ele pode ser ajustado manualmente ou controlado automaticamente, dependendo do projeto e das capacidades específicas da ATU.

         

        Escolhendo uma unidade de sintonia de antena

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher uma unidade de sintonia de antena:

         

        1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência na qual o ATU irá operar. Os ATUs são projetados para faixas de frequência específicas, portanto, certifique-se de que o ATU seja adequado para a banda de frequência usada por sua estação de rádio.
        2. Capacidade de manuseio de energia: Considere a capacidade de manuseio de energia do ATU. Certifique-se de que ele pode lidar com a saída de potência máxima do seu transmissor sem causar danos ou degradação do sinal.
        3. Faixa de correspondência de impedância: Verifique a faixa de correspondência de impedância do ATU. Ele deve ser capaz de combinar a impedância do seu sistema de antena com a impedância da linha de transmissão de forma eficaz.
        4. Ajustabilidade: Considere se você precisa de uma ATU manual ou automática. Os ATUs manuais requerem ajuste manual, enquanto os ATUs automáticos podem ajustar a correspondência de impedância automaticamente com base no feedback dos sensores ou sistemas de controle.
        5. Instalação e Compatibilidade: Certifique-se de que o ATU seja compatível com seu sistema de antena e linha de transmissão. Verifique os conectores de entrada/saída, requisitos de energia e dimensões físicas para garantir instalação e integração adequadas.

        Filtros de cavidade de RF

        Os filtros de cavidade de RF são filtros especializados usados ​​em sistemas de radiofrequência (RF) para atenuar seletivamente ou passar bandas de frequência específicas. Os filtros de cavidade de RF funcionam com base no princípio de ressonância dentro de uma cavidade ressonante. Eles consistem em um invólucro metálico com uma ou mais cavidades ressonantes e elementos de acoplamento. As cavidades ressonantes são sintonizadas para ressoar em frequências específicas, permitindo que atenuem ou transmitam sinais dentro dessas faixas de frequência.

         

        fmuser-500w-fm-bandpass-filtro.jpg

         

        Quando um sinal é aplicado a um filtro de cavidade de RF, as cavidades ressonantes atenuam ou passam seletivamente as frequências que correspondem às suas frequências ressonantes. Os elementos de acoplamento controlam a quantidade de acoplamento entre as cavidades, permitindo um controle de frequência preciso e as características de filtro desejadas (por exemplo, largura de banda, perda de inserção, seletividade).

         

        Escolhendo filtros de cavidade de RF

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher filtros de cavidade de RF:

         

        1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência que você precisa filtrar. Escolha um filtro de cavidade de RF que cubra a faixa de frequência específica de sua aplicação.
        2. Características do filtro: Diferentes filtros de cavidade têm características diferentes, como largura de banda, perda de inserção, seletividade e rejeição. Considere os requisitos específicos do seu sistema de RF e escolha um filtro que atenda a esses requisitos.
        3. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se o filtro de cavidade de RF pode lidar com os níveis de potência de sua aplicação. Certifique-se de que ele pode suportar a energia sem distorção ou danos.
        4. Topologia do filtro: Considere a topologia de filtro adequada à sua aplicação. Diferentes designs de filtro de cavidade, como filtros combinados, filtros interdigitais e filtros acoplados à íris, têm características e desempenho diferentes.
        5. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais o filtro de cavidade de RF será exposto, como temperatura, umidade e vibração. Certifique-se de que o filtro escolhido seja adequado para os requisitos ambientais específicos de sua aplicação.
        6. Tamanho e fator de forma: Considere o tamanho físico e o fator de forma do filtro. Certifique-se de que cabe no espaço disponível e pode ser facilmente integrado ao seu sistema de RF.

         

        Filtro de Cavidade FM

         

        Um filtro de cavidade FM é projetado especificamente para filtrar sinais FM (Frequency Modulation). Ele ajuda a atenuar ou passar a banda de frequência desejada para garantir a transmissão e recepção do sinal em sistemas de rádio FM. Os filtros de cavidade FM são comumente usados ​​em sistemas de transmissão, transmissores de rádio e receptores operando na faixa de frequência FM.

         

        Filtros de FM recomendados para você

         

        fmuser-500w-fm-bandpass-filtro.jpg fmuser-1500w-fm-bandpass-filtro.jpg fmuser-3000w-fm-bandpass-filtro.jpg
        Passa-banda de 500 W Passa-banda de 1500 W Passa-banda de 3000 W
        fmuser-5000w-fm-bandpass-filtro.jpg
        fmuser-10000w-fm-bandpass-filtro.jpg
        fmuser-20kw-fm-filtro passa-baixa.jpg
        Passa-banda de 5000 W
        Passa-banda 100kW
        Passa-banda 200kW

         

        VHF Cavidade Filtros

         

        Filtros de cavidade VHF (Very High Frequency) são projetados para filtrar sinais na banda de frequência VHF, normalmente variando de 30 MHz a 300 MHz. Eles são comumente usados ​​em várias aplicações, incluindo transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio e rádios de segurança pública operando na faixa de frequência VHF.

         

        Filtros VHF recomendados para você

          

        fmuser-500w-bandpass-vhf-filtro.jpg fmuser-1500w-bandpass-vhf-filtro.jpg fmuser-3000w-bandpass-vhf-filtro.jpg fmuser-5000w-bandpass-vhf-filtro.jpg
        Passa-banda de 500 W Passa-banda de 1500 W Passa-banda de 3000 W Passa-banda de 5000 W

        fmuser-10000w-bandpass-vhf-filtro.jpg fmuser-10kw-bandstop-vhf-filter.jpg fmuser-10kw-filtro passa-baixo-vhf.jpg
        Passa-banda de 10000 W Passa-banda de 10000 W Passa-banda de 10000 W

         

        Filtros de cavidade UHF

         

        Filtros de cavidade UHF (Ultra High Frequency) são projetados para a banda de frequência UHF, que normalmente varia de 300 MHz a 3 GHz. Eles são amplamente utilizados em transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio, sistemas de radar e outras aplicações de RF operando na faixa de frequência UHF.

         

        Filtros UHF recomendados para você

         

        fmuser-350w-dtv-uhf-bandpass-filtro.jpg fmuser-750w-dtv-uhf-bandpass-filtro.jpg fmuser-1600w-dtv-uhf-bandpass-filtro.jpg
        Passa-banda DTV 350W Passa-banda DTV 750W Passa-banda DTV 1600W
        fmuser-3000w-dtv-uhf-bandpass-filtro.jpg
        fmuser-5500w-dtv-uhf-bandpass-filtro.jpg
        fmuser-20000w-uhf-bandpass-filtro.jpg
        Passa-banda DTV 3000W
        Passa-banda DTV 5500W
        Passa-banda 20kW

          

        Filtro de Cavidade Banda L

         

        An Filtro de cavidade de banda L foi projetado para funcionar na faixa de frequência da Banda L, normalmente variando de 1 GHz a 2 GHz. A Banda L é comumente usada em comunicação via satélite, aplicações aeronáuticas e sistemas sem fio que requerem comunicação de longo alcance.

         

        Transmissores de FM recomendados para você

         

        fmuser-3kw-l-band-bandpass-filter.jpg
        Passa-banda 3kW

          

        Acopladores Híbridos de RF

        Acopladores híbridos de RF são dispositivos passivos usados ​​em sistemas de RF para combinar ou dividir sinais mantendo o isolamento entre as portas de entrada e saída.

         

        fmuser-4kw-7-16-din-fm-acoplador híbrido.jpg

          

        Como funcionam os acopladores híbridos de RF

         

        Os acopladores híbridos de RF funcionam com base no princípio de divisão de potência e combinação em uma rede de quatro portas. Eles consistem em duas portas de entrada (geralmente chamadas de portas principais e acopladas) e duas portas de saída. A porta principal é conectada à fonte de sinal principal, enquanto a porta acoplada se conecta ao sinal acoplado. As duas portas restantes são as portas de saída.

         

        O acoplador híbrido de RF opera dividindo a energia da porta principal em dois caminhos: um que vai diretamente para uma porta de saída e outro que é acoplado à outra porta de saída. Isso permite a divisão de potência e o acoplamento de sinal, mantendo alto isolamento entre as portas de entrada e saída.

         

        A quantidade de divisão de energia e acoplamento é determinada pelo projeto e especificações do acoplador híbrido, como a taxa de acoplamento e isolamento. A taxa de acoplamento determina a distribuição de energia entre as portas de saída, enquanto o isolamento garante vazamento mínimo de sinal entre as portas de entrada e saída.

         

        Escolhendo Acopladores Híbridos de RF

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher acopladores híbridos de RF:

         

        1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência com a qual você precisa trabalhar. Escolha um acoplador híbrido de RF que cubra a faixa de frequência específica de sua aplicação.
        2. Taxa de acoplamento: Avalie a taxa de acoplamento necessária para o seu sistema. A taxa de acoplamento determina a distribuição de energia entre as portas de saída. Escolha um acoplador híbrido com a taxa de acoplamento apropriada com base nas necessidades do seu sistema.
        3. Isolamento: Considere o nível necessário de isolamento entre as portas. Maior isolamento garante vazamento mínimo de sinal entre as portas de entrada e saída. Escolha um acoplador híbrido com isolamento suficiente para sua aplicação.
        4. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se o acoplador híbrido de RF pode lidar com os níveis de potência de sua aplicação. Certifique-se de que ele pode suportar a energia sem distorção ou danos.
        5. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais o acoplador híbrido será exposto, como temperatura, umidade e vibração. Certifique-se de que o acoplador escolhido seja adequado para os requisitos ambientais específicos de sua aplicação.
        6. Tamanho e fator de forma: Considere o tamanho físico e o fator de forma do acoplador híbrido. Certifique-se de que cabe no espaço disponível e pode ser facilmente integrado ao seu sistema de RF.

         

        Acopladores VHF

         

        Acopladores VHF (Very High Frequency) são projetados para operar na faixa de frequência VHF, normalmente de 30 MHz a 300 MHz. Eles são usados ​​para combinar ou dividir sinais VHF, mantendo alto isolamento entre as portas. Os acopladores VHF são comumente usados ​​em aplicações como transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio e amplificadores de RF operando na faixa de frequência VHF.

          

        Acopladores VHF recomendados para você

          

        fmuser-7-16-din-input-4kw-3db-hybrid-fm-coupler.jpg fmuser-1-5-8-input-4-port-15kw-3db-hybrid-fm-coupler.jpg fmuser-3-1-8-input-4-port-50kw-3db-hybrid-fm-coupler.jpg
        FM Híbrido 7/16 Din 4kW 3dB 1-5/8" 4 portas 15kW 3dB Hybrid FM 3-1/8" 4 portas 50kW 3dB Hybrid FM
        fmuser-4-1-2-4-7-8-6-1-8-input-120kw-3db-hybrid-fm-coupler.jpg
        fmuser-1-5-8-input-15kw-3db-hybrid-vhf-coupler.jpg
        fmuser-3-1-8-4-1-2-input-45kw-75kw-3db-hybrid-vhf-coupler.jpg
        4-1/2", 4-7/8", 6-1/8" Entrada 12kW 3dB Hybrid FM
        1-5/8" 15kW 3dB VHF
        3-1/8", 4-1/2", 45/75kW 3dB Híbrido VHF

          

        Acopladores UHF

         

        Acopladores UHF (Ultra High Frequency) são projetados para a banda de frequência UHF, que geralmente abrange de 300 MHz a 3 GHz. Os acopladores UHF permitem a combinação ou divisão de sinais UHF, mantendo o isolamento entre as portas. Eles encontram aplicações em transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio, sistemas de radar e outros sistemas de RF operando na faixa de frequência UHF.

         

        Acopladores UHF recomendados para você

         

        fmuser-1-5-8-input-5kw-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg fmuser-1-5-8-input-8kw-4-port-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg fmuser-1-5-8-input-15kw-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg
        1-5/8” 5kW 3dB Híbrido UHF 1-5/8" 8kW 3dB 4 portas FM híbrido 1-5/8" 15kW 3dB Híbrido UHF
        fmuser-1-5-8-input-20kw-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg
        fmuser-3-1-8-input-25kw-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg
        fmuser-4-1-2-input-40kw-3db-hybrid-uhf-coupler.jpg
        1-5/8" 20kW 3dB Híbrido UHF
        3-1/8" 25kW 3dB Híbrido UHF
        4-1/2" 40kW 3dB Híbrido UHF

          

        Acoplador de Banda L

         

        Acopladores de banda L são projetados especificamente para a faixa de frequência da Banda L, normalmente variando de 1 GHz a 2 GHz. Eles são usados ​​para combinar ou dividir os sinais da Banda L, mantendo o isolamento entre as portas. Os acopladores de banda L são comumente usados ​​em sistemas de comunicação via satélite, aplicações aeronáuticas e sistemas sem fio que requerem comunicação de longo alcance.

         

        Acopladores de banda L recomendados para você

         

        fmuser-1-5-8-4kw-3-port-3db-hybrid-l-band-coupler.jpg fmuser-1-5-8-7-16-din-4kw-3-port-3db-hybrid-l-band-coupler.jpg
        Banda L híbrida de 1-5/8" 4kW 3dB 1-5/8", 7/16 Din, 3 portas 4kW 3dB banda L híbrida

          

        Combinadores de Transmissores

        Combinadores de transmissores são dispositivos usados ​​em sistemas de RF para combinar os sinais de saída de vários transmissores em uma única linha de transmissão.

         

        fmuser-4-6-cavity-1kw-starpoint-vhf-transmitter-combiner.jpg

         

        Como funcionam os combinadores de transmissores

         

        Os combinadores de transmissor funcionam combinando os sinais de saída de vários transmissores em uma linha de transmissão comum, mantendo a correspondência e o isolamento de impedância adequados. Eles geralmente consistem em filtros, divisores e redes combinadoras.

         

         

        Os filtros em um combinador de transmissor são usados ​​para isolar as saídas individuais do transmissor e evitar intermodulação ou interferências indesejadas. Os divisores dividem a potência de cada transmissor e a direcionam para a rede do combinador. A rede do combinador mescla os sinais em uma única linha de transmissão, garantindo o casamento de impedância adequado e minimizando a perda de sinal.

         

        Os combinadores do transmissor são projetados para fornecer alto isolamento entre as saídas do transmissor, evitando diafonia ou interferência entre eles. Eles também mantêm o casamento de impedância para garantir uma transmissão de sinal eficiente e reduzir os reflexos.

         

        Escolhendo Combinadores de Transmissores

         

        Considere os seguintes fatores ao escolher os combinadores de transmissores:

         

        1. Alcance de frequência: Determine a faixa de frequência de seus transmissores. Escolha um combinador de transmissores que cubra a faixa de frequência específica de seus transmissores.
        2. Número de transmissores: Determine o número de transmissores que você precisa combinar. Escolha um combinador de transmissores com portas de entrada suficientes para acomodar todos os seus transmissores.
        3. Capacidade de manuseio de energia: Verifique se o combinador do transmissor pode lidar com os níveis de potência de seus transmissores. Certifique-se de que pode suportar a potência combinada sem distorção ou dano.
        4. Perda de Isolamento e Inserção: Avalie as características de isolamento e perda de inserção do combinador do transmissor. Maior isolamento garante interferência mínima entre as saídas do transmissor, enquanto menor perda de inserção garante transmissão de sinal eficiente.
        5. Considerações ambientais: Avalie as condições ambientais às quais o combinador do transmissor será exposto, como temperatura, umidade e vibração. Certifique-se de que o combinador escolhido seja adequado para os requisitos ambientais específicos de sua aplicação.
        6. Tamanho e fator de forma: Considere o tamanho físico e o fator de forma do combinador do transmissor. Certifique-se de que cabe no espaço disponível e pode ser facilmente integrado ao seu sistema de RF.

         

        Combinadores de FM

         

        Os combinadores de FM são projetados especificamente para transmissores de FM (modulação de frequência). Eles permitem a combinação de várias saídas de transmissores FM em uma linha de transmissão comum. Combinadores de FM são comumente usados ​​em sistemas de transmissão, estações de rádio FM e outras aplicações que requerem a operação simultânea de vários transmissores de FM. >> Saiba Mais

         

        Combinadores de transmissor FM recomendados para você

          

        tipo balanceado:

         

        fmuser-7-16-din-4kw-fm-balanceado-cib-transmissor-combinador-modelo-a.jpg fmuser-7-16-din-4kw-fm-balanceado-cib-transmissor-combinador-modelo-b.jpg fmuser-4-cavity-15kw-fm-balanced-cib-transmitter-combiner.jpg fmuser-3-4-cavity-1-5-8-15kw-fm-balanced-cib-transmitter-combiner.jpg
        7/16 Din, 4kW, Modelo A 7/16 Din, 4kW, Modelo B

        1-5/8" 15kW Modelo A

        1-5/8" 15kW Modelo B

        fmuser-3-1-8-40kw-fm-balanced-cib-transmitter-combiner.jpg fmuser-3-4-cavity-50kw-fm-balanced-cib-transmitter-combiner.jpg fmuser-70kw-120kw-fm-balanced-cib-transmitter-combiner.jpg
        40kW 3-1/8" 3 ou 4-Cav, 3-1/8", 50kW

        70/120kW 4 1/2" 6 1/8" 3-Cav

         

        Tipo de início:

         

        fmuser-7-16-din-1kw-fm-star-type-transmitter-combiner.jpg fmuser-7-16-din-3kw-fm-star-type-transmitter-combiner.jpg fmuser-2-way-6kw-star-type-transmitter-combiner.jpg
        7/16 Din, 1kW 7/16 Din, 3kW 7/16 Din, 6kW

        fmuser-3-4-cavity-10kw-fm-star-type-transmitter-combiner.jpg fmuser-2-way-3-1-8-20kw-fm-star-type-transmitter-combiner.jpg
        1-5/8", 10kW 3-1/8", 20kW

         

        Combinadores VHF

         

        Os combinadores VHF (Very High Frequency) são projetados para combinar as saídas de vários transmissores VHF. Eles permitem a combinação eficiente de sinais VHF em uma única linha de transmissão, minimizando a perda de sinal e interferência. Combinadores VHF são comumente usados ​​em transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio e redes de rádio de segurança pública operando na faixa de frequência VHF. >> Saiba Mais

         

        Combinadores de transmissores VHF recomendados para você

          

        tipo balanceado:

         

        fmuser-1-5-8-input-15kw-3-4-cavity-blanced-type-vhf-transmitter-combiner-model-a.jpg fmuser-1-5-8-input-15kw-3-4-cavity-blanced-type-vhf-transmitter-combiner-model-b.jpg fmuser-3-1-8-input-24kw-6-cavity-blanced-type-vhf-transmitter-combiner.jpg fmuser-3-1-8-input-40kw-3-4-cavity-blanced-type-vhf-transmitter-combiner.jpg

        1-5/8", 15kW, máx. 10kW

        1-5/8", 15kW máx. 6kW

        3-1/8", 6-Cav, 24kW 3 ou 4-Cav., 3-1/8", 40kW

         

        Tipo de estrela:

         

        fmuser-7-16-din-input-1kw-4-6-cavity-star-type-vhf-transmitter-combiner.jpg fmuser-1-5-8-input-3kw-4-6-cavity-star-type-vhf-transmitter-combiner.jpg fmuser-1-5-8-input-6kw-4-6-cavity-star-type-vhf-transmitter-combiner.jpg fmuser-1-5-8-input-10kw-4-cavity-star-type-vhf-transmitter-combiner.jpg
        4 ou 6-Cav, 7/16 Din, 1kW 4 ou 6-Cav, 1-5/8", 3kW 4 ou 6-Cav, 1-5/8", 6kW 3 ou 4-Cav., 1-5/8", 10kW

         

        Combinadores UHF

         

        Os combinadores UHF (Ultra High Frequency) são projetados para a combinação de saídas de transmissores UHF. Eles permitem a fusão eficiente de sinais UHF em uma linha de transmissão comum, garantindo a transmissão adequada do sinal e minimizando a interferência. Os combinadores UHF encontram aplicações em transmissão de televisão, sistemas de comunicação sem fio, sistemas de radar e outros sistemas de RF operando na faixa de frequência UHF. >> Saiba Mais

         

        Combinadores de transmissores UHF recomendados para você

          

        tipo balanceado:

         

        fmuser-1-5-8-input-6-cavity-1kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner.jpg fmuser-7-16-din-input-6-cavity-1kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner.jpg fmuser-1-5-8-input-6-cavity-6kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner.jpg
        6-Cav 1-5/8" Digital 1kW 6-Cav 7/16 Din Digitial 1kW 6-Cav 1-5/8" Digital 6kW
        fmuser-1-5-8-input-4-cavity-8kw-balanced-uhf-atv-transmitter-combiner-model-a.jpg fmuser-1-5-8-input-4-cavity-8kw-balanced-uhf-atv-transmitter-combiner-model-b.jpg fmuser-1-5-8-3-1-8-input-6-cavity-16kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner-model-a.jpg
        1-5/8" 4-Cav 8kW Analógico, Modelo A
        1-5/8" 4-Cav 8kW Analógico Modelo B
        1-5/8" ou 3-1/8" 6-Cav 16kW Digital, Modelo A
        fmuser-1-5-8-3-1-8-input-6-cavity-16kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner-model-b.jpg
        fmuser-4-1-2-din-input-6-cavity-25kw-balanced-uhf-dtv-transmitter-combiner.jpg
        fmuser-3-1-8-din-input-6-cavity-25kw-balanced-uhf-atv-transmitter-combiner.jpg
        1-5/8" ou 3-1/8" 6-Cav 16kW Digital, Modelo B
        4-1/2" Din 6-Cav 25kW Digital
        3-1/8", 6-Cav, 25kW analógico

         

        Outras:

         

        fmuser-7-16-din-input-6-cavity-1kw-tipo-gabinete balanceado-uhf-transmissor-digital-combiner.jpg fmuser-1-5-8-3-1-8-input-8-20-kw-uhf-balanced-stretchline-transmitter-combiner.jpg fmuser-3-1-8-input-4-cavity-15-20-kw-uhf-analog-star-type-transmitter-combiner.jpg fmuser-7-16-din-6-cavity-1-5-8-3-1-8-input-700w-1500w-3200w-6000w-uhf-star-type-transmitter-combiner.jpg
        Gabinete 7-16 Din 6-Cav 1kW 1-5/8" ou 3-1/8", 8/20 kW Stretchline 3-1/8", 4-Cav, 15/20 kW tipo estrela

        700 W/1500 W/3200 W/6000 W tipo estrela

         

        Combinadores de banda L

         

        Os combinadores L Band são projetados especificamente para a combinação de saídas de transmissor L Band. Eles permitem a operação simultânea de vários transmissores da Banda L, mesclando seus sinais em uma única linha de transmissão. Os combinadores de Banda L são comumente usados ​​em sistemas de comunicação via satélite, aplicações aeronáuticas e sistemas sem fio que requerem comunicação de longo alcance na faixa de frequência da Banda L. >> Saiba Mais

         

        Combinadores de transmissores UHF recomendados para você

         

        fmuser-1-5-8-input-6-cavity-3-channel-3kw-l-band-transmitter-combiner.jpg
        1-5/8" 6-Cav 3-Chan 3kW

         


         

        Componentes Waveguide

         

        Desidratador de Guia de Ondas de Antena

         


         

        *Desidratador de guia de ondas de antena

         

        como funciona Desidratador de Guia de Ondas funciona?

        O desidratador Waveguide é usado para fornecer ar comprimido seco para si mesmo e torres de transmissão de sinal (como microondas, radar, sistema de antena, satélite de TV terrestre) e componentes relacionados em vários campos. Vale ressaltar que, para garantir a qualidade da transmissão do sinal, a pressão do ar comprimido fornecida pelo desidratador geral de guia de ondas fmuser.-net será maior que a pressão atmosférica. Por um lado, impede a entrada de água, evita a condensação do ar e consegue o efeito mais seco; por outro lado, evita a influência do clima. Um pequeno vaso de pressão é instalado no desidratador de guia de onda para garantir o ciclo de parada e partida, em vez da operação contínua do compressor integral.

         

        O pressostato diferencial controla a operação do compressor. O recipiente armazena o ar seco a uma pressão elevada e é bombeado para o guia de ondas a uma pressão mais baixa definida pelo regulador. Atualmente, muitos desidratadores de guia de onda no mercado possuem sistemas eletrônicos de monitoramento de tempo e umidade embutidos, que podem detectar alguns problemas inesperados de desidratadores de guia de onda na velocidade mais rápida, ou seja, o problema causado pelo armazenamento insuficiente de ar seco. Com base na pesquisa de Ray, o operador pode introduzir deliberadamente uma pequena quantidade de ar para garantir que o ar no sistema de guia de onda seja substituído regularmente conforme necessário para maximizar os benefícios do desidratador de guia de onda.

         

        Sua marca Desidratador de Guia de Ondas é importante?

         

        Como as partículas no guia de ondas causarão reflexão e perda ou atenuação de sinal, o desidratador pode manter um ambiente limpo, seco e livre de partículas no guia de ondas e deixar o fluxo de ar no tubo de alimentação, de modo a evitar que o SWR da antena sendo muito alto ou fio em curto-circuito causado pela umidade. Portanto, o desidratador de guia de onda desempenha um papel importante na maioria das aplicações de comunicação.

         


         

        Parte do painel de controle elétrico

         

        Na parte dos painéis de controle elétrico, 6 equipamentos primários estão incluídos, e eles são (clique para visitar):

         

        1. Interruptor de faca
        2. Medidor de eletricidade
        3. Medidor de monitoramento de potência e energia
        4. Dispositivo de proteção contra surtos
        5. Circuit Breaker
        6. Controlador Lógico Programável

         

        1. Interruptor de faca

         


         

        * Um interruptor de faca de dois pólos

         

        como funciona Interruptor de faca funciona?

         

        Uma chave faca (também conhecida como chave faca ou seccionadora) é um tipo de chave com contato móvel - chave faca, que é encaixada (ou separada) com o contato fixo - porta-faca na base para conectar (ou desconectar) o o circuito. Uma chave faca é um dos aparelhos elétricos de baixa tensão mais simples e amplamente usados ​​em aparelhos de controle manual. É geralmente usado em circuitos de baixa tensão CA e CC (não mais que 500 V) que não precisam ser desligados e fechados com freqüência. Sob a tensão nominal, sua corrente de trabalho não pode exceder o valor nominal fmuser.-net. Na máquina-ferramenta, a chave faca é usada principalmente como uma chave liga / desliga, geralmente não é usada para ligar ou desligar a corrente de trabalho do motor. As chaves faca comumente usadas são chave faca tipo HD simples, chave faca tipo HS de duplo lance (chave faca), chave faca tipo fusível HR, chave combinada tipo HZ, chave faca tipo HK, chave reversa tipo HY e caixa de ferro tipo HH switch, etc, diz Ray-fmuser.

         

        Sua marca Interruptor de faca é importante?

         

        1. A chave faca isola a fonte de alimentação para garantir a segurança da manutenção do circuito e do equipamento ou quando raramente conecta e interrompe a carga abaixo da corrente nominal.
        2. A chave faca interrompe a carga, como conectar e interromper com pouca frequência o circuito de baixa tensão com baixa capacidade ou dar partida diretamente no motor de pequena capacidade.
        3. Quando a chave faca está na posição desligada, isso pode ser obviamente observado, o que pode garantir a segurança do pessoal de manutenção do circuito.

         

        A chave faca que isola a fonte de alimentação também é chamada de chave seccionadora. A chave faca para isolamento é geralmente um dispositivo on-off sem carga, que pode apenas fazer ou interromper "corrente desprezível" (refere-se à corrente capacitiva do barramento com tensão, cabo curto ou transformador de tensão). Alguns interruptores de faca têm certas capacidades liga-desliga. Quando sua capacidade liga-desliga é adequada para a corrente liga-desliga necessária, eles podem ligar ou desligar parte da rede elétrica do equipamento ou equipamento completo sob condições sem falha. A chave faca usada como seccionadora deve atender à função de isolamento, ou seja, a fratura da chave é óbvia e a distância da fratura é qualificada. Durante a manutenção de equipamentos elétricos, é necessário cortar a alimentação para separá-la da parte viva e manter uma distância de isolamento efetiva. O que Ray descobriu: É necessário que o nível de tensão suportável de sobretensão possa ser suportado entre as seções divididas. Como diz Ray. a chave faca é usada como um dispositivo de comutação para isolar a fonte de alimentação.

         

        A chave faca e o fusível são conectados em série para formar uma unidade, que é chamada de grupo de fusíveis da chave faca ou grupo de fusíveis da chave seccionadora; quando a parte móvel (contato móvel) da chave faca é composta de peças portadoras de fusível com elo de fusível, é chamada de chave faca fusível ou chave seccionadora de fusível fmuser. líquido. O fusível da chave é combinado com componentes auxiliares, como alavanca de operação, mola, faca de arco, etc. A chave de carga tem a capacidade de ligar ou desligar a corrente de carga em condições sem falha e tem uma certa função de proteção contra curto-circuito.

        2. Medidor de Eletricidade

         

         

        * Um medidor de eletricidade tradicional

         

        como funciona Medidor de eletricidade funciona?

         

        Um medidor de eletricidade (também conhecido como medidor de eletricidade, medidor elétrico, medidor elétrico ou medidor de energia) é um dispositivo para medir a energia elétrica consumida por equipamentos residenciais, comerciais ou elétricos fmuser-net. Os medidores de eletricidade são divididos em medidores digitais e medidores analógicos. A instalação e o faturamento final dos medidores de eletricidade são normalmente para empresas de energia. O pessoal das empresas de energia irá instalar medidores de eletricidade onde for necessário usar medidores de eletricidade e, periodicamente, monitorar e cobrar os usuários por meio dos parâmetros nos medidores. Quando sua casa obtém eletricidade de um fio, um conjunto de pinhões se move no medidor. A revolução é registrada pelo dial que você vê quando olha para o medidor fmuser.-net. A velocidade de rotação é determinada pela potência consumida. O princípio de funcionamento de alguns outros dispositivos de medição de energia, diz Ray, são semelhantes aos medidores elétricos, como medidores de gás, é medir a força do gás em movimento no gasoduto. Com o aumento do fluxo de gás, o dial gira mais rápido, o que significa que mais gás é usado. É importante notar que a leitura da eletricidade é geralmente em kWh e, seja um medidor digital ou analógico, o kWh de eletricidade consumido exibido no display não será zerado. Quando o pessoal da concessionária lê a energia elétrica consumida no mês (semana) atual exibida no medidor, basta subtrair o número do final do mês para calcular o valor da conta de cada domicílio e cobrança.

         

        Sua marca Medidor de eletricidade é importante?

         

        Você pode não prestar atenção especial às mudanças de parâmetros do medidor, mas deve saber como observar os números exibidos no painel do medidor, para que possa monitorar quanta energia você usa em cada mês ou semana em comparação com o mês anterior ou semana, e verifique o valor da conta que você precisa pagar pela concessionária de energia e calcule você mesmo através de alguns cálculos simples A diferença entre o valor real da conta, para garantir que não gaste dinheiro desnecessário.

         

        Embora os tipos de contadores de eletricidade existentes no mercado não sejam uniformes, há muitas vantagens em usar contadores de eletricidade digitais para consumidores e fornecedores de energia. Para os consumidores, o preço da eletricidade no período de forte demanda (6h00 - 11h00) costuma ser menor do que no período de baixa demanda (0h00 - 7h00) a. Se você usar a leitura automática do medidor tradicional (AMR), gastará mais na conta de luz, porque a AMR rastreará seu consumo de eletricidade e a concessionária cobrará a eletricidade com base no preço médio do fmuser.-net do ciclo anterior. O uso de medidores digitais pode monitorar com precisão o consumo de energia para que seu fornecedor de energia elétrica possa determinar a quantidade específica de eletricidade que você usa, e também determinar quando você usa a eletricidade, de modo a evitar despesas desnecessárias com a conta de luz. Para fornecedores de energia elétrica, o uso de medidores inteligentes é conveniente para sua equipe. Em vez de contar a energia elétrica consumida por cada domicílio, eles podem ler diretamente os parâmetros no painel do medidor por meio de comunicação remota, o que reduz muito o custo de operação e mão de obra das concessionárias de energia.

        3. Equipamento de monitoramento e controle de energia

         

         

        * Transformador de corrente do tipo janela 

         

        Como é que Transformador de corrente funciona?

         

        O transformador de corrente (TC) é um tipo de transformador de instrumento, que pode converter corrente de alta tensão em corrente de baixa tensão, ou seja, converter corrente de valor mais alto em corrente proporcional e depois em valor mais baixo. De acordo com sua arquitetura funcional, os transformadores de corrente podem ser divididos em tipo de barra, tipo enrolado e tipo de janela. De acordo com sua natureza, o TC pode ser dividido em dois tipos: transformadores de corrente de proteção e transformadores de corrente de medição fmusernet. Entre eles, os transformadores de corrente de proteção são responsáveis ​​por medir corrente, energia e potência (usados ​​em conjunto com outros equipamentos de medição), enquanto os transformadores de corrente de medição são usados ​​junto com uma bobina de disparo, relé e outros equipamentos de proteção.

         

        Sua marca o transformador atual é importante?

         

        O transformador de corrente é um dos elementos importantes do sistema de potência, amplamente utilizado na medição e monitoramento de alta corrente e alta tensão. Usando um amperímetro padrão, a corrente que flui na linha de transmissão CA pode ser monitorada com segurança. Por exemplo, o transformador de corrente pode ser usado como o principal impulsionador de muitos medidores de energia comerciais e industriais de grande porte. Como diz Ray, os transformadores de corrente também são usados ​​para fornecer corrente proporcional à energia para esses dispositivos e para isolar os instrumentos de medição dos circuitos de alta tensão.

        4. Dispositivo de proteção contra surtos

         

         

        * Dispositivo de proteção contra surtos

         

        como funciona Dispositivo de proteção contra surtos funciona?

         

        O equipamento de proteção contra surtos (SPD), anteriormente conhecido como supressor de surto de tensão transiente (TVSS) ou supressor de surto secundário (SSA), é o tipo mais comumente usado e eficaz de proteção contra sobretensão, que é projetado para evitar picos de tensão fmuser .net ou "transientes "de danificar o equipamento eletrônico, que geralmente é conectado em paralelo no circuito de alimentação da carga. Como uma parte importante do sistema de proteção da instalação elétrica, quando a tensão transiente (como um raio ou dano na linha de alimentação) aparece repentinamente no circuito de proteção, o SPD limita a tensão transiente e transfere a corrente de volta para sua fonte ou terra. Quando a tensão atinge um certo ponto, o protetor de sobretensão pode simplesmente redistribuir energia adicional em virtude da função de uma válvula sensível à pressão em essência. Com a tensão correta, a corrente fluirá normalmente. O equipamento de proteção contra surtos fmuser -net também pode ser usado em todos os níveis da rede de energia, o SPD está em um estado de alta impedância sob tensão normal de operação e não afeta o sistema. Quando a tensão transiente ocorre no circuito, o SPD entra no estado ligado (ou baixa impedância) e transfere a corrente de surto de volta para sua fonte ou terra. Isso limitará a tensão ou grampo a um nível mais seguro. Após a transferência transitória, o SPD será redefinido para seu estado de alta impedância automaticamente.

         

        Deve-se comparar os diferentes dispositivos disponíveis, uma vez que identifica o sistema de distribuição de energia ao qual o SPD deve ser conectado, 5 coisas devem ser levadas em consideração:

         

        • Tensão máxima de operação contínua (MCOV).
        • Classificação de proteção de tensão (VPR) ou Nível de proteção de tensão (para cima).
        • Classificação da corrente de descarga nominal (In).
        • Status de indicação.
        • Capacidade de corrente de surto ou classificação máxima de surto.

           

          Sua marca Dispositivo de proteção contra surtos é importante?

           

          O dispositivo de proteção contra surtos (SPD) pode evitar o desligamento da máquina, melhorar a confiabilidade do sistema e dos dados e eliminar danos ao equipamento causados ​​por transientes e surtos de linhas de energia e sinal. O surto pode ser gerado de fora, como a geração de raios ou a geração interna de conversão de carga elétrica. As fontes desses surtos internos (65 por cento de todos os transientes) podem incluir cargas abertas e fechadas, operação de relés ou disjuntores, sistemas de aquecimento, motores e equipamentos de escritório, como Ray considera.

           

          O dispositivo de proteção contra surtos (SPD) é aplicável a quase todas as instalações da indústria, comércio e residência, e a seguir estão algumas aplicações típicas de equipamentos de proteção contra surtos:

           

          Circuito de comunicação, circuito de sinal de alarme, eletrodomésticos, distribuição de PLC, fonte de alimentação em espera, UPS, monitoramento de equipamento, carga crítica (abaixo de 1000 Volts), equipamento médico e equipamento HVAC, etc.

           

          De acordo com os regulamentos elétricos nacionais (NEC) e ANSI / UL 1449, o SPD é especificado da seguinte forma:

           

          • Tipo 1: Conexão Permanente

          Ele é projetado para ser instalado entre o secundário do transformador de serviço e o lado da linha do equipamento de sobrecorrente de desconexão de serviço (equipamento de serviço). Seu objetivo principal é proteger o nível de isolamento do sistema elétrico para evitar picos externos causados ​​por raios ou comutação dos bancos de capacitores comuns.

          • Tipo 2: Conexão Permanente

          Ele é projetado para ser instalado no lado da carga do serviço desconectado sobre o equipamento atual (equipamento de serviço), incluindo a localização do painel da marca. Seu objetivo principal é proteger equipamentos eletrônicos sensíveis e cargas baseadas em microprocessador do impacto de energia residual de relâmpagos, sobretensão gerada por motor e outros eventos de sobretensão internos.

          • Tipo 3: Conexão SPD

          Usando o ponto SPD instalado a um comprimento mínimo do condutor de 10 m (30 pés) do painel de serviço elétrico até o ponto de uso. Os exemplos incluem conexões de cabo, plug-in direto e dispositivos de proteção contra surtos do tipo soquete

          5 Disjuntor

           

           

          * Mini disjuntor elétrico

           

          como funciona Circuit Breaker funciona?

           

          O disjuntor é essencialmente um fusível de reinicialização. Dentro de cada disjuntor há uma mola presa a um pequeno pedaço de solda (uma liga fusível). Cada disjuntor é conectado a um fio que atravessa a casa. A corrente flui pela casa através da solda. O disjuntor não desarmará e a solda derreterá quando a fiação conectada estiver em perigo de superaquecimento. Contanto que a corrente salte acima do nível seguro, fmuser-net o circuito pode ser cortado para evitar superaquecimento, derretimento e potencial incêndio. Diferente do fusível que só pode ser operado uma vez e deve ser substituído, o disjuntor pode ser reiniciado automaticamente fmuser.-net ou manualmente após a liga ser resfriada para retomar a operação normal. O processo de fabricação de disjuntores os torna bem utilizados em dispositivos de circuito de vários tamanhos, como eletrodomésticos individuais ou circuitos de alimentação de alta tensão urbanos. Os disjuntores podem ser mais eficazes do que as chaves de segurança, mas não são chaves. Como diz Ray, o disjuntor e as chaves de segurança não são intercambiáveis. Portanto, não é recomendado usar disjuntores como interruptores.

           

          Sua marca Circuit Breaker é importante?

           

          Um disjuntor é um dispositivo de segurança que evita danos ao motor e aos fios quando a corrente que flui através do circuito excede seu limite de projeto. Isso é obtido removendo a corrente do circuito no caso de uma condição insegura. Ao contrário do interruptor, o disjuntor executa automaticamente esta operação e desliga a energia imediatamente ou desliga a energia imediatamente. Desta forma, pode ser utilizado como dispositivo automático de proteção de serviço contra incêndio e choque elétrico.

          6. Controlador Lógico Programável

           

           

          * Dispositivo de controlador lógico programável

           

          Como é que Controlador Lógico Programável funciona?

          O controlador lógico programável (CLP) é um tipo de equipamento eletrônico de controle geral de estado sólido de automação industrial e é uma solução de controle flexível e poderosa, que é adequada para quase todas as aplicações. PLC comum inclui CPU, entrada analógica, saída analógica e saída DC fmuser.-net. Na aplicação prática, o PLC pode ser entendido como uma espécie de computador digital. Sua função é tomar decisões com base na lógica fmuser.-net para todo o processo de produção automática, controlar máquinas industriais, monitorar as entradas de sensores de pressão, sensores de temperatura, interruptores de limite, contatos auxiliares e dispositivos piloto e, em seguida, conectá-los do sensores ou dispositivos de entrada conectados Recebem o sinal, processam os dados e acionam a saída de acordo com os parâmetros pré-programados.

           

          Os componentes gerais do PLC incluem:

           

          • HMI - para interagir com o PLC em tempo real, os usuários precisam de uma IHM ou de uma interface homem-máquina. Essas interfaces de operação podem ser telas simples com leitores de texto e teclados ou grandes painéis de tela de toque mais semelhantes aos eletrônicos de consumo, mas de qualquer forma, como diz Ray, elas permitem aos usuários visualizar as informações em tempo real e inseri-las no PLC .
          • Comunicação - além dos dispositivos de entrada e saída, o PLC pode precisar ser conectado a outros tipos de sistemas. Por exemplo, um usuário pode querer exportar dados de aplicativos registrados por um PLC para um sistema de monitoramento e aquisição de dados (SCADA) que monitora vários dispositivos conectados fmuser-.net. O PLC fornece uma série de portas e protocolos de comunicação para garantir que o PLC possa se comunicar com esses outros sistemas.
          • Dispositivo de programação - usado para inserir programas na memória do processador.
          • Fonte de alimentação do laboratório - Embora a maioria dos PLCs opere a 24 VCC ou 220 VCA, alguns possuem fonte de alimentação isolada.
          • CPU - verifique o PLC regularmente para evitar erros e realizar funções como operações aritméticas e lógicas.
          • Memória - a ROM do sistema armazena permanentemente os dados fixos usados ​​pela CPU, enquanto a RAM armazena as informações do dispositivo de entrada e saída, valor do temporizador, contador e outros dispositivos internos.
          • Seção I / O - uma seção de entrada que rastreia dispositivos de campo, como interruptores e sensores.
          • Parte O / P - esta parte fornece controle de saída para bombas, solenóides, lâmpadas e motores.

           

          Sua marca o controlador lógico programável é importante?

           

          Cinco coisas para entender ao programar PLC:

           

          • Entenda como funcionam os programas e varreduras de I / O
          • Aprenda a lidar com I / O
          • Compreender o endereçamento da memória interna
          • Familiarizado com o conjunto de instruções (diagrama ladder)
          • Familiarizado com software de programação (criar um projeto, adicionar lógica, baixar para o controlador, monitorar online e editar online)

           

          De acordo com a entrada e saída, o PLC pode monitorar e registrar os dados de execução, como a produtividade ou temperatura de trabalho da máquina, iniciar e parar automaticamente o processo e gerar alarmes quando a máquina falhar.

           

          Resumindo, o PLC é o "cérebro" modular do processo de automação, que você pode inserir em várias configurações. Eles são robustos e podem suportar condições adversas, como alta temperatura, frio, poeira e umidade extrema .fmuser.-net, mas também sua linguagem de programação é fácil de entender, portanto, podem ser programados facilmente. No caso de chaveamento sob carga, fmuser.-net o relé causará um arco de alta temperatura entre os contatos, o que fará os contatos no relé degenerarem devido ao fechamento e, eventualmente, levar à falha do equipamento. Substituir o relé por um PLC ajuda a prevenir o superaquecimento dos contatos.

           

          O controlador programável se tornou o principal método de automação em muitas indústrias e aplicações, que podem fornecer controle preciso, confiável e fácil de modificar. Além de funções discretas e procedimentais, Ray também descobriu que o controlador pode realizar tarefas complexas como movimento, registro de dados, acesso ao servidor web e e-mail.


          Peça de Suporte Periférico

          Na parte periférica, 9 equipamentos estão incluídos, e são eles (clique para visitar):

           

           

          O equipamento na parte de suporte periférica é usado para exibir a condição da sala de rack e otimizar o melhor ambiente de trabalho para o equipamento de transmissão em uma sala de rack de rádio fmuser.-net, incluindo o fornecimento de ar frio e seco, extinção de incêndio, etc. 

          1. Ar Condicionado

           


           

          como funciona Ar condicionado funciona?

          Para a sala de rádio, o ar condicionado é uma ferramenta de refrigeração essencial. Alguns equipamentos de rádio, como o transmissor de rádio FM de alta potência, inevitavelmente aquecem quando funcionam por muito tempo. O ar frio do ar condicionado pode controlar bem toda a temperatura da sala, resfriar o equipamento de rádio e evitar falha desnecessária da máquina causada por temperatura muito alta, diz Ray.

          2. Caixa de junção elétrica

           


           

          como funciona Caixa de junção elétrica funciona?

           

          A caixa de junção é um dispositivo que usa um invólucro de metal ou plástico como ponto de junção comum do circuito de ramificação, que pode acomodar e proteger com segurança a conexão elétrica da estrutura dos danos causados ​​por algumas afecções naturais, como elementos corrosivos ou meio ambiente, bem como adulteração humanística maliciosa ou não intencional fmuser.-net. A caixa de junção também é uma parte importante do sistema de transmissão na sala do transmissor da estação de rádio, e esses invólucros elétricos são geralmente usados ​​para proteger a conexão elétrica da estrutura. De acordo com as pesquisas da FMUSERRay, existem dois tamanhos: uma caixa de três fios com um tamanho de 2 polegadas por 3 polegadas e uma profundidade de 2.5 polegadas e uma caixa com cinco ou mais fios com um tamanho de 2 polegadas por 3 polegadas e um profundidade de 3.5 polegadas.

          3. Luz de Emergência

           


           

          como funciona Luz de emergência funciona?

           

          A iluminação de emergência refere-se ao dispositivo de fonte de luz com uma fonte de alimentação de bateria independente que é iniciada em caso de perda de energia externa (como falha de energia, incêndio, etc.). Em situações não emergenciais, a iluminação de emergência será carregada automaticamente. Embora o brilho da fonte de luz da iluminação de emergência seja de apenas 19% a 21% do brilho da fonte de luz típica fmuser.-net, ele estende a duração da Iluminação Sustentável da iluminação de emergência. A iluminação de emergência pode ajudar o pessoal de manutenção a evacuar com segurança da emergência o mais rápido possível.

          4. Relógio

           


           

          Como funciona um relógio?

           

          O Relógio geralmente se refere a qualquer sistema periódico usado para medir, verificar, reter e indicar a hora do equipamento. Geralmente, o relógio tem um minuto e um segundo. O relógio leva minutos como a menor unidade de escala e leva a cada 12 horas como um fmuser.-net de ciclo. O relógio também é um dos equipamentos indispensáveis ​​na lista de equipamentos da sala de rádios, podendo auxiliar o pessoal de manutenção dos equipamentos a acertar o equipamento de acordo com o horário específico.

          5. Câmera de segurança

           


           

          como funciona Câmera de segurança funciona?

           

          A câmera de monitoramento é, na verdade, uma parte do monitoramento de circuito fechado. Para a estação de rádio, o status de operação do equipamento na sala do rack precisa de um sistema claro e em tempo real para monitoramento remoto. Desta forma, podemos não apenas compreender o status de operação em tempo real do equipamento de transmissão, mas também facilitar a observação de dados e coleta de informações fmuser.-net, mas também dar uma resposta oportuna quando o equipamento na sala de rack entrar em condições inesperadas . O pessoal de manutenção na sala de informática não precisa mais correr para a frente e para trás quando o equipamento na sala de rack dá errado, o que economiza o custo de mão de obra e melhora a eficiência de trabalho do equipamento, diz Ray.

           

          Um sistema geral de monitoramento de circuito fechado consiste nos seguintes elementos

           

          • monitor
          • Gravador de Vídeo Digital
          • câmera de filme
          • Cabo

          6. Termômetro interno-externo

           

           

          como funciona Termômetro interno-externo funciona?

           

          Um termômetro interno e externo é um tipo de termômetro que pode fornecer a temperatura interna e externa em tempo real. Permite medir a temperatura externa sem sair de um espaço confinado. Claro, ele precisa de um dispositivo de sensoriamento remoto para medi-lo. Além de medir a temperatura externa, ele também pode medir a temperatura interna, a umidade ou a pressão do ar de um espaço confinado. O termômetro interno e externo é especialmente adequado para uso em condições climáticas extremas fmuser.-net. Para estações de rádio, a compra de um termômetro interno e externo pode ajudar o pessoal de manutenção da sala de informática a determinar se as condições internas da sala de informática são adequadas para a operação do equipamento e fazer ajustes oportunos devido a alguns parâmetros atmosféricos invisíveis (como como umidade do ar e temperatura) são muito altas ou muito baixas, o que afetará diretamente o funcionamento daqueles equipamentos de radiodifusão adquiridos por um preço alto ou mesmo orientar a operação dos danos do equipamento aos componentes centrais, diz Ray.

          7. Extintor de Incêndio

           


           

          como funciona Extintor de incêndio funciona?

           

          O extintor de incêndio é um tipo de equipamento portátil que pode extinguir a chama causada pela combustão de vários materiais combustíveis, descarregando materiais não combustíveis (como água, dióxido de carbono, etc.). Um extintor de incêndio comum é uma pressão cilíndrica portátil navio. Você só precisa puxar o anel de puxar, segurar o bocal fmuser-.net e apontar os combustíveis para apagar o fogo. Para a sala da estação de rádio, é necessário um extintor de incêndio. O combate a incêndio em tempo hábil pode minimizar a perda. Afinal, ninguém quer queimar milhões de equipamentos de transmissão em um único incêndio.

           

          • Extintor de espuma
          • Extintor de pó seco
          • Limpador de extintor de incêndio
          • Extintor de Dióxido de Carbono
          • Extintor de Névoa de Água
          • Extintor de incêndio químico úmido

          8. Exaustor

           


           

          como funciona Fã exausto funciona?

           

          Um exaustor refere-se a um tipo de equipamento usado para exaurir substâncias nocivas (como excesso de água, cheiro forte, fumaça tóxica, etc.) do ar interno para o externo por extração. Na sala de máquinas da estação de rádio, alguns equipamentos inevitavelmente funcionarão de maneira anormal devido ao excesso de impurezas no ar, especialmente o fmuser.-net úmido. Uma sala de rádio profissional deve ter um ambiente muito seco, ventilado e fresco para o equipamento de transmissão, e o exaustor desempenha um papel importante para fornecer ao equipamento um ambiente seco, ventilado e limpo.


          Parte de conexão de cabo 

          Na parte periférica, 6 equipamentos estão incluídos, e são eles:

           

          • Cabo de áudio
          • Cabo USB
          • Linha de Controle RS-232/486
          • Plug-in de energia
          • Etiqueta de equipamento de cabo de rede

           

          Diferentes equipamentos de transmissão compartilham interfaces diferentes, portanto, cabos de conexão diferentes são necessários, fmuser.-net, por exemplo, um cabo USB precisa se conectar a uma interface USB e um transmissor de rádio precisa usar uma linha de controle RS232 / 486 para se conectar com o fonte de alimentação fmuser.-net. O fio de conexão é um dos dispositivos auxiliares periféricos mais discretos. Mas, sem esses cabos de conexão, esses dispositivos de transmissão caros não podem iniciar e operar normalmente, diz Ray.

           

          1. Cabo de áudio

          O cabo de áudio é usado para garantir a entrada e saída do sinal de áudio

          2. Cabo USB

          O cabo USB é usado para conectar o dispositivo que precisa ser conectado ao computador.

          3. Linha de controle RS232 / 486

          Atualmente, todas as interfaces de comunicação comumente usadas para detecção e controle remotos na sala de rádio.

          4. Plug-in de energia

          O plug-in de energia é usado para conectar o equipamento à fonte de alimentação.

          5. Cabo de rede

          O cabo de rede é usado para conectar os dispositivos que precisam ser conectados à rede


          Parte de Suporte de Backup

           

           

          Na parte de suporte de backup, 6 equipamentos estão incluídos, e são:

           

          • Etiqueta do equipamento
          • Escada interna
          • Caixa de ferramentas de manutenção
          • Manual de Gravação de Operação
          • Registro de Dever
          • Substituição de Equipamentos
          • Receptor de rádio

           

          Antes que o pessoal de manutenção conserte o equipamento na sala de transmissão, eles geralmente precisam de algum equipamento de reparo, como uma escada de liga de alumínio, kit de reparo, peças de reposição, etc. fmuser.-net. Depois que o pessoal de manutenção conclui a manutenção do equipamento da sala de transmissão, eles precisam registrar os dados do equipamento. Nesse momento, eles precisam usar panfletos como o manual de registro de manutenção, que pode registrar o status em tempo real do equipamentos de transmissão, diz Ray. Para testar o status de operação do equipamento de transmissão, eles precisam usar equipamentos de recepção de transmissão, como rádio. A lista de equipamentos a seguir pode fornecer uma referência para você, se precisar de mais orientação profissional, por favor entre em contato com a FMUSER!

           

          1. Etiqueta do equipamento

          A etiqueta do equipamento é usada para etiquetar o equipamento para registro de dados.

          2. Escada interna

          Quando o pessoal de manutenção da sala de máquinas precisa de uma visão de manutenção mais ampla ou não consegue alcançar uma determinada parte da máquina alta, eles podem usar a escada.

          3. Caixa de ferramentas de manutenção (chave de fenda, chave inglesa, relógio universal, etc.)

          Todo pessoal de manutenção precisa carregar um conjunto completo de kits de manutenção de equipamentos da sala de máquinas. Quando a máquina apresenta falhas inesperadas, as ferramentas de manutenção do kit podem ajudar efetivamente o pessoal de manutenção a consertar a máquina.

          4. Manual de Gravação de Operação do Equipamento

          Ele é usado para registrar o estado de funcionamento da máquina antes e depois da manutenção e pode ajudar o pessoal de manutenção a determinar rapidamente se a máquina está funcionando normalmente e se os parâmetros de trabalho precisam ser ajustados. Ao mesmo tempo, também pode melhorar a taxa de tolerância a falhas quando a máquina for revisada novamente no futuro.

          5. Registro de Dever

          É usado para registrar a pessoa responsável pela manutenção do equipamento, o que é conveniente para rastrear a responsabilidade.

          6. Peças sobressalentes para substituição de equipamentos

          O equipamento de radiodifusão é um instrumento altamente preciso, no qual existem muitas peças necessárias de diferentes tamanhos. Quando o equipamento falha, é necessário ter peças sobressalentes imediatamente para a reposição das peças danificadas, de forma a garantir o funcionamento do equipamento.

          7. Receptor de rádio

          Um dispositivo usado para receber sinais de rádio de uma estação de rádio e convertê-los em programas de rádio

          Etc. ..

          Somos os especialistas em construir sua estação de rádio

           

          Esta lista de equipamentos de transmissão necessários para uma estação de rádio típica é a mais detalhada, embora não a mais completa. Para qualquer estação de rádio, o transmissor de rádio, a antena de transmissão e outros equipamentos de transmissão profissional determinam a qualidade do programa da estação de rádio. O excelente equipamento da sala de transmissão pode fornecer à sua estação de rádio entrada e saída de excelente qualidade de som para que a sua transmissão e a audiência do seu programa fiquem realmente conectadas. Para a FMUSER, garantir uma melhor experiência ao público radiofônico também é uma de nossas missões. Temos a solução de estação de rádio turnkey mais completa e décadas de experiência na produção e fabricação de equipamentos de rádio. Podemos fornecer aconselhamento profissional e suporte técnico online para construir uma estação de rádio personalizada e de alta qualidade. Contato e deixe-nos ajudá-lo a construir o seu sonho de estação de rádio!

           

          Compartilhar é se importar!

          Voltar ao conteúdo

          "Esta postagem foi editada pela primeira vez por Ray Chan, que é um dos experientes funcionários seniores da Fmuser e especialista em otimização de mecanismos de pesquisa do Google. Ele se dedica a criar conteúdo de leitura claro e descomplicado para rádios amadores e clientes profissionais que precisam de equipamento de estação de rádio. Quando não está escrevendo ou pesquisando, ele adora jogar basquete e ler livros "

          Compartilhe este artigo

          Obtenha o melhor conteúdo de marketing da semana

          Conteúdo

            Artigos Relacionados

            MENSAGEM

            Contato

            contact-email
            logo-contato

            GRUPO INTERNACIONAL FMUSER LIMITADO.

            Estamos sempre oferecendo aos nossos clientes produtos confiáveis ​​e serviços atenciosos.

            Se você deseja manter contato conosco diretamente, acesse Contacte-nos

            • Home

              Início

            • Tel

              Tel

            • Email

              E-mail

            • Contact

              Contato